sicnot

Perfil

País

BE apela à "consciência cívica" dos deputados para despenalizar eutanásia

MANUEL DE ALMEIDA

O Bloco de Esquerda (BE) apelou esta quarta-feira , no parlamento, "à consciência cívica e democrática" de "todos os deputados" para vencerem "fronteiras partidárias" e mudarem a lei para despenalizar a morte assistida em Portugal.

O apelo foi feito pelo deputado bloquista José Manuel Pureza, no colóquio de apresentação do anteprojeto de lei com que o BE quer abrir o debate para chegar a um articulado. O texto, hoje apresentado, admite as duas formas de morte assistida - eutanásia e suicídio medicamente assistido - a pedido do doente e exclui essa possibilidade para menores e pessoas com deficiência.

Na sala onde o BE apresentou o seu anteprojeto estiveram deputados do PS, como Isabel Moreira, Alexandre Quintanilha e Pedro Bacelar, mas também Francisco George, diretor-geral da Saúde.

O BE, disse José Manuel Pureza, não se compromete com um prazo para a apresentação de um texto final, porque este é um projeto que "não está fechado", estando aberto a contributos "Convocamos para este debate cívico e democrático todos os deputados.

Porque no momento de decidir vai ser a consciência cívica e democrática de cada um que vai imperar", disse. Para José Manuel Pureza, este "é um debate que vence todas as fronteiras, que vence todas as barreira democrática, incluindo as partidárias".

Os bloquistas não se comprometem com um prazo curto para a apresentação de um texto, admitindo apenas que será entregue e agendado um texto até ao final da legislatura (2019).

José Manuel Pureza recusou, igualmente, que o debate em torno da morte assistida se transforme numa discussão entre crentes e não crentes ou que o calendário da iniciativa seja associado à visita do papa Francisco, em maio, a Fátima.

"Mal andaríamos se, num Estado democrático, pluralista, a capacidade legislativa ficasse refém de qualquer acontecimento, por mais respeitável que seja, ligado a uma qualquer confissão religiosa", afirmou.

Na plateia do colóquio, em que também participou o ex-deputado bloquista e médico João Semedo, um dos dinamizadores do projeto, estiveram o antigo líder Francisco Louçã, um militar de Abril, Pezarat Correia e André Silva, deputado do PAN (Partidos e Animais), que também anunciou uma iniciativa neste tema.

Lusa

  • A morte das sondagens foi ligeiramente exagerada

    Opinião

    Um atentado sem efeitos eleitorais, sondagens que acertaram em praticamente tudo, inexistência do chamado eleitorado envergonhado. E um candidato que se situa no centro político com fortíssimas hipóteses de vencer a segunda volta. As presidenciais francesas tiveram uma chuva de acontecimentos anormais, mas acabam por ser um choque de normalidade. Pelo menos até agora...

    Ricardo Costa

  • Fuga de Vale de Judeus em junho de 1975 no Perdidos e Achados
    0:36

    Perdidos e Achados

    Prisão Vale de Judeus, final de tarde de domingo, dia 29 de junho de 1975. O plano da fuga terá sido desenhado por uma vintena de homens. Serrada a presiana metálica era preciso passar, para fora do edifício, as cabeceiras dos beliches onde os presos dormiam. Ao longo de cerca de uma hora 89 detidos, agentes da PIDE/DGS, a Polícia Internacional e de Defesa do Estado português extinta depois da revolução de 1974, fogem do estabelecimento prisional.

    Hoje no Jornal da Noite

  • Pj ainda não fez detenções relacionadas com atropelamento de adepto italiano
    1:52

    Desporto

    As autoridades policiais confirmaram à SIC que o atropelamento que fez este sábado uma vítima mortal, junto ao Estádio da Luz, não terá sido acidental. A Policia Judiciária já saberá quem foi o autor do atropelamento. O homem faria parte do grupo de adeptos do Benfica, que se envolveram em confrontos com adeptos do Sporting.