sicnot

Perfil

País

CGTP pede ao Governo para esclarecer se prometeu aos patrões não mexer nas leis laborais

LUSA

O secretário-geral da CGTP defende que o Governo tem de esclarecer rapidamente se assumiu o compromisso com as associações patronais de não mexer nas leis laborais para poder garantir o acordo de concertação social.

"Se houve algum acordo com as confederações patronais para não se mexer na legislação laboral, eu acho que isso é inaceitável, e bom será que o governo, rapidamente, clarifique a sua posição publicamente, se há alguns acordos secretos ou se não há, porque para nós a coisas têm de ser transparentes", acentuou Arménio Carlos numa entrevista ao Negócios e à Antena1.

O dirigente sindical disse que, se o executivo assumir que houve "um acordo de cavalheiros para que não se mexa na legislação laboral, a partir daí a conversa passa a ser outra".

Arménio Carlos considerou ter chegado "o momento de os partidos, quer o PS quer o PCP, o BE e o PEV, darem o salto significativo na mudança de políticas, procurando responder aquilo que são necessidade s e anseios dos trabalhadores e da nossa população ", deixando um aviso.

"Se não tivermos respostas mais claras e inequívocas da parte do governo nos próximos tempos, isto quer dizer que as coisas se vão complicar", acentuou, pedindo medidas na área laboral e social.

Quanto à contestação social, o líder da central sindical afirmou que "vai depender do Governo", admitindo que "fará sentido" falar de uma greve geral "se porventura o executivo não der resposta" àquilo que são as expectativas dos trabalhadores.

"Dizemos ao governo: atenção que a partir daqui o diálogo e a negociação têm de ter alguma eficácia. E, para ter eficácia, tem de ter alguma resposta", salientou.

Arménio Carlos criticou também a intervenção do Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, na questão do aumento do salário mínimo nacional (SMN) e no acordo de concertação social.

Para o líder da CGTP, Marcelo "intrometeu-se nesta área de uma forma muito exposta" e "poderia ter tido outro tipo de intervenção, mais cautelosa e contida".

"A partir do momento em que anunciou que estava empenhado num acordo de médio prazo que fosse para além da legislatura, desde logo estava a comprometer o processo que se estava a iniciar", sustentou, argumentando que se estava a discutir o salário mínimo e, depois da intervenção do Presidente, "meteu-se tudo no mesmo saco".

"Deste ponto de vista há determinado tipo de intervenções que podem ser evitadas", argumentou, concluindo que "as pressas acabaram por resultar mal".

Quanto ao acordo dos partidos da esquerda, Arménio Carlos recordou que existe "uma situação em que os compromissos praticamente estão esgotados", alertando: "a pior coisa que nos podia acontecer, até para afirmar uma diferença relativamente aquilo que se passou com o governo PSD/CDS e com a troika, era iniciarmos um processo e chegarmos agora a meio e constarmos que este tinha estagnado."

"Um processo tem que ser evolutivo e tem que procurar ir sempre mais longe para responder ás necessidades das pessoas e das populações", defendeu, considerando que "não há da parte do governo o tal sinal de um passo em frente para responder a algumas das matérias" que a CGTP considera fundamentais.

"O Governo deve estar mais atento para sacudir algumas pressões externas e internas. Não se pode agora deixar ficar refém nem dos interesses instalados nem de grupos devidamente identificados, de grupos que estão a procurar beneficiar daquilo que são os impostos pagos pelos trabalhadores e pelos reformados e que vêm do orçamento", concluiu.

Lusa

  • Lesados do BES manifestam-se hoje no Porto 

    Queda do BES

    Um grupo de lesados pelo Banco Espírito Santo (BES) concentra-se hoje no Porto para exigir "bom senso" ao Governo, ao Banco de Portugal (BdP) e aos responsáveis do Novo Banco, refere um comunicado remetido às redações.A manifestação está marcada para as 11:00, nas imediações do balcão do Novo Banco e do Banco de Portugal, na Avenida dos Aliados, e a nota dirigida à imprensa é assinada por quase centena e meia de pessoas."

  • O que vai mudar nos recibos verdes
    2:55

    Economia

    Os trabalhadores independentes vão descontar menos para a Segurança Social já no próximo ano. A taxa vai descer dos 29,6% por cento para os 21,4%. A descida será compensada por um aumento das contribuições pagas pelos patrões. Há também alterações em caso de desemprego e o subsídio de doença passa a ser pago ao fim de 10 dias em vez de 31.

  • Tripulantes da TAP acusam companhia de desrespeitar compromissos
    3:16

    Economia

    O Sindicato que representa os tripulantes da TAP acusa a empresa de estar a violar a lei. A companhia aérea portuguesa denunciou unilateralmente o acordo de empresa com os tripulantes e apresentou novas condições, que o sindicato considera indignas. Diz que os tripulantes fizeram esforços pela companhia no verão e que agora estão a ser desrespeitados.

  • Uma "Árvore da Esperança" pelas vítimas dos fogos
    2:01
  • Morre congressista republicano norte-americano acusado de assédio sexual

    Mundo

    O congressista estatal do Kentucky e pastor evangélico Dan Johnson morreu na quarta-feira, num aparente suicídio, dois dias depois de ser acusado de assédio sexual por uma mulher, disseram as autoridades. O médico legista do condado, Dave Billings, afirmou que a morte de Johnson foi causada por um único tiro, numa ponte de Mount Washinton, perto de Louisville, onde estacionou o automóvel.

  • Bebé nasce com coração fora do peito e sobrevive
    2:06
  • Zapatou volta a eleger os melhores vídeos da internet
    6:28