sicnot

Perfil

País

Passes combinados da Carris, Metro e Rodoviária de Lisboa acabam em março

(Arquivo)

Os passes combinados da Carris e do Metropolitano de Lisboa (ML) com a Rodoviária de Lisboa (RL) vão deixar de ser vendidos no final de março, anunciaram esta terça-feira as empresas.

"Devido à denúncia unilateral da Rodoviária de Lisboa, no final do mês de março, deixarão de ser vendidos os seguintes passes combinados: Carris/ML/RL1 - 45,45 euros, Carris/ML/RL2 - 55,65 euros e Carris/ML/RL3 - 63,55 euros", lê-se nas notas publicadas nas páginas da internet da Carris e do Metro.

A Carris e o Metro acrescentam que, "até dia 25 de março, manter-se-ão em vigor as atuais condições".

Este anúncio surge na sequência da decisão da RL de deixar de ter títulos combinados com o passe Navegante.

Numa reunião do Conselho Metropolitano, a 18 de janeiro, o primeiro secretário da Comissão Executiva, Demétrio Alves, anunciou que a Área Metropolitana de Lisboa, enquanto Autoridade Metropolitana de Transportes, recebeu da RL a informação de que tinha comunicado ao Metropolitano de Lisboa e à Carris "que deixa de ter títulos combinados com o Navegante".

"As pessoas vão ter de passar a comprar o passe Intermodal"

O Navegante permite a mobilidade em toda a cidade de Lisboa integrando os operadores Metro, Carris e CP.

"Isto quer dizer que todas as pessoas que queiram usar num determinado percurso da AML para vir a Lisboa e depois andar no Metro e na Carris com o mesmo título, vão ter de passar a comprar o passe Intermodal. Só que o passe Intermodal é mais caro do que o combinado que existia e, portanto, isto vai ter repercussão intensa nos utentes da rede de transportes", realçou Demétrio Alves.

A Lusa questionou na altura a Rodoviária de Lisboa sobre este assunto, mas não obteve resposta.

De acordo com a página da RL na internet, a empresa opera nos concelhos de Lisboa, Loures, Odivelas e Vila Franca de Xira, servindo cerca de 400 mil habitantes e transportando 200 mil passageiros por dia.

Lusa

  • Passos acusa Governo de "sacudir água do capote"

    País

    O líder do PSD, Pedro Passos Coelho, acusou este sábado o Governo de "sacudir a água do capote" para não assumir a responsabilidade pelo que está a ser decidido, usando uma política de comunicação que considerou ser um "embuste".