sicnot

Perfil

País

Todo os produtos de tabaco devem ter "restrições iguais"

© Christian Hartmann / Reuters

Entidades não-governamentais ligadas à saúde alertam para os malefícios dos cigarros eletrónicos e do tabaco aquecido, que devem ter restrições de consumo iguais às do tabaco convencional.

As mesmas entidades defendem que todos os tipos de tabaco devem também ter aumentos consistentes e deve haver uma redução da disponibilidade de venda e acesso a jovens.

O alerta e as recomendações partiram da Sociedade Portuguesa de Pneumologia, da Fundação Portuguesa do Pulmão - Pulmonale - e da Confederação Portuguesa de Prevenção do Tabagismo, que este mês foram ouvidas no Parlamento a propósito da nova lei do tabaco e que agora, em comunicado, defendem também a eliminação total da publicidade a produtos de tabaco e o reforço do apoio à cessação tabágica.

Afirmando que são favoráveis à proposta de lei de alterações à Lei do Tabaco, que inclui a proibição de fumar perto de hospitais ou de escolas, as entidades salientam também, no comunicado, que "os cigarros eletrónicos e os novos produtos de tabaco aquecido, apesar de não sofrerem combustão, contêm nicotina, que causa dependência e dificulta a cessação".

"Além disso, sobretudo no caso do cigarro eletrónico que está bem estudado, diversos metabolitos resultantes do seu aquecimento já estão identificados como tóxicos, irritantes e carcinogénicos, tendo potencial para causar doença respiratória, cardiovascular e cancros, entre outras", afirma-se no comunicado.

Citando a Organização Mundial de Saúde (OMS), os subscritores do documento dizem que "os cigarros eletrónicos e os novos produtos de tabaco não são produtos seguros para a saúde" e que não esta provado que sejam "eficazes na cessação tabágica", pelo que devem ser "eficazmente regulados para se conseguir travar o seu consumo".

Defendem as organizações que num contexto de saúde pública se deve "proteger os consumidores e as demais pessoas expostas, regulando a comercialização destes produtos e interditando o seu consumo nos mesmos locais onde seja proibido fumar".

Lusa

  • Passos acusa Governo de "sacudir água do capote"

    País

    O líder do PSD, Pedro Passos Coelho, acusou este sábado o Governo de "sacudir a água do capote" para não assumir a responsabilidade pelo que está a ser decidido, usando uma política de comunicação que considerou ser um "embuste".