sicnot

Perfil

País

Compra de cinco helicópteros ligeiros era "realmente uma prioridade"

ESTELA SILVA

O ministro da Defesa Nacional, Azeredo Lopes, disse esta segunda-feira que a compra de cinco helicópteros ligeiros para substituir a frota de Alouette III era "realmente uma prioridade" para a Força Aérea Portuguesa.

À margem da iniciativa "Viver o Douro com mais Segurança", no Porto, o governante afirmou que, autorizada a sua aquisição, vai ser aberto um concurso público internacional e os "fantásticos" Alouette III vão ser substituídos porque a partir de 2018 não podem voar mais, já que foram "totalmente descontinuados".

O Governo autorizou a compra, no montante de 20,5 milhões de euros, de cinco helicópteros ligeiros para substituir a frota de Alouette III da Força Aérea Portuguesa, que opera há mais de 50 anos.

O despacho, assinado pelo ministro da Defesa, autoriza a compra de cinco helicópteros ligeiros "com opção até mais dois", incluindo de treino, sobresselentes e material de apoio, com o preço base de 20,5 milhões de euros, através de verbas inscritas na Lei de Programação Militar.

A substituição destes helicópteros era reclamada há vários anos pela Força Aérea.

"Era realmente uma prioridade para a Força Aérea Portuguesa e, ao mesmo tempo, dotar os helicópteros que venham a ser adquiridos de meios necessários para participarem no combate a incêndios (...), faz sentido que se realize uma localizada despesa suplementar", entendeu.

Os novos helicópteros deverão estar aptos a garantir a instrução de pilotagem, as missões de busca e salvamento costeiro, o transporte geral e a evacuação sanitária militar.

Estes helicópteros deverão também estar equipados para poderem integrar o Dispositivo Especial de Combate a Incêndios Florestais, no âmbito do apoio a missões de interesse público, nomeadamente à Autoridade Nacional de Proteção Civil.

Lusa

  • Aeroporto Cristiano Ronaldo? Nem todos os madeirenses estão de acordo
    2:21
  • Vala comum com 6 mil corpos em Mossul
    1:43
  • A menina que os pais queriam chamar "Allah"

    Mundo

    ZalyKha Graceful Lorraina Allah tem 22 meses, anda não sabe ler nem escrever mas já está no centro de um processo judicial contra o Estado da Georgia, nos EUA. Os pais, Elizabeth Handy e Bilal Walk, apoiados por uma ONG, exigem na justiça que o nome seja reconhecido na certidão de nascimento para que a criança possa ser inscrita na escola, na segurança social ou nos registos e notoriado. O casal já tem um filho de 3 anos que se chama Masterful Mosirah Aly Allah.