sicnot

Perfil

País

Há cada vez mais jovens internados por causa do vício nos videojogos

© Charles Platiau / Reuters

Há cada vez mais jovens com distúrbios provocados pelo excesso de horas a jogar videojogos. De acordo com o Jornal de Notícias, o Núcleo de Utilização Problemática de Internet (NUPI), criado em 2014 no Hospital de Santa Maria para acompanhar este tipo de casos, deu 160 consultas só em 2016.

O Instituto de Apoio ao Jogador recebeu 300 contactos. Desse número, 20% estava relacionado com o vício em videojogos.

Com o mesmo problema, a clínica privada Villa Ramadas em Alcobaça internou desde 2010 cerca de 20 jovens, a maioria com sintomas relacionados com depressão e ansiedade.

A troca de rotinas, o tempo excessivo em frente ao ecrã e a falta de comunicação com o mundo exterior levam à degradação da vida destes jovens, que segundo o responsável pela Villa Ramadas "chegam à clínica com um grau de destruição da vida ao nível dos danos causados pelo consumo de uma substância", refere em entrevista ao Jornal de Notícias.

Os 20 jovens internados nesta clínica são todos homens e com uma média de idade que ronda os 17 anos.

Ao Jornal de Notícias, a terapeuta Judite Fortuna explicou que muitas vezes estes jovens "estão numa fase que se viram contra os pais, não tem rendimento na escola nem trabalham".

Esta é uma adição de que sofrem cada vez mais jovens, resultantes das longas horas que passam à frente de um ecrã. Um problema que está a aumentar e não deve ser ignorado.

  • José Eduardo dos Santos há 38 anos no poder
    2:42

    Mundo

    José Eduardo dos Santos foi o segundo Presidente com mais tempo de liderança a nível mundial, quase 38 anos. Este ano, anunciou que não voltaria a concorrer às eleições, mas mantêm-se, por enquanto, como presidente do MPLA. No dia em que os angolanos foram às urnas para escolher o seu sucessor, apresentamos a vida de José Eduardo dos Santos.

  • Dono de submarino é o único suspeito da morte de jornalista sueca
    1:51

    Mundo

    A polícia dinamarquesa confirmou que o corpo decapitado encontrado junto ao mar, perto de Copenhaga, é o da jornalista sueca desaparecida há mais de 10 dias. Kim Wall estava a fazer uma reportagem sobre um submarino artesanal com o criador, que é agora o principal suspeito do crime. Parte do corpo foi encontrada na segunda-feira e identificada através de exames de ADN.