sicnot

Perfil

País

Portugal é o 4º país a acolher mais refugiados

Arquivo

ANDRÉ KOSTERS / LUSA

Portugal já recebeu 1.001 refugiados ao abrigo do programa europeu de recolocação. Acima só a França, a Alemanha e a Holanda, segundo os dados do Governo português e da UE.

Dos 1.001 refugiados, 673 são adultos e 328 são crianças, havendo 322 pessoas que chegaram sozinhas e 166 agregados familiares.

Números divulgados hoje pelo Governo e já incluem as pessoas que chegaram esta semana. Segundo o ministro-adjunto os dados revelam que Portugal "é um dos países mais ativos no cumprimento do objetivo europeu de solidariedade".

Eduardo Cabrita admitiu ainda que o programa de recolocação tem tido "dificuldades administrativas várias", mas o facto de Portugal já ter acolhido mais de mil pessoas, dentro do objetivo de cerca de cinco mil com que se comprometeu, mostra que o país tem "uma posição ativa no espaço europeu e uma posição solidária".

Questionado sobre o facto de vários refugiados já terem abandonado Eduardo Cabrita lembrou que estão em causa "cidadãos livres que fugiram de zonas de guerra".

"Esse fenómeno de saída de programa, designadamente procurando reagrupamento familiar, passa-se em toda a Europa", disse o ministro, dando como exemplo a Suíça, onde a taxa de saída é de 25%.

Por conseguinte o Governo diz que Portugal é dos países "com maior taxa de cumprimento da quota" a que se comprometeu, lamentando, por outro lado, os países que se recusaram a receber estas pessoas.

Os primeiros refugiados chegaram a Portugal a 15 de dezembro de 2015, duas semanas depois da tomada de posse do atual Executivo que dá prioridade ao ensino da língua portuguesa e à formação profissional, para que os refugiados conseguiam integra-se em Portugal depois de terminado o período de 18 meses durante o qual existe apoio financeiro da União Europeia.

  • Despenalização da eutanásia votada na terça-feira no Parlamento
    2:04
  • Há companhias aéreas a contratar. TAP é uma delas
    1:28

    Economia

    Com o crescimento do turismo, que continua a bater recordes, as companhias aéreas querem profissionais para reforçar as rotas com maior procura e oferecer novos destinos. Só a TAP prevê contratar mais 700 pessoas este ano para várias funções, incluindo 300 tripulantes de cabina e 170 pilotos.

  • O bombeiro herói que recebe 267 euros de pensão
    2:36
  • Funcionários dos EUA na Coreia do Norte para preparar cimeira
    2:19