sicnot

Perfil

País

Centenas de jovens médicos sem vaga para especialidade no próximo ano

O alerta é da Ordem dos Médicos que exige ao Governo medidas de planeamento para evitar que centenas de jovens médicos fiquem sem acesso a uma especialidade em 2018, numa realidade que se agrava a cada ano.

Há 2.466 jovens médicos para se candidatarem à formação especializada no próximo ano para um número provisório de 1.719 vagas, uma diferença superior a 700.

Segundo o bastonário dos Médicos, Miguel Guimarães, trata-se do maior número de sempre de vagas propostas de acordo com a capacidade de formação do país, mas que ainda assim deixará de fora algumas centenas de candidatos, além daqueles que acabam por desistir para se recandidatarem no ano seguinte.

A Ordem dos Médicos, que já entregou à Administração Central do Sistema de Saúde o mapa provisório de capacidades formativas para 2018, exige que o Governo melhore a capacidade formativa e reequacione as vagas dos cursos superiores.

"O número de médicos que podem ficar sem acesso à especialidade será maior do que o ano passado. Este ano existem mais vagas mas continuam a existir internos que podem não ter acesso à especialidade", declara à agência Lusa o bastonário, para quem este ano o número de jovens médicos que ficará de fora deverá aumentar em relação ao ano anterior.

Mesmo que algumas dezenas de jovens acabem por desistir de se candidatar por não conseguirem nota no exame de acesso à especialidade que pretendem, repetindo-o no ano seguinte, muitos outros ficarão de fora ainda que não seja essa a sua opção.

Entre os 2.466 médicos formados e candidatos à especialidade para 2018 há 392 que são formados no estrangeiro e que têm direito a realizar a especialidade em Portugal.

"Há um excesso de estudantes de medicina. Em cada ano entram cerca de 1.800 estudantes nos cursos de medicina, quando não temos capacidade formativa para isso", afirmou Miguel Guimarães.

Para a Ordem dos Médicos, ao longo dos anos os ministérios do Ensino Superior e da Saúde foram aumentando "de forma incompreensível" o número de vagas para acesso aos cursos de medicina, sem compreenderem o impacto dessa medida.
Só entre 1995 e 2014 o 'numerus clausus' nos cursos de medicina aumentou 396%.

"O 'numero clausus' devia ser adaptado àquilo que é a real capacidade formativa das escolas médicas", defende Miguel Guimarães, vincando que o Governo deve atuar no sentido de melhorar a formação pré-graduada, até porque os próprios diretores de faculdades reconhecem que têm estudantes a mais.

Além deste problema, a Ordem sustenta que "é um imperativo nacional" investir no Serviço Nacional de Saúde (SNS), quer ao nível de recursos humanos como de equipamentos, para aumentar a capacidade de formação.

Ou seja, se o Ministério da Saúde corrigisse as deficiências existentes no SNS, melhorava a capacidade de formar especialistas, ao mesmo tempo que melhorava a qualidade dos cuidados de saúde.

"Podíamos ter em Portugal ainda mais vagas para formar internos, mais algumas centenas, desde que os serviços estivessem de facto completos: com os especialistas que deviam existir, com os serviços devidamente equipados e também com uma estrutura física necessária", frisa o bastonário.

Este alerta da Ordem surge na semana em que decorre a Mostra de Especialidades Médicas, um evento organizado pelo Conselho Nacional do Médico Interno, que pretende ajudar os jovens médicos internos no processo de escolha de especialidade.

Esta mostra decorre esta semana no Porto e em Lisboa e em Coimbra no início de maio.


Com Lusa

  • Rui Patrício confirmado no Wolverhampton

    Desporto

    O Wolverhampton anunciou esta segunda-feira a contratação do guarda-redes Rui Patrício, depois da rescisão com o Sporting. O guarda-redes da seleção nacional assinou contrato com o clube inglês por quatro épocas.

    SIC

  • Novo treinador do Sporting diz que mulheres não estão preparadas para falar de futebol
    1:23
  • Romelu Lukaku: força, potência e intensidade

    Mundial 2018 / Bélgica

    O avançado Romelu Lukaku foi eleito o Homem do Jogo entre Bélgica e Panamá. Num registo ofensivo em que a força e a potência são pilares para o sucesso junto às redes adversárias, Lukaku representa uma ameaça temível para qualquer defesa. Aos 25 anos, o ponta de lança que José Mourinho foi buscar ao Everton para dar outra intensidade ao ataque do Manchester United vive o melhor momento da carreira. Para já, assume-se como um candidato de respeito na corrida à Bota de Ouro deste Mundial.

  • Andreas Granqvist: o homem que destronou Ibrahimović

    Mundial 2018 / Suécia

    Depois de marcar o penálti que garantiu a vitória da Suécia frente à República da Coreia, Andreas Granqvist conquistou o título de homem do jogo. O capitão da equipa sueca foi também o vencedor da Bola de Ouro atribuída ao melhor futebolista sueco, em 2017, roubando o prémio ao carismático Ibrahimović, que já recebia a distinção há 10 anos consecutivos. Granqvist deu a vitória à Suécia e colocou a seleção escandinava no topo do grupo F, ao lado do México. Aos 32 anos, o defesa central é já um conhecedor dos relvados russos, já que alinha no FK Krasnodar.

  • Salto de Cristiano Ronaldo inspira dança afro-beat

    Desporto

    Uma música humorística afro-beat, publicada nas redes sociais e inspirada nos saltos de Cristiano Ronaldo quando marca golos, está a ser replicada na internet com dezenas de coreografias filmadas, muitas das quais em França.

  • Madonna esteve no Terreiro do Paço a ver o Brasil-Suíça
    0:15
  • Merkel tem duas semanas para negociar solução para crise migratória

    Mundo

    A chanceler alemã tem duas semanas para negociar com os parceiros europeus uma solução para a questão migratória e assim evitar uma crise política. O ultimato foi dado pelo CSU, o partido da Baviera que integra a coligação governamental. Ao contrário de Angela Merkel, defende uma política para os refugiados mais estrita.

  • Pai de Meghan Markle lamenta ser "nota de rodapé" no casamento real
    2:03
  • Quando as crianças fazem das suas... os pais é que pagam

    Mundo

    Quando as crianças fazem das suas, restam os pais para as castigar ou, em alguns casos, para sofrer as consequências desses atos. Quem o pode dizer é um casal norte-americano, que recebeu uma fatura de 132 mil dólares (cerca de 114 mil euros), depois de o filho ter derrubado uma estátua num centro comunitário.

    SIC