sicnot

Perfil

País

Há cada vez mais jovens internados por causa do vício nos videojogos

© Charles Platiau / Reuters

Há cada vez mais jovens com distúrbios provocados pelo excesso de horas a jogar videojogos. De acordo com o Jornal de Notícias, o Núcleo de Utilização Problemática de Internet (NUPI), criado em 2014 no Hospital de Santa Maria para acompanhar este tipo de casos, deu 160 consultas só em 2016.

O Instituto de Apoio ao Jogador recebeu 300 contactos. Desse número, 20% estava relacionado com o vício em videojogos.

Com o mesmo problema, a clínica privada Villa Ramadas em Alcobaça internou desde 2010 cerca de 20 jovens, a maioria com sintomas relacionados com depressão e ansiedade.

A troca de rotinas, o tempo excessivo em frente ao ecrã e a falta de comunicação com o mundo exterior levam à degradação da vida destes jovens, que segundo o responsável pela Villa Ramadas "chegam à clínica com um grau de destruição da vida ao nível dos danos causados pelo consumo de uma substância", refere em entrevista ao Jornal de Notícias.

Os 20 jovens internados nesta clínica são todos homens e com uma média de idade que ronda os 17 anos.

Ao Jornal de Notícias, a terapeuta Judite Fortuna explicou que muitas vezes estes jovens "estão numa fase que se viram contra os pais, não tem rendimento na escola nem trabalham".

Esta é uma adição de que sofrem cada vez mais jovens, resultantes das longas horas que passam à frente de um ecrã. Um problema que está a aumentar e não deve ser ignorado.

  • Passos Coelho pede desculpa aos portugueses
    3:35
  • População afetada pelo fogo tenta repor o que as chamas destruíram
    1:54
  • Pyongyang compara Trump a Hitler

    Mundo

    A Coreia do Norte compara o Presidente norte-americano Donald Trump a Adolf Hitler. Pyongyang já acostumou o mundo à sua linguagem "colorida" quando critica os seus inimigos. Mas comparações com o responsável por mais de 60 milhões de mortes são muito raras.

  • Glifosato na lista de produtos cancerígenos na Califórnia

    Mundo

    O estado norte-americano da Califórnia, nos Estados unidos, pode vir a obrigar o fabricante do popular herbicida Roundup a comercializar o produto com um rótulo que informe os consumidores de que o produto é cancerígeno. O glifosato, princípio ativo do herbicida Roundup fabricado pela Monsanto, consta de uma lista que vai ser divulgada na Califórnia, a 7 de julho, de produtos químicos potencialmente cancerígenos.

  • Autarca garante que não houve "touros de fogo"

    País

    O presidente da Câmara de Benavente disse esta segunda-feira à Lusa que a atividade "touros de fogo" foi retirada do programa da Festa da Amizade depois de recebido um parecer desfavorável da Direção-Geral de Veterinária.