sicnot

Perfil

País

Avaliação deficiente da posição do navio devido ao nevoeiro na origem de acidente no Terreiro do Paço

O catamarã "Antero de Quental" numa foto registada em 2012 e publicada na internet por Luís Miguel Correia.

Luís Miguel Correia

Uma "avaliação deficiente da posição do navio face ao pontão", devido à falta de visibilidade, esteve na origem do acidente com um catamarã em Lisboa, a 25 de janeiro, que provocou 34 feridos, foi anunciado esta quinta-feira.

"Do apuramento inicial das causas e responsabilidades relacionadas com a ocorrência resulta ter havido uma avaliação deficiente da posição do navio face ao pontão, causada pela visibilidade quase inexistente, devido ao nevoeiro cerrado, bem como pela insuficiente avaliação da velocidade de aproximação", refere o grupo Transtejo, em comunicado, depois de o Conselho de Administração ter analisado o Relatório Preliminar do acidente.

O catamarã "Antero de Quental" embateu no dia 25 de janeiro na doca da Marinha, Terreiro do Paço, proveniente do Barreiro, e, na sequência desse embate, alguns passageiros que já se tinham levantado para desembarcar foram projetados e ficaram feridos.

O balanço das vítimas foi de 34 feridos ligeiros (32 mulheres e dois homens), de um total de 561 passageiros.

"A tripulação era qualificada para operar a embarcação, sem quaisquer limitações. A embarcação "Antero de Quental" possuía toda a sua documentação em dia, dispondo de Certificado de Navegabilidade válido e cumpria o programa de manutenção definido, não se tendo observado qualquer código de alarme ou falha técnica que pudesse interferir com a manobra de atracação no momento da ocorrência", acrescenta a empresa.

O grupo Transtejo, que engloba as empresas Transtejo e Soflusa, responsáveis pelas ligações fluviais no rio Tejo, refere ainda que vai adotar medidas para reforçar a sinalética a informar sobre a necessidade de, por motivos de segurança, os passageiros "permanecerem sentados durante a viagem, especialmente durante o período de atracação".

Lusa

  • Marcelo lembra como foi tratada a tragédia durante a ditadura
    2:25

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Marcelo Rebelo de Sousa não quis comentar diretamente a polémica em torno da lista das vítimas mortais de Pedrógão Grande, mas recorreu às cheias de 1967 para lembrar como as tragédias eram tratadas no tempo da ditadura. O Presidente da República defendeu que não é possível esconder a dimensão de uma tragédia num regime democrático. Há 50 anos, Marcelo Rebelo de Sousa acompanhou de perto a forma como o regime tentou esconder a verdadeira dimensão do incidente.

  • Ministra admite falhas no SIRESP no presente e no passado
    2:35

    País

    A ministra da Administração Interna admitiu, esta quinta-feira, que o SIRESP falha no presente tal como já falhou no passado, quando a tutela pertencia ao Governo PSD. Os sociais-democratas quiserem ouvir Constança Urbano de Sousa na comissão parlamentar mas desta vez a ministra defendeu-se com um ataque. 

  • "Comecei por ajudar uma família que me pediu um plástico para se proteger"
    4:51
  • Míssil lançado do Iémen intercetado perto de Meca

    Mundo

    Um míssil balístico lançado pelos rebeldes xiitas do Iémen foi intercetado, quinta-feira à noite, perto de Meca, na Arábia Saudita, a um mês da peregrinação muçulmana anual do hajj, anunciou a coligação árabe que intervém no Iémen.