sicnot

Perfil

País

Ciclovia vai ligar Vila Franca de Xira a Lisboa em 2018

A Câmara Municipal de Vila Franca de Xira pretende construir até 2018 um percurso ciclável, de 44,5 quilómetros, para ligar o município ao Parque das Nações, em Lisboa, anunciou esta sexta-feira a autarquia.

No total, a autarquia ribatejana, no distrito de Lisboa, pretende implementar uma rede de ciclovias que cubra todo o concelho, numa extensão de 100 quilómetros, constituindo a ligação a Lisboa, com passagem também pelo município de Loures, a primeira fase deste projeto, segundo explicou à agência Lusa o presidente da Câmara Municipal de Vila Franca de Xira, Alberto Mesquita (PS).

O autarca referiu que esta primeira fase irá representar um investimento de sete milhões de euros, tendo sido sujeito a uma candidatura intermunicipal (Vila Franca de Xira, Loures e Lisboa) a fundos comunitários, no âmbito do Portugal2020.

"Será uma possibilidade de promoção de Vila Franca de Xira porque haverá pessoas que nos passarão a poder visitar de bicicleta. Esta rede de ciclovias será uma complementaridade muito importante para a nossa estratégia de promoção", sublinhou.

Contudo, Alberto Mesquita ressalvou que "o objetivo não é promover uma competição entre a bicicleta e o automóvel", mas sim dar outras alternativas às pessoas e fazer com que possam "usufruir da beleza do Tejo".

Depois de concluída a primeira fase deste projeto estão previstas mais duas fases, com um total de 42,5 quilómetros, ainda sem um previsão para a sua conclusão.

Neste momento, o município de Vila Franca de Xira já dispõe de uma rede de ciclovias com 13 quilómetros.

Entretanto, contactada pela Lusa fonte da Câmara Municipal de Loures explicou que o município terá uma ligação com Vila Franca de Xira na localidade de Santa Iria da Azoia.

A mesma fonte adiantou que se trata de um troço de 300 metros, que estará concluído em junho.

Lusa

  • Hospitais vão ser penalizados se não cumprirem tempos de espera
    2:37

    País

    O Ministério da Saúde vai penalizar os hospitais que não cumprem os tempos de espera nas urgências e que tenham taxas elevadas de cesarianas. O novo modelo de financiamento prevê ainda linhas de financiamento próprio para a obesidade e rastreios do cancro do cólon e do colo do útero.

  • Assédio, até onde vai a tolerância?
    35:26