sicnot

Perfil

País

Videojogo ajuda a prevenir violência no namoro com parceiros virtuais

O "Dia dos Namorados", 14 de fevereiro, vai ser assinalado com o lançamento de um videojogo de "parceiros virtuais", para prevenir a violência no namoro, numa iniciativa do Movimento Democrático de Mulheres, em parceria com a Universidade de Aveiro.

O videojogo UNLOVE será disponibilizado em formato web e app para telemóvel, em que o jogador/a, com recurso ao seu avatar, pode viver virtualmente uma relação de namoro, onde lhe são colocadas situações sobre as quais terá de tomar decisões comportamentais, para prosseguir.

As decisões conduzem a diferentes caminhos de relação e ocorrem em diferentes espaços (a casa, o café, a escola, a praia) e o jogo está desenvolvido para que o jogador vá tendo consciência dos sentimentos que essas decisões produzem na sua personagem e na personagem do seu/a parceiro/a virtual.

Uma outra ferramenta que será lançada em simultâneo é o guião UNPOP, um 'kit' pedagógico para "utilizar, em contexto educativo, videoclipes dos 'rankings' nacionais e internacionais, que os jovens consomem quotidianamente em elevadas quantidades, e onde estão presentes estereótipos de género (em relação à orientação sexual, à idade, ao sexo, à etnia, à classe), a banalização da erotização e sexualidade, preconceitos e mitos sobre modelos de relação, que podem estar associados ou possam ser geradores de discriminações e de violências de género".

Consiste na visualização acompanhada dos videoclipes, descodificando mensagens e valores contidos nas letras, músicas e imagens, recorrendo a dinâmicas de animação de grupo, numa perspetiva geradora de diálogo e estímulo ao espírito crítico.

Destinado a professores e dinamizadores de grupos de jovens, o guião aponta caminhos alternativos para a construção de uma cultura de igualdade e de prevenção da violência, sugerindo conteúdos, recursos, estratégias e atividades.

O videojogo e o guião fazem parte do projeto UNLOVE/UNPOP, que o MDM vai desenvolver no distrito de Aveiro, para "promover a igualdade entre rapazes e raparigas e prevenir a violência no namoro", através de instrumentos inovadores, ao nível das tecnologias digitais, e de ações de sensibilização e formação.

Ao longo dos 18 meses, em que se vai desenvolver o projeto, vão realizar-se atividades, em todas as escolas secundárias do distrito, na universidade e noutros espaços, procurando abranger um universo de cerca de oito mil jovens.

Lusa

  • Cessar-fogo violado na Síria
    1:37
  • Chuva regressa nos próximos dias
    1:30
  • Luso-canadiana quer atingir os 7 cumes mais altos dos 7 continentes
    2:08