sicnot

Perfil

País

PSD acusa Governo de aumentar precariedade no Estado em 10%

O PSD acusou esta sexta-feira o Governo de ter aumentado a precariedade no Estado em 10% e de estar a correr atrás do problema gerado pela reposição das 35 horas, questionando a forma como o executivo pretende integrar os precários no Estado.

Segundo o relatório hoje divulgado, o Ministério das Finanças identificou quase 100 mil trabalhadores sem vínculo permanente na Administração Central e empresas públicas, e até março vai quantificar os precários existentes neste universo.

O PCP e o BE reagiram de imediato no parlamento a este relatório, tendo a posição do PSD sido conhecida através da 'newsletter' diária, na qual acusam o Governo de ter falhado em dar resposta ao problema criado pela reposição das 35 horas de trabalho semanal já que os serviços públicos mantiveram as mesmas necessidades de pessoal.

"O governo do PS, apoiado pelas esquerdas radicais, apresentou como solução o recurso ao trabalho precário. Em apenas um ano em funções, o Governo aumentou a precariedade em 10%", acusam.

De acordo com o deputado do PSD António Leitão Amaro, "o número de funcionários na Administração Pública aumentou cerca de 6 mil, o número de precários aumentou ainda mais, 7 mil", criticando a vinculação extraordinária de mais de três mil professores com contrato a termo anunciada esta semana pelo ministro da Educação, Tiago Brandão Rodrigues.

"O Governo corre atrás dos problemas que criou, desde a reposição das 35 horas. Mas, conforme o PSD tem defendido, o executivo de António Costa e Mário Centeno devia estar a promover o crescimento da economia", defende.

O deputado social-democrata questiona ainda a forma como o Executivo pretende integrar os trabalhadores precários no Estado e quer saber se vão ser respeitadas as regras de transparência, de igualdade e de não discriminação.

"Como é que isto casa com um compromisso que o Governo assumiu com a União Europeia de emagrecimento do número de funcionários na Administração Pública?", perguntou ainda, avisando que "isto significa esforço dos portugueses em impostos".

O PSD assume uma posição contra o trabalho precário no Estado, defendendo "uma legislação que não precisa de precários, porque tem um regime muito mais equilibrado"."Para combater o trabalho precário, é imprescindível criar riqueza, pois só assim será possível criar mais e melhor emprego", evidenciam.

Lusa

  • BE diz que é urgente preparar o país para a saída do euro
    1:10

    País

    Catarina Martins diz que é urgente preparar o país para o cenário de saída do euro. No final da reunião da mesa nacional do Bloco de Esquerda, a coordenadora do partido criticou o encontro de líderes europeus em Roma e disse ainda que a Europa da convergência chegou ao fim.

  • "Mais UE não significa mais Europa"
    0:50

    País

    O secretário-geral do PCP insiste nas críticas à União Europeia. Um dia depois da comemoração dos 60 anos do Tratado de Roma, Jerónimo de Sousa defendeu, no Seixal, que o modelo europeu está esgotado e prejudica vários países, incluindo Portugal.

  • Aplicação WhatsApp acusada de permitir conversas secretas entre terroristas
    1:45
  • "Um Lugar ao Sol"
    17:05
    Perdidos e Achados

    Perdidos e Achados

    SÁBADO NO JORNAL DA NOITE

    O Perdidos e Achados foi conhecer como eram as férias de outros tempos. Quando o Estado Novo controlava o lazer dos trabalhadores e criava a ilusão de um país exemplar. Na Costa de Caparica, onde é hoje o complexo do INATEL estava instalada a maior colónia de férias do país, chamava-se "Um Lugar ao Sol".