sicnot

Perfil

País

Incêndio no Marão obriga ao corte do IP4

Um incêndio de grandes proporções obrigou ao corte do trânsito no IP 4 na zona do Marão, Vila Real, disse à Lusa o comandante dos Bombeiros da Cruz branca. Segundo Orlando Matos, o forte vento que se faz sentir na região está a dificultar o combate às chamas, que estão queimar uma zona de povoamento florestal.

O avanço do fogo sobre o IP 4 está a obrigar ao reposicionamento dos meios destacados para combater as chamas, que envolvem 88 bombeiros, apoiados por 26 veículos.

Este incêndio, que deflagrou às 15:25, junta-se a um outro que está a queimar pinhal perto da Portela, também em Vila Real, e para onde foram mobilizados 75 operacionais, apoiados às 19:55 por 18 veículos e um helicóptero.

Miguel Fonseca, responsável pela proteção civil municipal e comandante dos bombeiros da Cruz Verde, referiu que este incêndio deflagrou cerca das 15:00, chegou a ser dado como dominado pelas 16:00, só que depois um novo foco obrigou a uma rápida deslocação dos meios, já que estava a arder perto de algumas habitações.

O responsável referiu que a prioridade foi defender três casas, que estavam no alinhamento do fogo, o que fez com que a cabeça do incêndio ganhasse dimensão.

A estrada municipal que liga Vila Real ao Peso da Régua foi cortada para trabalhos de combate e, por causa do fumo, foi também cortada uma faixa de rodagem da autoestrada A24.

Lusa

  • António Costa evita perguntas sobre estágios não remunerados
    1:55
  • "É evidente que não fecho a porta ao Eurogrupo"
    1:38

    Economia

    O ministro das Finanças diz que não fecha a porta ao Eurogrupo. A declaração é feita numa entrevista ao semanário Expresso. No entanto, Mário Centeno deixa a ressalva que qualquer ministro das Finanças do Eurogrupo pode ser presidente.

  • Trump adia decisão sobre permanência nos acordos de Paris
    1:48
  • Raízes de ciência e rebentos de esperança
    14:14
  • Portugal pode ser atingido por longos períodos de seca

    País

    Portugal e Espanha podem ser atingidos até 2100 por 'megasecas', períodos de seca de dez ou mais anos, segundo os piores cenários traçados num estudo da universidade britânica Newcastle, que tem a participação de uma investigadora portuguesa.