sicnot

Perfil

País

Diretório com todas as maternidades do país ajuda pais a fazer "escolha certa" no parto

© Regis Duvignau / Reuters

"Onde nascer" é o nome de um diretório online nacional com todos os hospitais e profissionais que realizam partos em Portugal e que pretende ajudar os casais a fazerem uma escolha informada do local onde vai nascer o filho.

O "Birth Advisor - Onde Nascer" foi criado pela Associação Portuguesa pela Defesa dos Direitos da Mulher na Gravidez e Parto (APDMGP) para avaliação dos serviços de assistência ao parto em Portugal, disse à agência Lusa a presidente da associação, Sandra do Vale.

"No diretório estão todas as maternidades públicas e privadas do país e todos os profissionais que exercem os partos domiciliares", sendo que "os utilizadores podem dar a sua opinião sobre o serviço que tiveram nessa instituição", explicou Sandra do Vale.

O objetivo do projeto, disponível aqui, é tornar estes serviços "um pouco mais transparentes para as famílias poderem fazer escolhas devidamente informadas", adiantou.

Além de consultar os dados, o utilizador pode deixar a sua avaliação e até sugerir instituições, equipas ou profissionais que não constem do diretório, que vai ser lançado oficialmente no encontro "Nascer em amor 2017", promovido pela APDMGP e que decorrerá, no sábado, em Cascais.

As avaliações aos serviços são feitas a partir de uma lista de tópicos de caracterização, como se o hospital realiza partos na água, se tem bolas, se respeita o parto natural ou se é amigo da amamentação.

"Acreditamos que a reunião destas informações ajudará as famílias na sua tomada de decisão e estimulará as instituições, equipas e profissionais a prestarem um serviço de cada vez maior qualidade, contribuindo para melhores nascimentos", sublinhou Sandra do vale.

Questionada pela Lusa sobre se podem ser feitas no portal denúncias de situações que não tenham corrido bem, explicou que o diretório não tem essa função.

"Se o casal ou a família pretenderem apresentar queixa têm de falar com a associação para nós os apoiarmos", adiantou Sandra do Vale, lembrando que a associação nasceu com o objetivo de "proteger e divulgar os direitos humanos na gravidez e no parto".

Infelizmente o que muitas vezes acontece é "um conflito de interesses entre aquilo que são as necessidades de um hospital, que tem as suas regras e protocolos, e as necessidades da mulher" de sentir que as suas escolhas estão a ser respeitadas e que está a ser bem tratada durante o parto.

Contudo, em todos os hospitais "há histórias boas e histórias más".

Para capacitar as famílias para fazerem valer os seus direitos, a associação tem divulgado informação e realizado várias campanhas, uma das quais denominada "Sombras do Parto", para apoiar as vítimas de violência obstétrica.

Com o tema 'Melhor Nascimento, Para Todos', o encontro promovido pela associação pretende contribuir para a promoção do respeito pelos direitos humanos na gravidez e no parto e para o aumento da qualidade dos serviços de saúde materna e obstétrica em Portugal.

Lusa

  • Vala comum com 6 mil corpos em Mossul
    1:43
  • À redescoberta da Madeira, 16 anos depois
    1:59
  • A menina que os pais queriam chamar "Allah"

    Mundo

    ZalyKha Graceful Lorraina Allah tem 22 meses, anda não sabe ler nem escrever mas já está no centro de um processo judicial contra o Estado da Georgia, nos EUA. Os pais, Elizabeth Handy e Bilal Walk, apoiados por uma ONG, exigem na justiça que o nome seja reconhecido na certidão de nascimento para que a criança possa ser inscrita na escola, na segurança social ou nos registos e notoriado. O casal já tem um filho de 3 anos que se chama Masterful Mosirah Aly Allah.

  • Samsung vai vender modelos reparados do Galaxy Note 7

    Economia

    A Samsung Electronics anunciou hoje que vai vender e alugar telemóveis reparados do modelo Galaxy Note 7 depois de no ano passado a empresa ter decidido suspender a respetiva produção devido a incêndios nas baterrias de íon-lítio.

  • Acidentes em falésias matam 94 pescadores lúdicos

    País

    Mais de 90 pescadores lúdicos morreram nos últimos 19 anos e 137 ficaram feridos em 252 acidentes registados em zona rochosa ou em falésia, a maioria na zona de Lagos, Faro, segundo dados da Autoridade Marítima Nacional.