sicnot

Perfil

País

Força Aérea Portuguesa ajudou a resgatar 1.134 pessoas no Mar Mediterrâneo em 2016

A Força Aérea Portuguesa anunciou hoje que ajudou a resgatar, durante 2016, 1.134 pessoas, tendo percorrido mais de 210 mil quilómetros e patrulhado uma área de mais de três milhões de quilómetros quadrados ao serviço da Frontex.

Em comunicado, o Estado-Maior General das Forças Armadas anuncia que "através da Esquadra 502 - "Elefantes" da Força Aérea, percorreu mais de 210 mil quilómetros e patrulhou uma área de cerca de 3 430 600 quilómetros quadrados" ao serviço da FRONTEX, Agência Europeia da Guarda de Fronteiras e Costeira, em 2016".

"Ao longo do último ano, durante as várias participações dos meios da Força Aérea na operação TRITON - num total de seis meses -, os "Elefantes" ajudaram a resgatar 1.134 pessoas no Mar Mediterrâneo", anunciam.

A partir do território italiano, a Força Aérea realizou 124 missões em 623 horas de voo.

"Para tal, contribuiu decisivamente a larga experiência das tripulações neste tipo de missões e as capacidades da aeronave C-295M VIMAR, materializadas na deteção e investigação de mais de 20 mil embarcações", sublinhou.

A Força Aérea Portuguesa iniciou a colaboração no âmbito da Frontex em 2007, realizando-as regularmente desde 2011.

"Até agora, as aeronaves C-295M e P3C CUP+, esta última da Esquadra 601 - "Lobos", já colaboraram no resgate de mais de seis mil pessoas no Mediterrâneo, tendo patrulhado mais de 40 milhões de quilómetros quadrados", resume.

Lusa

  • Bruno de Carvalho e Octávio Machado suspensos

    Desporto

    O presidente do Sporting, Bruno de Carvalho, e o diretor-geral para o futebol, Octávio Machado, foram esta terça-feira suspensos pelo Conselho de Disciplina da Federação Portuguesa de Futebol, na sequência de uma queixa apresentada pelo Benfica em novembro de 2015.

  • Corredora exausta é levada ao colo até à meta na meia maratona do amor
    1:06

    Mundo

    Aconteceu este domingo em Filadélfia, EUA. A poucos metros da meta uma corredora exausta é amparada por dois colegas. Mas o cansaço é tanto que fica sem força nas pernas. É quando aparece a terceira ajuda. Um homem volta para trás e leva-a no colo até à meta. A centímetros do fim larga-a para que a corredora possa atravessar a meta pelo seu próprio pé.

    Patrícia Almeida

  • Kennedy acreditava que Hitler estava vivo

    Mundo

    Um diário de John F. Kennedy vai a leilão em Boston, nos Estados Unidos da América. O diário foi escrito durante a sua breve carreira como jornalista, depois da 2.ª Guerra Mundial. No livro, foram expostas algumas teorias do antigo Presidente norte-americano, como a possibilidade de Hitler estar vivo.

    Ana Rute Carvalho