sicnot

Perfil

País

Relação confirma condenação de Narciso Miranda por abuso e falsificação

Arquivo

JOSÉ COELHO/LUSA

O Tribunal da Relação do Porto (TRP) confirmou a condenação do ex-presidente da Câmara de Matosinhos Narciso Miranda a dois anos e dez meses de prisão suspensa, por um crime de abuso de confiança e outro de falsificação.

Segundo um acórdão do TRP, a que a Lusa teve acessoe esta quarta-feira, foi negado provimento ao recurso interposto por Narciso Miranda.
Em declarações à Lusa, o advogado Artur Marques, que defende o ex-autarca, disse que ainda não analisou o acórdão, mas afirmou que a decisão "em princípio é irrecorrível".

Narciso Miranda, que já anunciou que vai candidatar-se à presidência da Câmara de Matosinhos como independente nas eleições autárquicas de 2017, terá assim de pagar 35.700 euros à Associação de Apoio às Pessoas com Cancro, como impõe a pena aplicada na primeira instância, para evitar prisão.

O acórdão dá como provado que Narciso Miranda usou, em proveito próprio, 35.700 euros, dinheiro proveniente de uma subvenção estatal à sua candidatura à Câmara de Matosinhos, em 2009, ano em que concorreu como independente.

A acusação refere que o ex-autarca canalizou as verbas para a associação "Narciso Miranda - Matosinhos Sempre", procedendo em seguida ao seu levantamento, em tranches inferiores a 15 mil euros, para evitar a comunicação à Polícia Judiciária.

Para justificar a saída do dinheiro, o arguido usou uma fatura de obras pretensamente realizadas na sede da referida associação.

No mesmo processo foram condenados outros dois arguidos, ambos ligados ao setor da construção civil, por prática, em coautoria, do crime de falsificação. Foram ambos condenados a um ano de prisão, suspensa na sua execução.

Em março de 2016, o Tribunal de Matosinhos absolveu, pela segunda vez, o ex-autarca, num outro processo em que era acusado dos crimes de abuso de confiança, peculato, participação económica em negócio e simulação de crime.

Os factos remontam aos anos de 2010 e 2011, estando relacionados com as funções de Narciso Miranda enquanto presidente do conselho de administração da Associação de Socorros Mútuos de S. Mamede Infesta (ASMSMI), em Matosinhos.

O ex-autarca estava acusado, enquanto líder da mutualista, de adjudicar serviços a uma empresa detida pela filha e por outro indivíduo, coarguidos no mesmo processo, alguns deles de forma ilegal ou nunca realizados, e simular o roubo de um smartphone.

O Ministério Público recorreu desta decisão para a Relação.

Lusa

  • Traço contínuo às curvas
    2:42
  • Quando se pode circular pela esquerda? A GNR explica (e fiscaliza)
    5:46

    Edição da Manhã

    A regra aplica-se a autoestradas e outras vias com esse perfil mas dentro das localidades há exceções. A Guarda Nacional Republicana está a promover em todo o território nacional várias ações de sensibilização e fiscalização no sentido de prevenir e reprimir a circulação de veículos pela via do meio ou da esquerda quando não exista tráfego nas vias da direita. O major Paulo Gomes, da GNR, esteve na Edição da Manhã. 

  • Jovens impedidas de embarcar de leggings

    Mundo

    A moda das calças-elásticas-super-justas volta a fazer estragos. Desta vez nos EUA onde duas adolescentes foram impedidas de embarcar num voo da United Airlines devido à indumentária, que não cumpria com as regras dos tripulantes ou acompanhantes da companhia aérea norte-americana.

    Manuela Vicêncio

  • Cristas calcula défice de 3,7% sem "cortes cegos" das cativações
    0:45

    Economia

    Assunção Cristas diz que o défice de 2,1% só foi conseguido porque o Governo fez cortes cegos na despesa pública. Esta manhã, depois de visitar uma unidade de cuidados continuados em Sintra, a presidente do CDS-PP afirmou que, pelas contas do partido, sem cativações, o défice estaria nos 3,7%.

  • O pedido de desculpas de Dijsselbloem
    2:12

    Mundo

    O Governo português continua a mostrar a indignação que diz sentir perante as declarações do presidente do Eurogrupo. O ministro dos Negócios Estrangeiros português garante que com Dijsselbloem "não há conversa possível". Jeroen Dijsselbloem começou por recusar pedir desculpa mas depois cedeu perante a onda de indignação.