sicnot

Perfil

País

Dois bombeiros feridos em incêndio no armazém de enxofre da Sapec em Setúbal

Sapec Agro, Setúbal.

Google Earth

Dois bombeiros ficaram esta terça-feira feridos, com queimaduras ligeiras, no combate ao incêndio que se mantém ativo num armazém com enxofre nas instalações da fábrica Sapec, em Mitrena, no concelho de Setúbal, segundo fonte do CDOS de Setúbal. As instalações estão a arder desde as 03:00.

Os dois bombeiros, um voluntário e um Sapador, sofreram queimaduras ligeiras durante o combate ao incêndio, tendo sido transportados para uma unidade hospitalar, de acordo com o Centro Distrital de Operações de Socorro (CDOS) de Setúbal.

Segundo a mesma fonte a prioridade é a "proteção da própria fábrica" que se encontra num "espaço confinado" sem que exista perigo de propagar-se a outros edifícios.

Às 07:40, o incêndio no armazém de enxofre, um produto abrasivo e tóxico, ainda se mantinha ativo.

No local mantinham-se 45 elementos de várias corporações de bombeiros, apoiados por 17 veículos, além de 30 elementos e 10 máquinas da fábrica que produz adubos agroquímicos.

Participam nestas operações elementos dos bombeiros dos Sapadores de Setúbal, dos voluntários de Setúbal com a ajuda de meios dos bombeiros de Águas de Moura, Pinhal Novo, Palmela, Barreiro e Setúbal.

Lusa

  • Economia portuguesa a crescer
    2:26
  • Os likes dos candidatos às autárquicas no Facebook
    4:00

    Autárquicas 2017

    Se há mais de 5 milhões de portugueses no Facebook, é natural que as autárquicas também passem pela rede social mais usada no país e no mundo. A SIC apresenta-lhe os 10 candidatos cujas páginas têm mais seguidores e, para a comparação ser mais justa, os que têm mais seguidores em Portugal - porque há também quem estranhamente tenha milhares de fãs em países como Egito, Filipinas ou Vietname.

  • Embaixador do Bangladesh pede ajuda aos portugueses no caso dos rohingya

    Mundo

    O embaixador do Bangladesh em Lisboa pediu esta sexta-feira aos portugueses que ajudem a resolver o problema dos rohingya. Desde o final de agosto, mais de 400 mil pessoas desta minoria muçulmana fugiram de Myanmar, a antiga Birmânia. O Bangladesh já tinha acolhido outros 400 mil refugiados e vê-se agora a braços com esta crise migratória. Pede por isso a Portugal que pressione Myanmar para aceitar de volta e em segurança os rohingya.