sicnot

Perfil

País

Ministro admite necessidade de reforçar pessoal não docente nas escolas

O ministro da Educação admitiu estas quinta-feira ser preciso reforçar ainda mais o pessoal não docente nas escolas porque apesar de tecnicamente os assistentes operacionais serem em número adequado é necessário dar resposta ao problema das muitas baixas médicas.

Na conferência de imprensa de hoje do Conselho de Ministros, Tiago Brandão Rodrigues foi questionado sobre a greve dos trabalhadores não docentes das escolas, marcada para sexta-feira, e para a qual o presidente da Federação dos Sindicatos dos Trabalhadores em Funções Públicas já disse esperar uma "grande adesão".

"Obviamente que é preciso reforçar ainda mais os assistentes operacionais nas escolas, mas dizer que tecnicamente e legalmente as nossas escolas têm os assistentes operacionais que deveriam ter", assumiu.

De acordo com o ministro da Educação, há um problema a que a tutela está a tentar dar resposta "relativamente a muitas baixas médicas de pessoal não docente".

"Vimos esta semana a contestação numa escola onde o número de assistentes operacionais que existiam é muito superior ao legalmente previsto, no entanto havia uma percentagem significativa que estava de baixa", relatou.

É "muito complicado", segundo Tiago Brandão Rodrigues, "substituir, com a velocidade que seria desejável, os assistentes operacionais de cada uma das escolas".

"Estamos a fazer, em articulação com os agrupamentos, um mapeamento que é contínuo e dinâmico para poder fornecer às escolas todos os meios humanos para que essas baixas médicas possam ser compensadas", assegurou.

O ministro da Educação tinha começado por apontar o dedo ao anterior Governo, uma vez que o "exercício para depauperar os serviços públicos notou-se também nas escolas".

"Os assistentes operacionais são absolutamente fundamentais e a redução dos assistentes operacionais em muitos dos nossos agrupamentos ou escolas não agrupadas foi muito significativo", sublinhou.

Tiago Brandão Rodrigues garantiu que logo que o executivo que integra entrou em funções teve oportunidade de "identificar onde é que havia necessidades mais prementes", transformando "imediatamente três mil funcionários que tinham contratos emprego inserção em contratos a termo, com um nível de precariedade muito inferior àquele que tinham".

"Na identificação dessas necessidades mais prementes pudemos contratar novos 300 assistentes operacionais e levar também à escola muitas horas que vieram coadjuvar o trabalho já feito nas escolas", recordou ainda.

Em conferência de imprensa na quarta-feira, Artur Sequeira, da Federação Nacional dos Sindicatos dos Trabalhadores em Funções Públicas e Sociais, afirmou que "vai ser uma grande greve", tendo já "a indicação e a perspetiva do encerramento de muitas escolas a nível nacional".

O mesmo responsável acrescentou que as direções dos estabelecimentos de ensino devem evitar interferir na paralisação do dia 03 de fevereiro.

De acordo com os dados da federação, há atualmente 49 mil trabalhadores não docentes nas escolas portuguesas tendo-se registado uma diminuição do número de funcionários, que chegaram a ser 60 mil, nos últimos anos.

Lusa

  • A proposta dos partidos para a redução da dívida
    1:55

    Economia

    O PS e o Bloco de Esquerda querem mais 45 anos para pagar as dívidas à UE e juros mais baixos. As medidas fazem parte da proposta para a redução da dívida pública. No relatório que será enviado ao Governo, não é pedido perdão da dívida como os partidos da esquerda chegaram a defender.

  • Ministros de Governos de Sócrates ouvidos pelo Ministério Público
    1:54
  • Suspeito de atropelamento mortal fala de acidente 
    2:00
  • "Têm um verdadeiro amigo na Casa Branca"

    Mundo

    O Presidente norte-americano reafirmou esta sexta-feira o apoio ao direito de porte de armas no país, sublinhando, numa convenção daquele 'lobby', que "o ataque de oito anos às liberdades consagradas no Artigo 2.º [da Constituição]" terminou.

  • A história de Macron e Brigitte Trogneux, 25 anos mais velha
    1:25

    Eleições França 2017

    A segunda volta das eleições francesas acontece já no próximo dia 7 de maio. Caso Emmanuel Macron seja eleito, o país terá como primeira-dama uma mulher 25 anos mais velha do que o Presidente. Brigitte Trogneux tem 64 anos e Macron 39, conheceram-se no liceu privado de jesuítas, em Amiens. Brigitte era a professora e Macron o aluno. Conheça a história do casal. 

  • Autoridades garantem ter evitado novo ataque terrorista em Londres
    0:59

    Mundo

    A polícia britânica garante que evitou um novo atentado em Londres. Mulher baleada faz parte das oito pessoas que foram detidas numa operação antiterrorista na capital britânica e no sul de Inglaterra. A operação realizou-se após a detenção de um homem com três facas, nas imediações do Parlamento britânico.

  • Presidente da Macedónia convocou reunião de emergência

    Mundo

    O Presidente da Macedónia, Gjorge Ivanov, convocou esta sexta-feira uma reunião de emergência com líderes políticos, após manifestantes, maioritariamente apoiantes da maioria conservadora, invadirem o Parlamento e atacarem deputados da oposição, fazendo 77 feridos.

  • Polícia espanhola divulga imagens de operação anti-jihadista

    Mundo

    A polícia espanhola divulgou esta sexta-feira novas imagens da operação anti-jihadista levada a cabo na terça-feira em Barcelona. Sabe-se agora que dois dos nove suspeitos detidos podem estar relacionados com a célula terrorista de Bruxelas, responsável pelos ataques no Aeroporto de Zaventem e no metro da capital belga.

  • Menina que nasceu com três pernas já corre

    Mundo

    Uma criança do Bangladesh que cresceu com três pernas vai regressar a casa, depois de uma viagem até à Austrália, onde foi operada para retirar o membro a mais. Como resultado de um gémeo que não se formou por completo, a criança de três anos nasceu com uma terceira perna na pélvis. Alguns meses após a cirurgia, feita em novembro, a menina já corre.