sicnot

Perfil

País

Quase 200 ocorrências em todo o país devido ao mau tempo

Em atualização

António Araújo / Lusa

A Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC) registou entre as 20:00 de quarta-feira e as 17:00 desta quinta-feira 198 ocorrências relacionadas com o mau tempo, sobretudo quedas de árvores, limpezas de via e quedas de estruturas.

A Proteção Civil diz estar atenta ao elevado risco de cheias no período de maré alta.

Não há registo de qualquer vítima.

A Proteção Civil mantém o aviso à população para que se mantenha afastada da orla costeira.

A região norte tem sido a mais afetada. O Instituto Português do Mar e da Atmosfera decretou alerta vermelho para o distrito do Porto por causa das previsões de aumento significativo da agitação marítima entre as 15:00 e as 23:59 de hoje, com ondas que podem atingir os 12 a 14 metros de altura máxima.

Os distritos de Viana do Castelo, Porto e Braga têm registado o maior número de ocorrências.

O mau tempo obrigou já ao corte da Avenida D. Carlos, na Foz do Douro, e a proteção civil do Porto "desaconselha a circulação e permanência junto à zona costeira e apela a que não se pratique qualquer atividade relacionada com o mar".

Ao final da manhã de hoje em Leixões, Matosinhos, foram registadas ondas com oito metros de altura, disse à Lusa o comandante da Zona Marítima do Norte e chefe do Departamento Marítimo do Norte.

O aviso vermelho é o mais grave de uma escala de três e corresponde a uma situação meteorológica de risco extremo.

  • Marine devolve bandeira do Japão 73 anos depois 
    2:13

    Mundo

    Setenta e três anos depois da batalha mais sangrenta do Pacífico, um veterano dos Estados Unidos cumpriu uma promessa pessoal. Marvin Strombo devolveu à família a bandeira da sorte de um soldado japonês, morto em 1944, em Saipan, na II Guerra Mundial. 

  • Autoridades usam elefantes para resgatar pessoas das cheias na Ásia
    1:31

    Mundo

    Mais de 215 pessoas morreram nas inundações que estão a devastar o centro da Ásia, e estima-se que três milhões tiveram de abandonar as casas. As autoridades estão a usar elefantes para resgatar locais e turistas das zonas mais afetadas e avisam que há dezenas de pessoas desaparecidas.