sicnot

Perfil

País

DGS volta a incluir homossexuais no grupo de risco para dar sangue

© Toby Melville / Reuters

A Direção-Geral de Saúde voltou a incluir os homossexuais no grupo de risco para dar sangue. O jornal Público desta sexta-feira cita o novo texto sobre a triagem de dadores que entrou em vigor esta semana.

A DGS considera, de forma explícita, os homossexuais e bissexuais como população com "risco infeccioso acrescido" e "elevada prevalência de infecção por VIH".

A nova norma sobre triagem de dadores entrou em vigor esta semana e a versão atualizada do documento contrária a posição assumida pela DGS há menos de 5 meses.

Esta subpopulação de risco é agora identificada lado a lado com "utilizadores de drogas" e "trabalhadores do sexo".

Questionado pelo Público dias antes da publicação da nova norma, José Alexandre Diniz disse que o texto sofreria "ligeiras alterações".

Assim, quem tiver tido relações com pessoas pertencentes a subpopulações de risco, fica impedido de dar sangue por um período de 12 meses. A categoria inclui homossexuais e bissexuais.

A Direção-Geral de saúde diz que não há discriminação, mas o ministro da Saúde está a analisar o processo.

  • Protestos e violência no Rio de Janeiro
    1:08
  • Marcelo diz que a Europa precisa de paixão
    2:36
  • Porque é que Melania e Ivanka vestiram preto para conhecer o Papa

    Mundo

    Melania e Ivanka chegaram ao Vaticano de preto, uma escolha muito questionada. De vestidos longos e véus, as mulheres Trump seguiram assim o dress code aconselhado nas audiências com o Papa. Também Michelle Obama usou uma vestimenta do género, em 2009, quando visitou Bento XVI.