sicnot

Perfil

País

Costa acima do Tejo sob aviso amarelo

(Lusa/ Arquivo)

lusa

A costa norte e centro de Portugal continental tem hoje aviso amarelo - o terceiro numa escala de quatro - por causa da agitação marítima, de acordo com o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA).

O IMPA explica que este aviso está ativo a partir das 14:59 de hoje e prolonga-se até às 15:00 de quarta-feira.

As previsões indicam que estão previstas neste período para a costa portuguesa ondas de 4 a 4,5 metros.

A agitação marítima também obrigou hoje ao fecho de sete barras a toda a navegação em Portugal continental e condicionou três outras.

Estão encerradas a toda a navegação as barras de Caminha, Vila Praia de Âncora, Esposende, Póvoa do Varzim, Vila do Conde, Figueira da Foz e S. Martinho do Porto, de acordo com a informação disponível no site da Marinha.

Segundo a Marinha, estão condicionadas as barras de Viana do Castelo (a embarcações superiores a 12 metros), Douro e Aveiro (embarcações superiores a 15 metros).


Lusa

  • O tempo para hoje
    0:27

    País

    Céu geralmente muito nublado, diminuindo gradualmente de nebulosidade a partir do início da manhã. Períodos de chuva, passando gradualmente a regime de aguaceiros fracos e que serão de neve acima de 1000/1200 metros na região Norte e acima de 1400 metros na região Centro. 

  • Mais de 1600 ações de fiscalizações a IPSS em dois anos
    1:05

    Expresso da Meia Noite

    Nos últimos dois anos, o Estado efetuou mais de 1600 ações de fiscalização a Instituição Particular de Solidariedade Social (IPSS) das quais resultaram mais de 70 destituições e 80 participações ao Ministério Público (MP). Os números foram avançados pela secretária de Estado da Segurança Social, Cláudia Joaquim, no programa Expresso da Meia-noite, na SIC Notícias.

  • Bombeiro ferido nos fogos de Pedrógão Grande regressou a casa
    2:33

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Seis meses depois dos incêndios de Pedrógão Grande, regressou a casa o último dos bombeiros de Castanheira de Pera que estava internado desde junho. Rui Rosinha esteve em coma mais de dois meses e tem ainda pela frente uma longa recuperação. O bombeiro não quer que o país esqueça o que aconteceu e espera que as duas tragédias deste ano (fogos de junho e outubro) sirvam de lição para o futuro.

  • Pedrógão Grande, seis meses depois - documentário Expresso
    0:29
  • Frio no fim de semana, regiões do interior podem chegar aos -5 °C
    1:23
  • Ilhas Selvagens são um tesouro no Atlântico que é preciso preservar
    2:33