sicnot

Perfil

País

Turmas com alunos de vários anos de escolaridades são uma "chaga social" 

O presidente do Conselho Nacional de Educação disse hoje que as turmas mistas, com vários anos de escolaridade no 1º ciclo do ensino básico, são atualmente um dos maiores problemas para o sucesso escolar, "uma chaga social".

Segundo David Justino, que hoje falava numa audição parlamentar sobre a redução do número de alunos por turma, existem atualmente 226 turmas mistas (com os quatro anos de escolaridade do 1º.ciclo do ensino básico na mesma sala) e ao todo três mil alunos a ter aulas nestas condições.

"Como é que um professor consegue gerir quatro anos de escolaridade na mesma sala? Há 50 anos até percebia", disse.

David Justino alertou ainda para o facto de existirem turmas mistas com anos não consecutivos ou seja onde a aprendizagem é feita com alunos do 1.º e do 3.º ano ou com alunos do 2.º e do 4.º anos, uma realidade que abrange 23 mil alunos.

"Aceito que possa haver situações excecionais de turmas com dois anos de escolaridade desde que sejam consecutivos", frisou adiantando que "nestas condições os efeitos deste tipo de organização vai repercutir-se em elevadas taxas de retenção".

Este é, para o presidente do Conselho Nacional de Educação, um dos maiores fatores de insucesso.

"Se por acaso os senhores deputados entenderem que há margem financeira para melhorar as condições de aprendizagem então definam um plano que progressivamente diminua estas turmas mistas.

Pode ter efeito na aprendizagem superior à simples redução do número de alunos por turma", salientou.

A Comissão Parlamentar de Educação criou um grupo de trabalho para audição de entidades sobre projetos de lei do PCP, Bloco de Esquerda e Os Verdes no sentido de haver uma redução do número de alunos por turma.

Em várias audições foram já ouvidos pais, professores e outros agentes educativos.

Lusa


  • "Quem faz isto sabe estudar os dias e o vento para arder o máximo possível"
    4:15
  • O balanço trágico dos incêndios do fim de semana
    0:51

    País

    Mais de 500 mil hectares de área ardida, 42 vítimas mortais, 71 de feridos, dezenas de casas e empresas destruídas. É este o balanço de mais um fim de semana trágico para Portugal a nível de incêndios florestais.

  • 2017: o ano em que mais território português ardeu
    1:41

    País

    Desde janeiro, houve mais área ardida do que em qualquer outro ano na história registada de incêndios florestais. Segundo dados provisórios do Sistema Europeu de Informação sobre Fogos Florestais, mais de 519 mil hectares foram consumidos pelas chamas até 17 de outubro, o que representa quase 6% de toda a área de Portugal. 

  • "Viverei com o peso na consciência até ao último dia"
    3:00
  • O que resta de Tondela depois dos incêndios
    1:07

    País

    O concelho de Tondela é agora um mar de cinzas, imagens recolhidas pela SIC com um drone mostram bem a dimensão do que foi destruído pelos incêndios. Perto 100 habitações principais ou secundárias, barracões, oficinas e stands arderam. 

  • Moradores reuniram esforços para salvar idosos das chamas em Pardieiros
    2:50

    País

    O incêndio de domingo em Nelas fez uma vítima mortal: um homem de 50 anos, de Caldas da Felgueira, que regressava de uma aldeia vizinha, onde tinha ido ajudar a combater as chamas. Em Pardieiros, no concelho de Carregal do Sal, várias casas arderam e uma jovem sofreu queimaduras ao fugir do incêndio. Durante o incêndio, pessoas reuniram esforços para salvar a povoação.

  • A fotografia que está a correr (e a impressionar) o Mundo

    Mundo

    A fotografia de uma cadela a carregar, na boca, o cadáver calcinado da cria está a comover o mundo. Entre as muitas fotografias que mostram o cenário causado pelos incêndios que devastaram a Galiza nos últimos dias, esta está a causar especial impacto. O registo é do fotógrafo Salvador Sas, da agência EFE. A imagem pode impressionar os mais sensíveis.

  • As lágrimas do primeiro-ministro do Canadá

    Mundo

    O primeiro-ministro da Canadá, Justin Trudeau, emocionou-se esta quarta-feira ao falar de um artista que morreu depois de perder uma luta contra o cancro. Gord Downie, vocalista da banda de rock canadiana "The Tragically Hip", faleceu esta terça-feira, aos 53 anos, vítima de um tumor cerebral.