sicnot

Perfil

País

Líder da concelhia de Lisboa demite-se contra estratégia do PSD para autárquicas

O presidente da concelhia de Lisboa do PSD, Mauro Xavier, demitiu-se do cargo por discordar da estratégia do partido para a capital, onde Teresa Leal Coelho é a candidata social-democrata às eleições autárquicas.

Em declarações à agência Lusa, Mauro Xavier justificou a sua demissão com "divergências estratégicas e programáticas" relativamente às eleições autárquicas para Lisboa e considerou que "este não é o projeto que faria sentido" para a capital.

A demissão "prende-se sobretudo com divergências estratégicas e programáticas e, já que existe essa divergência, temos de respeitar os órgãos. É tempo de o partido se manter unido. Decidi sair porque acho que é o melhor serviço que faço ao partido", acrescentou Mauro Xavier, que desde o início manifestou discordância relativamente ao processo de escolha do candidato social-democrata à Câmara de Lisboa.

Sublinhando que o combate se deve centrar "na oposição ao Fernando Medina e não nas divergências internas do PSD", Mauro Xavier explica que a sua demissão "não tem que ver nem com a forma como o nome foi escolhido, nem com o nome em si próprio".

"Eu entendia que já deveríamos ter candidato a um ano antes das eleições e temos um candidato a seis meses das eleições", afirmou, lembrando que as divergências têm que ver "com a discussão do programa que irá ser apresentado à cidade e com o contributo que o PSD de Lisboa possa ter nesse processo".

Mauro Xavier mostra-se disponível para "colaborar enquanto militante base" e diz que "enquanto presidente [da concelhia] não faz sentido".

"Se eu não concordo com o calendário, não concordo com a estratégia não faz sentido liderar a ação no terreno", conclui.

Na carta que divulgou na sua página no Facebook, Mauro Xavier escreve: "Com a escolha da candidata à Camara Municipal de Lisboa terminou um longo ciclo de oposição em que tive o privilégio de participar".

"São conhecidas as minhas diferenças de opinião relativamente à condução deste processo e mesmo a minha divergência em relação à atual liderança, mas isso em nada condicionou o meu empenho e vontade de vencer Lisboa", acrescenta.

Diz ainda não ser dos que partilha de uma "visão catastrofista destas eleições".
"Pelo contrário. Somos o Partido Social Democrata. Temos todas as possibilidades de vencer estas eleições. Mais do que isso. Temos o dever e a responsabilidade histórica de vencer estas eleições", afirma.

O nome da vice-presidente do PSD para candidata do partido à Câmara de Lisboa foi aprovado em março pela distrital de Lisboa do partido. Teresa Leal Coelho foi escolhida com 23 votos a favor, dois votos em branco e um contra.

  • Encontrada criança britânica desaparecida na praia da Luz

    País

    Foi encontrada a criança britânica que estava desaparecida desde o início da tarde, avançaram as autoridades. A Polícia Marítima tinha sido informada do desaparecimento de um rapaz de 8 anos, de nacionalidade inglesa, tendo efetuado diligências nas proximidades da praia algarvia.

    Em atualização

  • Marcelo pede "serenidade e cabeça fria" no debate político
    1:29
  • Seca agrava prejuízos agrícolas no Alentejo
    2:11
  • Al Gore e Garry Kasparov vão estar na Web Summit

    Web Summit

    Al Gore, antigo vice-Presidente dos Estados Unidos da América, Garry Kasparov, lendário jogador de xadrez, e Steve Huffman, o dirigente e cofundador da rede social Reddit são os novos nomes anunciados para a 2.ª Web Summit em Lisboa.

  • Estudantes universitários poderiam estar a pagar propinas mais baixas
    2:02

    País

    Os alunos universtários poderiam estar a pagar propinas mais baixas do que pagam atualmente. A situação foi denunciada pela Federação Académica do Porto, que diz que os estudantes estão a pagar cerca de 100 euros a mais do que deviam. O INE admite, num documento enviado ao Governo, que pode existir um método melhor para o cálculo destes valores.

  • Liberdade de movimento entre UE e Reino Unido termina em março de 2019

    Brexit

    A liberdade dos cidadãos europeus para viver e trabalhar no Reino Unido vai terminar, em março de 2019. O Governo britânico pediu esta quarta-feira um estudo de um ano sobre a migração europeia no país, de modo a ajudar no sistema de imigração que será implementado. A avaliação vai estar concluída em setembro, de 2018, seis meses antes da conclusão do Brexit.