sicnot

Perfil

País

Quercus exige apuramento de "todas as responsabilidades" em Setúbal

RUI MINDERICO/ LUSA

A associação ambientalista Quercus exigiu hoje o apuramento de "todas as responsabilidades" no incêndio na Sapec, em Mitrena, Setúbal, através da realização de "um inquérito rigoroso", que determine as causas do incidente.

Além da realização do inquérito, cujas conclusões devem ser "divulgadas e tornadas públicas", a Quercus defende a elaboração de "um plano específico" para monitorizar a qualidade do ar, solo e água, para perceber "o potencial grau de contaminação local a que o incidente poderá conduzir".


O plano deverá incidir principalmente na análise de água para consumo humano (captações de água) e na qualidade da água do estuário do Sado e das zonas balneares circundantes, refere a Quercus em comunicado.


A associação manifesta também "enorme preocupação" com as consequências provenientes do incêndio que deflagrou na madrugada de terça-feira nos armazéns de enxofre da Sapec Agro e que foi declarado extinto às 9:10 de hoje.


Para a Quercus, devem ser tomadas "todas as medidas" ainda na fase de rescaldo do incêndio no sentido de "minimizar os impactos negativos" que "pairam sobre as populações, sobretudo da região de Setúbal, e sobre o ambiente".


Segundo a Direção-Geral da Saúde, 20 pessoas, entre as quais 10 bombeiros, sofreram lesões devido ao excesso de dióxido de enxofre libertado no incêndio.


"É importante ter em consideração se, num período inicial do incidente, as condições meteorológicas foram favoráveis à dispersão da nuvem poluente de dióxido de enxofre" e, desse modo, "auxiliaram o controlo" da qualidade do ar dentro dos parâmetros legalmente definidos, sublinha a associação.


A Quercus refere que a estação de monitorização da qualidade do ar no centro da cidade de Setúbal registou 503 microgramas de dióxido de enxofre por metro cúbico de ar, quando o limite máximo admissível se situa nos 500 microgramas, sendo "muito provável que a concentração deste poluente em locais mais próximos ao incêndio seja bastante superiores".

Perante esta situação, os ambientalistas consideram que as declarações feitas na terça-feira pelo representante da Sapec, em que defende que a nuvem poluente não constitui "um perigo para a população" são "totalmente irresponsáveis e de elevada gravidade".


Em última análise, sublinham, estas declarações podem ser "consideradas uma tentativa de camuflagem da real dimensão e extensão do problema".


"A demonstração do risco e da elevada perigosidade do gás libertado na nuvem de fumo está evidente e demonstrada" na recomendação da Direção-Geral de Saúde para os habitantes da região se protegerem devido a elevados níveis de dióxido de enxofre no ar.


Entretanto, a DGS afirmou hoje, em conferência de imprensa, que, neste momento, não há emissão de dióxido de enxofre e que não se justificam as medidas de proteção à população anunciadas na quarta-feira.

Lusa

  • Faralhão vive clima de medo
    3:05

    País

    Está extinto o incêndio que deflagrou na madrugada de terça-feira nos armazéns de enxofre da Sapec Agro, na Mitrena em Setúbal. A Direção-Geral da Saúde falou em riscos para a saúde pública o que levou a Câmara de Setúbal a encerrar escolas e a aconselhar a população a não permanecer na rua e a evitar fazer esforços ao ar livre. Na localidade mais próxima da fábrica, vive-se um clima de medo e as máscaras de proteção desapareceram da drogaria

  • "Neste momento não há emissão de dióxido de enxofre para a atmosfera"
    1:01

    País

    O presidente do INEM, Luis Meira, anunciou hoje que 20 pessoas foram afetadas, incluindo crianças, pela nuvem de enxofre causada pelo incêndio num armazém em Setúbal. A Direção Geral de Saúde garante que os niveis de dioxido de enxofre já estão muito abaixo dos limites legalmente estabelecidos e que não constituem agora qualquer risco para as pessoas. 

  • Outros casos de fuga de prisões portuguesas
    2:58

    País

    Nos últimos cinco anos, 52 reclusos fugiram de cadeias portuguesas, mas foram todos recapturados. Entre 1999 e 2009, fugiram oito reclusos da prisão de Caxias. Em 2005, um homem condenado a 21 anos de prisão fugiu de Coimbra, viajando por França e pela Polónia. Manuel Simões acabou por ser detido no regresso a Portugal.

  • Portugal sem resposta de Moçambique sobre português desaparecido em Maputo
    1:25

    País

    Portugal tem tentado, sem sucesso, obter respostas das autoridades moçambicanas sobre o rapto de um empresário português há sete meses. De acordo com a notícia avançada este domingo pelo jornal Público, uma carta enviada há duas semanas pelo Presidente da República ao homólogo moçambicano não teve resposta. O Governo de Moçambique tem ignorado pedidos de informação das autoridades portuguesas.

  • Táxi capaz de sobrevoar filas de trânsito ainda este ano no Dubai

    Mundo

    É o sonho de muitos que passam horas intermináveis em filas de trânsito. Trata-se de um drone com capacidade para transportar pessoas. "Operações regulares" deste insólito aparelho terão início em julho, no Dubai. O anúncio foi feito pela entidade que gere os transportes da cidade. Apenas um passageiro, com o peso máximo de 100 kg, pode seguir viagem neste táxi revolucionário, capaz de sobrevoar vias congestionadas pelo trânsito.