sicnot

Perfil

País

Circulação na A26 entre Sines e Santo André normalizada

A circulação rodoviária na autoestrada A26-1 entre Sines e Vila Nova de Santo André, concelho de Santiago do Cacém, foi hoje normalizada, depois de retirados os pinos que suprimiam uma faixa de rodagem em cada sentido.

Os pinos que condicionavam a circulação na A26-1 já foram retirados, confirmou hoje a empresa Infraestruturas de Portugal (IP), em resposta escrita a questões da agência Lusa, indicando, no entanto, que estão ainda previstos "condicionamentos pontuais" na via.


"Já foram retirados os pinos na A26-1, com exceção da zona de Santo André, numa extensão de cerca de um quilómetro, onde serão construídos atravessamentos pedonais", informou a IP.


Além disso, vão ainda ser "executados trabalhos que implicam alguns condicionamentos pontuais na via para a construção da passagem pedonal na zona da Lagoa da Sancha ou a conclusão de acessos na zona da Barbuda".


As obras da A26-1, no traçado da via rápida já existente entre Vila Nova de Santo André e Sines, no distrito de Setúbal, previstas no contrato da subconcessão Baixo Alentejo, começaram em 2010 e foram suspensas em 2012, tal como a construção da A26, entre Sines e Beja, tendo sido anunciada repetidas vezes a sua retoma, sem que tal acontecesse.


A situação gerou protestos da população e autarcas, pela demora na conclusão do projeto e pelo condicionamento da circulação rodoviária no troço de cerca de 15 quilómetros, limitada por pinos e sinalização temporária a uma faixa de rodagem em cada sentido, com uma velocidade limite de 50 quilómetros por hora.


A intervenção foi retomada em novembro de 2016, tendo o ministro do Planeamento e das Infraestruturas, Pedro Marques, anunciado, numa deslocação a Sines a 21 de outubro do ano passado, a conclusão da obra para o final do mês de janeiro de 2017, o que não chegou a acontecer.


No início deste mês, a 01 de março, o governante disse no parlamento que as obras da autoestrada A26, entre Sines e Vila Nova de Santo André, estariam concluídas dali a dez dias.


"Espero sinceramente que daqui a dez dias - hoje estamos a 01 de março - estejamos a retirar os últimos pinos, os últimos obstáculos à circulação. No dia 10 de março, esperamos que esteja concluída essa intervenção", disse Pedro Marques, na comissão parlamentar de Economia, Inovação e Obras Públicas, onde estava a ser ouvido.


A empreitada converteu o troço já existente da Estrada Regional (ER) 261-5 entre Vila Nova de Santo André e Sines em autoestrada, passando a designar-se A26-1, não estando, no entanto, previstas portagens.


"Não há portagens no troço entre Sines e Vila Nova de Santo André, nem nunca esteve pensado qualquer portagem para esse troço", confirmou hoje à Lusa fonte oficial da IP.


O troço que atravessa a cidade de Vila Nova de Santo André, até ao nó da Maria da Moita, que também foi intervencionado, vai permanecer com a designação de ER 261-5, algo que era reivindicado pelo município de Santiago do Cacém e pela Junta de Freguesia de Santo André, a par da construção de acessos pedonais.

Lusa

  • A casa dos horrores
    7:57
  • PGR e presidente do Supremo deixam recado à ministra da Justiça
    2:45

    País

    Durante a abertura do ano judicial, a Procuradora-Geral da República e o presidente do Supremo Tribunal aproveitaram para deixar um recado à ministra da Justiça: é urgente aprovar o novo estatuto de juízes e magistrados. O presidente do Supremo diz que é injusta a má imagem da Justiça e pediu contenção aos magistrados.

  • Rui Rio tem sentido "alguma turbulência" no PSD
    2:01

    País

    Rui Rio e Pedro Passos Coelho tiveram esta quinta-feira a primeira reunião, desde que foi eleito o novo líder do PSD. À saída, Passos Coelho desejou que esta transição decorra com naturalidade. Já Rui Rio disse que tem sentido alguma turbulência no partido.

  • Sindicatos rejeitam fim das baixas médicas até três dias
    2:02

    País

    A CGTP quer levar o tema das baixas médicas à Concertação Social, já a UGT diz que há outras matérias prioritárias. Ainda assim as duas centrais sindicais lembram que a não justificação de faltas pode dar origem a um despedimento por justa causa. Esta quinta-feira o bastonário da Ordem dos Médicos propôs ao Governo que acabe com as baixas de curta duração, até três dias.

  • Papa interrompe percurso no Chile para ajudar polícia
    0:21
  • "Mundo à Vista" no Gana
    7:38