sicnot

Perfil

País

Copiloto do carro de rali que caiu ao rio em Mortágua foi encontrado sem vida

O homem que desapareceu durante a tarde de quarta-feira no rio Criz, em Mortágua, na sequência de um despiste de uma viatura de rali, foi encontrado sem vida, informou fonte do Comando Distrital de Operações de Socorro de Viseu.

De acordo com a mesma fonte, a vítima mortal foi retirada das águas do Rio Criz por volta das 18:15, tendo sido localizado pelos mergulhadores dos Bombeiros Voluntários de Viseu fora do carro de rali.

Uma viatura, que andava em treinos de rali, despistou-se por volta das 15:15 e foi parar ao rio Criz, onde acabou por ficar submersa. Um dos ocupantes foi dado como desaparecido, enquanto o outro sofreu ferimentos ligeiros.

A equipa de mergulhadores de Viseu conseguiu localizar a vítima mortal menos de uma hora depois de ter chegado ao local, onde estiveram também elementos dos bombeiros de Mortágua e de Santa Comba Dão, do Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM), do Centro de Orientação de Doentes Urgentes (CODU) e da Guarda Nacional Republicana (GNR).

Lusa

  • A fuga dos PIDES
    1:16

    Perdidos e Achados

    Ao final do dia 29 de Junho de 1975, 89 agentes da PIDE fugiam da cadeia de Vale de Judeus, em Alcoentre. Mais de 40 anos depois, Perdidos e Achados recupera um dos acontecimentos do Verão Quente em Portugal. Hoje no Jornal da Noite e conteúdos exclusivos no site.

    Hoje no Jornal da Noite

  • Uma volta a Portugal. De bicicleta mas sem licra

    País

    Um grupo de professores propõe-se a repetir o percurso da 1.ª Volta a Portugal em Bicicleta, 90 anos depois. Não se trata de uma corrida, pelo contrário querem provar que qualquer um o pode fazer e promover o uso da bicicleta como meio de transporte pessoal. “Dar a volta” parte para a estrada esta quarta-feira, de Lisboa a Setúbal, tal como em 26 de abril de 1927.

    Ricardo Rosa

  • Casa Madonna di Fatima em Roma é um lar de idosos com 9 irmãs portuguesas
    4:29

    Mundo

    A mais antiga igreja dedicada à Senhora de Fátima em Roma tem mais de 50 anos. Foi construída pelas franciscanas hospitaleiras do Imaculado Coração, uma congregação fundada em Portugal. Hoje, as religiosas portuguesas gerem um lar na mesma rua, mas o templo foi entregue a uma congregação italiana.