sicnot

Perfil

País

DGS volta a incluir homossexuais no grupo de risco para dar sangue

© Toby Melville / Reuters

A Direção-Geral de Saúde voltou a incluir os homossexuais no grupo de risco para dar sangue. O jornal Público desta sexta-feira cita o novo texto sobre a triagem de dadores que entrou em vigor esta semana.

A DGS considera, de forma explícita, os homossexuais e bissexuais como população com "risco infeccioso acrescido" e "elevada prevalência de infecção por VIH".

A nova norma sobre triagem de dadores entrou em vigor esta semana e a versão atualizada do documento contrária a posição assumida pela DGS há menos de 5 meses.

Esta subpopulação de risco é agora identificada lado a lado com "utilizadores de drogas" e "trabalhadores do sexo".

Questionado pelo Público dias antes da publicação da nova norma, José Alexandre Diniz disse que o texto sofreria "ligeiras alterações".

Assim, quem tiver tido relações com pessoas pertencentes a subpopulações de risco, fica impedido de dar sangue por um período de 12 meses. A categoria inclui homossexuais e bissexuais.

A Direção-Geral de saúde diz que não há discriminação, mas o ministro da Saúde está a analisar o processo.

  • "Até para o ano", a mensagem de Ronaldo para os adeptos do Real Madrid
  • Despenalização da eutanásia votada na terça-feira no Parlamento
    2:04
  • Há companhias aéreas a contratar. TAP é uma delas
    1:28

    Economia

    Com o crescimento do turismo, que continua a bater recordes, as companhias aéreas querem profissionais para reforçar as rotas com maior procura e oferecer novos destinos. Só a TAP prevê contratar mais 700 pessoas este ano para várias funções, incluindo 300 tripulantes de cabine e 170 pilotos.

  • O bombeiro herói que recebe 267 euros de pensão
    2:36
  • Funcionários dos EUA na Coreia do Norte para preparar cimeira
    2:19