sicnot

Perfil

País

Médicos com vontade de emigrar aumentaram 30% em 2016

O bastonário da Ordem dos Médicos, Miguel Guimarães, revelou esta segunda-feira que em 2016 cerca de 600 os médicos pediram "passaportes" para emigrar, um crescimento de 30% em relação ao ano anterior.

"Os dados que temos são muito preocupantes. Em 2016, podem ter emigrado mais médicos do que em 2015", referiu Miguel Guimarães durante uma visita ao Hospital de Barcelos.

Segundo o bastonário, a Ordem ainda está a contactar, um a um, os médicos que em 2016 pediram os certificados indispensáveis para exercerem noutros países, para aferir o número concreto de profissionais que acabaram mesmo por emigrar.

No entanto, Miguel Guimarães considera que o simples aumento de pedidos de certificados deve ser suficiente para que o Governo pense, com urgência, "numa forma eficaz" para fixar os médicos em Portugal.

"Enquanto o Governo não perceber que a saúde precisa de reformas e que estas reformas podem ajudar a melhorar o Serviço Nacional de Saúde (SNS), não conseguiremos evoluir positivamente", sublinhou, vincando que "um dos grandes problemas" do setor em Portugal é a dificuldade em fixar jovens médicos no SNS.

"Não é apenas uma questão de dinheiro. O mais importante é as pessoas serem respeitadas", disse ainda.
Miguel Guimarães alertou igualmente para a saída de médicos do SNS para o privado.

Segundo adiantou, o SNS tem neste momento "um grande défice" de médicos, ao mesmo tempo que cerca de 12 mil estão já a trabalhar em exclusividade no privado.

"É claramente necessário investir mais na Saúde", reiterou.

Lusa

  • A fuga dos PIDES
    20:08
  • Dominado incêncio no centro de tratamento de resíduos da Tratolixo
    1:55

    País

    O fogo na Tratolixo, em Trajouce, deflagrou esta segunda-feira à noite. As chamas foram controladas a meio da manhã pelos bombeiros. No local estão 133 operacionais, apoiados por 51 veículos. O fogo não fez vítimas nem danos materiais. O vento dificultou o combate às chamas.

  • Duas execuções no mesmo dia pela primeira vez em 17 anos nos EUA

    Mundo

    O estado norte-americano do Arkansas (sul) executou, na noite de segunda-feira, dois condenados à morte, o que sucede pela primeira vez em 17 anos no país, anunciou a procuradora-geral daquele estado. Jack Jones e Marcel Williams, condenados separadamente na década de 1990 à pena capital por violação e assassínio, receberam uma injeção letal depois de diferentes tribunais terem rejeitado os respetivos recursos, afirmou Leslie Rutledge, em comunicado.