sicnot

Perfil

País

PS quer Governo a participar com Espanha na decisão sobre central de Almaraz

Um grupo de deputados do PS, entre os quais Hortense Martins e Eurico Brilhante Dias, eleitos por Castelo Branco, querem que o Governo participe no processo de decisão da central nuclear espanhola de Almaraz e que analise o seu encerramento.

No projeto de resolução enviado hoje à agência Lusa, os deputados socialistas recomendam ao Governo "que efetue todas as diligências para que o Estado português participe no processo de decisão da Central Nuclear de Almaraz e analise o processo do seu encerramento".

Os 13 deputados subscritores do documento, liderados por Carlos César, querem ainda que o Governo "assegure o ajustamento dos planos de segurança e garanta a existência de meios preparados e formados para fazer face a um eventual acidente relacionado com o funcionamento da central nuclear de Almaraz".

À Lusa, a deputada Hortense Martins reafirmou o seu empenho na defesa das populações face a Almaraz e acusou o PSD e o CDS/PP de só agora terem acordado para este assunto.

A deputada do PS eleita pelo círculo de Castelo Branco sublinhou que PSD e CDS/PP, quando foram Governo em 2015, nada fizeram e nem sequer responderam às perguntas feitas por si.

"Reafirmo que, nessa altura, o Governo nada respondeu e não temos conhecimento de quaisquer diligências feitas pelo governo português PSD/CDS quer internamente, quer externamente, com o Governo espanhol", sustenta.

No documento, os socialistas recordam que a central nuclear de Almaraz, situada a uma centena de quilómetros da fronteira com Portugal, está em funcionamento desde 1981 e adiantam que, dada a tipologia e características daquela estrutura, o seu tempo de vida útil terminou em 2010.

"Porém e mesmo sem possuir os imperativos sistemas de segurança, o governo espanhol autorizou o prolongamento do funcionamento desta central até 2020", dizem.
Invocam ainda os relatos de diversos incidentes e de deficiências que têm acontecido ao longo dos últimos anos na central nuclear espanhola e sublinham que, às preocupações manifestadas pelo governo português, as autoridades espanholas foram referindo "garantias de segurança".

Ainda assim, a Assembleia da República aprovou, em junho, uma resolução a recomendar ao Governo uma intervenção junto do Governo espanhol no sentido de proceder ao encerramento da central nuclear de Almaraz.

"Posteriormente, fomos confrontados com a intenção da construção de um Armazém Temporário Individualizado (ATI) na central nuclear de Almaraz, que serviria para armazenar o combustível utilizado pelos reatores nucleares, tendo em conta que, segundo notícias, os depósitos existentes atingirão a sua capacidade máxima em 2018", sublinham.

O PS recorda que o Governo, não concordando com a construção do ATI, apresentou à Comissão Europeia uma queixa, em 16 de janeiro, onde solicita "o reconhecimento do incumprimento" da Diretiva de Avaliação de Impacte Ambiental (AIA), bem como "a suspensão de todos os atos e procedimentos tendentes à construção do ATI".

"Desta forma, o Governo português chamou a Comissão Europeia a intervir no processo, face ao incumprimento jurídico do governo espanhol, ao proceder unilateralmente a uma avaliação de impacto ambiental sem envolver o Estado-membro transfronteiriço", concluem os socialistas.

Lusa

  • O dia que roubou dezenas de vidas em Pedrógrão Grande
    3:47
  • Morreu Miguel Beleza

    País

    Miguel Beleza, economista e antigo ministro das Finanças, morreu esta quinta-feira de paragem cardio-respiratória aos 67 anos.

  • "Estamos a ficar sem espaço. Está na hora de explorar outros sistemas solares"

    Mundo

    O físico e cientista britânico Stephen Hawking revelou alguns dos seus desejos para um novo plano de expansão espacial. Hawking está em Trondheim, na Noruega, para participar no Starmus Festival que promove a cultura científica. E foi lá que o físico admitiu que a população mundial está a ficar sem espaço na Terra e que "os únicos lugares disponíveis para irmos estão noutros planetas, noutros universos".

    SIC

  • Não posso usar calções... visto saias

    Mundo

    Perante a proibição de usar calções no emprego, um grupo de motoristas franceses adotou uma nova moda para combater o calor. Os trabalhadores decidiram trocar as calças por saias, visto que a peça de roupa é permitida no uniforme da empresa para a qual trabalham.

  • De refugiada a modelo: a história de Mari Malek

    Mundo

    Mari Malek chegou aos Estados Unidos da América quando era ainda uma criança. Chegada do Sudão do Sul, a menina era uma refugiada à procura de um futuro melhor, num país que não era o seu. Agora, anos depois, Mari Malek é modelo, DJ e atriz, e vive em Nova Iorque. Fundou uma organização sediada no país onde nasceu voltada para as crianças que passam por dificuldade, como também ela passou.