sicnot

Perfil

País

Marcelo, o Presidente que "puxa para cima"

"Precisamos de ser um Portugal mais justo", assume Marcelo

O Presidente da República almoçou esta sexta-feira na casa de um homem que foi sem-abrigo durante 27 anos e que ajudou a sair das ruas. Um exemplo de coragem, diz Marcelo Rebelo de Sousa, aproveitando para explicar porque prefere puxar pelos pontos positivos.

O Presidente da República considerou hoje ser missão do Governo valorizar pelos aspetos positivos e da oposição destacar os negativos, justificando a sua opção realista de evidenciar os positivos porque Portugal estar melhor do que há um ano.

À entrada para um almoço em casa de um casal de antigos sem-abrigo, em Lisboa, Marcelo Rebelo de Sousa tinha destacado as "boas notícias" relativas à evolução favorável do défice e à manutenção do rating de Portugal pela agência de notação financeira Fitch, tendo sido questionado pelos jornalistas se isso significava não haver razões para o pessimismo que o PSD tem manifestado.

"Nada na vida é tudo bom ou tudo mau. Há aspetos positivos e aspetos negativos. O Governo puxa pelos aspetos positivos, a oposição puxa pelos aspetos negativos. Cumprem a sua missão", considerou.

O Presidente da República assegura que "está atento a uns e outros, sabe quais são uns e outros", mas depois daquilo pelo qual o país passou nos últimos tempos, "puxa mais pelos positivos do que pelos negativos" porque Portugal, nesses pontos positivos, está melhor do que estava há um ano."Não é ser otimista. É ser realista, mas puxar para cima", sintetizou.

Com Lusa

  • "É evidente que não fecho a porta ao Eurogrupo"
    1:38

    Economia

    O ministro das Finanças diz que não fecha a porta ao Eurogrupo. A declaração é feita numa entrevista ao semanário Expresso. No entanto, Mário Centeno deixa a ressalva que qualquer ministro das Finanças do Eurogrupo pode ser presidente.

  • Com a multiplicação de bons indicadores económicos e financeiros do país, multiplicam-se os elogios ao Governo e declaram-se mortas e enterradas as políticas do passado recente, nomeadamente a da austeridade. Nada mais errado. O que os bons resultados agora alcançados provam definitivamente é que a austeridade resolveu de facto os problemas das contas públicas e, mais do que isso, contribuiu para o crescimento económico que foi garantido por reformas estruturais e pela reorientação do modelo económico.

    José Gomes Ferreira

  • Raízes de ciência e rebentos de esperança
    14:14
  • Portugal pode ser atingido por longos períodos de seca

    País

    Portugal e Espanha podem ser atingidos até 2100 por 'megasecas', períodos de seca de dez ou mais anos, segundo os piores cenários traçados num estudo da universidade britânica Newcastle, que tem a participação de uma investigadora portuguesa.

  • G7 reforça compromisso na luta contra o terrorismo
    2:11