sicnot

Perfil

País

Turmas com alunos de vários anos de escolaridades são uma "chaga social" 

O presidente do Conselho Nacional de Educação disse hoje que as turmas mistas, com vários anos de escolaridade no 1º ciclo do ensino básico, são atualmente um dos maiores problemas para o sucesso escolar, "uma chaga social".

Segundo David Justino, que hoje falava numa audição parlamentar sobre a redução do número de alunos por turma, existem atualmente 226 turmas mistas (com os quatro anos de escolaridade do 1º.ciclo do ensino básico na mesma sala) e ao todo três mil alunos a ter aulas nestas condições.

"Como é que um professor consegue gerir quatro anos de escolaridade na mesma sala? Há 50 anos até percebia", disse.

David Justino alertou ainda para o facto de existirem turmas mistas com anos não consecutivos ou seja onde a aprendizagem é feita com alunos do 1.º e do 3.º ano ou com alunos do 2.º e do 4.º anos, uma realidade que abrange 23 mil alunos.

"Aceito que possa haver situações excecionais de turmas com dois anos de escolaridade desde que sejam consecutivos", frisou adiantando que "nestas condições os efeitos deste tipo de organização vai repercutir-se em elevadas taxas de retenção".

Este é, para o presidente do Conselho Nacional de Educação, um dos maiores fatores de insucesso.

"Se por acaso os senhores deputados entenderem que há margem financeira para melhorar as condições de aprendizagem então definam um plano que progressivamente diminua estas turmas mistas.

Pode ter efeito na aprendizagem superior à simples redução do número de alunos por turma", salientou.

A Comissão Parlamentar de Educação criou um grupo de trabalho para audição de entidades sobre projetos de lei do PCP, Bloco de Esquerda e Os Verdes no sentido de haver uma redução do número de alunos por turma.

Em várias audições foram já ouvidos pais, professores e outros agentes educativos.

Lusa


  • Frio no fim de semana, regiões do interior podem chegar aos -5 °C
    1:23
  • Bombeiro ferido nos fogos de Pedrógão Grande regressou a casa
    2:33

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Seis meses depois dos incêndios de Pedrógão Grande, regressou a casa o último dos bombeiros de Castanheira de Pera que estava internado desde junho. Rui Rosinha esteve em coma mais de dois meses e tem ainda pela frente uma longa recuperação. O bombeiro não quer que o país esqueça o que aconteceu e espera que as duas tragédias deste ano (fogos de junho e outubro) sirvam de lição para o futuro.

  • Pedrógão Grande, seis meses depois - documentário Expresso
    0:29
  • Ilhas Selvagens são um tesouro no Atlântico que é preciso preservar
    2:33
  • PS volta a subir nas intenções de voto e não baixa dos 40%
    2:01