sicnot

Perfil

País

PS quer Governo a participar com Espanha na decisão sobre central de Almaraz

Um grupo de deputados do PS, entre os quais Hortense Martins e Eurico Brilhante Dias, eleitos por Castelo Branco, querem que o Governo participe no processo de decisão da central nuclear espanhola de Almaraz e que analise o seu encerramento.

No projeto de resolução enviado hoje à agência Lusa, os deputados socialistas recomendam ao Governo "que efetue todas as diligências para que o Estado português participe no processo de decisão da Central Nuclear de Almaraz e analise o processo do seu encerramento".

Os 13 deputados subscritores do documento, liderados por Carlos César, querem ainda que o Governo "assegure o ajustamento dos planos de segurança e garanta a existência de meios preparados e formados para fazer face a um eventual acidente relacionado com o funcionamento da central nuclear de Almaraz".

À Lusa, a deputada Hortense Martins reafirmou o seu empenho na defesa das populações face a Almaraz e acusou o PSD e o CDS/PP de só agora terem acordado para este assunto.

A deputada do PS eleita pelo círculo de Castelo Branco sublinhou que PSD e CDS/PP, quando foram Governo em 2015, nada fizeram e nem sequer responderam às perguntas feitas por si.

"Reafirmo que, nessa altura, o Governo nada respondeu e não temos conhecimento de quaisquer diligências feitas pelo governo português PSD/CDS quer internamente, quer externamente, com o Governo espanhol", sustenta.

No documento, os socialistas recordam que a central nuclear de Almaraz, situada a uma centena de quilómetros da fronteira com Portugal, está em funcionamento desde 1981 e adiantam que, dada a tipologia e características daquela estrutura, o seu tempo de vida útil terminou em 2010.

"Porém e mesmo sem possuir os imperativos sistemas de segurança, o governo espanhol autorizou o prolongamento do funcionamento desta central até 2020", dizem.
Invocam ainda os relatos de diversos incidentes e de deficiências que têm acontecido ao longo dos últimos anos na central nuclear espanhola e sublinham que, às preocupações manifestadas pelo governo português, as autoridades espanholas foram referindo "garantias de segurança".

Ainda assim, a Assembleia da República aprovou, em junho, uma resolução a recomendar ao Governo uma intervenção junto do Governo espanhol no sentido de proceder ao encerramento da central nuclear de Almaraz.

"Posteriormente, fomos confrontados com a intenção da construção de um Armazém Temporário Individualizado (ATI) na central nuclear de Almaraz, que serviria para armazenar o combustível utilizado pelos reatores nucleares, tendo em conta que, segundo notícias, os depósitos existentes atingirão a sua capacidade máxima em 2018", sublinham.

O PS recorda que o Governo, não concordando com a construção do ATI, apresentou à Comissão Europeia uma queixa, em 16 de janeiro, onde solicita "o reconhecimento do incumprimento" da Diretiva de Avaliação de Impacte Ambiental (AIA), bem como "a suspensão de todos os atos e procedimentos tendentes à construção do ATI".

"Desta forma, o Governo português chamou a Comissão Europeia a intervir no processo, face ao incumprimento jurídico do governo espanhol, ao proceder unilateralmente a uma avaliação de impacto ambiental sem envolver o Estado-membro transfronteiriço", concluem os socialistas.

Lusa

  • Milhares protestam na Catalunha contra Madrid
    1:45

    Mundo

    O Governo de Madrid mostrou-se disposto a dar mais dinheiro e autonomia financeira à Catalunha, se o Governo Regional suspender o referendo independentista. A 10 dias da consulta popular, a tensão é explosiva, com protestos nas ruas, detenções e confrontos com as autoridades.

  • O que separa a Catalunha do resto de Espanha?
    2:12

    Mundo

    Desde 1640, as revoltas catalãs representam a vontade pela distância e pela independência. Numa região que não é reconhecida formalmente como Nação, na Catalunha entende-se e fala-se mais castelhano do que catalão. Mas o que realmente separa a Catalunha do resto de Espanha?

  • Marcelo Rebelo de Sousa avisou que depois das autárquicas viria um novo ciclo. A lógica levou-nos a assumir que estava a falar do PSD, mas hoje, olhando para a situação política, devemos também incluir nessa previsão a “geringonça” e os seus equilíbrios. Não acredito que as coisas mudem até às legislativas, mas as contas só se fazem depois dos votos das autárquicas. Até lá, o tom de voz das esquerdas vai engrossar.

    Bernardo Ferrão

  • #SICnaCampanha

    Autárquicas 2017

    As caravanas estão na estrada e os repórteres da SIC também. Acompanhe aqui os bastidores das autárquicas.

    Live blog

  • PSD não está a lutar "pela sobrevivência" em Lisboa
    3:29

    Autárquicas 2017

    Mais uma volta de norte a sul do país com a campanha dos líderes políticos para as próximas autárquicas. Ainda não acabou a guerra Bloco de Esquerda-CDU. A secretária-geral adjunta do PS bem se esforça, mas não consegue apoio nas ruas como António Costa. Pedro Passos Coelho voltou a aparecer ao lado de Teresa Leal Coelho, mas não quis comentar prováveis resultados na capital.

  • PCP e PS desvalorizam estudo de economistas com alternativa à do Governo
    1:09

    Orçamento do Estado 2018

    Um grupo de economistas, incluindo o deputado independente eleito pelo PS Paulo Trigo Pereira, publicou um estudo em que defende uma proposta alternativa à apresentada pelo Governo. O PCP e o PS desvalorizaram a opinião dos economistas e o Bloco de Esquerda disse que a consolidação orçamental poderia ser mais lenta. Já o PSD e o CDS aplaudem a proposta e defendem que o estudo apresentado é um aviso ao desnorte do Governo. 

  • Complexo Agroindustrial do Cachão abandonado e exposto à poluição
    2:03
  • Família Portugal Ramos
    15:01

    As Famílias Vintage regressaram esta quinta-feira, com uma viagem ao Alentejo. Foi a partir desta região que João Portugal Ramos conquistou um lugar entre os grandes do setor. Desde há 25 anos a vindimar em seu nome, o enólogo produz seis milhões de litros de vinho por ano.

  • Se pedir ao seu cão para ir buscar uma garrafa de vinho ele vai?
    0:49

    País

    Há 25 anos a vindimar no Alentejo, o enólogo João Portugal Ramos produz seis milhões de litros de vinho por ano. Em Estremoz comprou casa e terra. Iniciou a plantação de vinhas próprias e a construção de uma adega. Um espaço que conhece como as palmas da mão. Ele e um amigo muito especial.

  • Presidente das Filipinas pede que matem o filho se estiver envolvido nas drogas

    Mundo

    O Presidente das Filipinas pediu que matassem o seu filho se as acusações de que traficava droga fossem provadas. Rodrigo Duterte destacou ainda que, caso fosse verdade, iria proteger as autoridades que executassem Paolo Duterte. Em causa está a acusação de que o filho do Presidente filipino faria parte da máfia chinesa, que contrabandeia drogas, vindas da China para dentro do país.

    SIC

  • Morreu a mulher mais rica do mundo

    Mundo

    Liliane Bettencourt, herdeira do grupo de cosméticos L'Oréal e a mulher mais rica do mundo, segundo a revista Forbes, morreu na quarta-feira à noite aos 94 anos, anunciou a família.

  • Deputado do Canadá pede desculpa por chamar "Barbie do Clima" a ministra

    Mundo

    O deputado da província de Saskatchewan, no Canadá, chamou na terça-feira a ministra do Ambiente de "Barbie do Clima". Catherine McKenna não gostou de ser apelidada desta forma e acusou Gerry Ritz de ter um comportamento sexista. Após a crítica, foram precisos apenas 20 minutos para o deputado fazer um pedido de desculpas à ministra.

  • Espanhola tenta provar há sete anos que está viva

    Mundo

    Uma mulher de 53 anos está há sete anos a tentar provar que está viva. Segundo o Estado espanhol, Juana Escudero Lezcano morreu a 13 de maio de 2010, mas na realidade quem morreu foi uma mulher com o mesmo nome e data de nascimento.

    SIC