sicnot

Perfil

País

BE apela à "consciência cívica" dos deputados para despenalizar eutanásia

(Arquivo)

MANUEL DE ALMEIDA

O Bloco de Esquerda (BE) apelou esta quarta-feira , no parlamento, "à consciência cívica e democrática" de "todos os deputados" para vencerem "fronteiras partidárias" e mudarem a lei para despenalizar a morte assistida em Portugal.

O apelo foi feito pelo deputado bloquista José Manuel Pureza, no colóquio de apresentação do anteprojeto de lei com que o BE quer abrir o debate para chegar a um articulado. O texto, hoje apresentado, admite as duas formas de morte assistida - eutanásia e suicídio medicamente assistido - a pedido do doente e exclui essa possibilidade para menores e pessoas com deficiência.

Na sala onde o BE apresentou o seu anteprojeto estiveram deputados do PS, como Isabel Moreira, Alexandre Quintanilha e Pedro Bacelar, mas também Francisco George, diretor-geral da Saúde.

O BE, disse José Manuel Pureza, não se compromete com um prazo para a apresentação de um texto final, porque este é um projeto que "não está fechado", estando aberto a contributos "Convocamos para este debate cívico e democrático todos os deputados.

Porque no momento de decidir vai ser a consciência cívica e democrática de cada um que vai imperar", disse. Para José Manuel Pureza, este "é um debate que vence todas as fronteiras, que vence todas as barreira democrática, incluindo as partidárias".

Os bloquistas não se comprometem com um prazo curto para a apresentação de um texto, admitindo apenas que será entregue e agendado um texto até ao final da legislatura (2019).

José Manuel Pureza recusou, igualmente, que o debate em torno da morte assistida se transforme numa discussão entre crentes e não crentes ou que o calendário da iniciativa seja associado à visita do papa Francisco, em maio, a Fátima.

"Mal andaríamos se, num Estado democrático, pluralista, a capacidade legislativa ficasse refém de qualquer acontecimento, por mais respeitável que seja, ligado a uma qualquer confissão religiosa", afirmou.

Na plateia do colóquio, em que também participou o ex-deputado bloquista e médico João Semedo, um dos dinamizadores do projeto, estiveram o antigo líder Francisco Louçã, um militar de Abril, Pezarat Correia e André Silva, deputado do PAN (Partidos e Animais), que também anunciou uma iniciativa neste tema.

Lusa

  • "É mais um notável tiro no pé de Passos Coelho"
    4:04

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Miguel Sousa Tavares analisou esta segunda-feira, no Jornal da Noite, a polémica em torno de Pedro Passos Coelho, depois do presidente do PSD ter pedido desculpas por ter "usado informação não confirmada", ao falar na existência de suicídios, depois desmentidos, como consequência da falta de apoio psicológico na tragédia de Pedrógão Grande. Sousa Tavares considera que Passos Coelho deu "mais um tiro no pé" e defende que o líder da oposição "está notoriamente desgastado" e "caminha para uma tragédia eleitoral autárquica".

    Miguel Sousa Tavares

  • Este texto é sobre o bom senso. O bom senso que faltou a Passos Coelho quando, esta manhã, depois de uma visita pelas áreas ardidas de Pedrógão Grande, decidiu falar em suicídios. Passos não se referiu a tentativas, mas sim a atos consumados. Deu certezas. Disse que tinha conhecimento de “pessoas que puseram termo à vida” porque “que não receberam o apoio psicológico que deviam.”

    Bernardo Ferrão

  • Simplex+2017 promete simplificar burocracia
    1:08

    País

    Já está online o novo Simplex+2017, que vai simplificar a vida dos cidadãos, empresas e administração pública. Pagar impostos com cartão de crédito e ter o cartão de cidadão ou a carta de condução no telemóvel são alguns exemplos do que está previsto.

  • Homem fala ao telefone com o filho que pensava estar morto

    Mundo

    Um norte-americano que tinha estado presente no funeral do filho recebeu, 11 dias depois, uma chamada telefónica de um homem que o pôs em contacto... com o filho que havia enterrado semana e meia antes. Tudo por causa de um erro do gabinete de medicina legal.