sicnot

Perfil

País

Líder da concelhia de Lisboa demite-se contra estratégia do PSD para autárquicas

O presidente da concelhia de Lisboa do PSD, Mauro Xavier, demitiu-se do cargo por discordar da estratégia do partido para a capital, onde Teresa Leal Coelho é a candidata social-democrata às eleições autárquicas.

Em declarações à agência Lusa, Mauro Xavier justificou a sua demissão com "divergências estratégicas e programáticas" relativamente às eleições autárquicas para Lisboa e considerou que "este não é o projeto que faria sentido" para a capital.

A demissão "prende-se sobretudo com divergências estratégicas e programáticas e, já que existe essa divergência, temos de respeitar os órgãos. É tempo de o partido se manter unido. Decidi sair porque acho que é o melhor serviço que faço ao partido", acrescentou Mauro Xavier, que desde o início manifestou discordância relativamente ao processo de escolha do candidato social-democrata à Câmara de Lisboa.

Sublinhando que o combate se deve centrar "na oposição ao Fernando Medina e não nas divergências internas do PSD", Mauro Xavier explica que a sua demissão "não tem que ver nem com a forma como o nome foi escolhido, nem com o nome em si próprio".

"Eu entendia que já deveríamos ter candidato a um ano antes das eleições e temos um candidato a seis meses das eleições", afirmou, lembrando que as divergências têm que ver "com a discussão do programa que irá ser apresentado à cidade e com o contributo que o PSD de Lisboa possa ter nesse processo".

Mauro Xavier mostra-se disponível para "colaborar enquanto militante base" e diz que "enquanto presidente [da concelhia] não faz sentido".

"Se eu não concordo com o calendário, não concordo com a estratégia não faz sentido liderar a ação no terreno", conclui.

Na carta que divulgou na sua página no Facebook, Mauro Xavier escreve: "Com a escolha da candidata à Camara Municipal de Lisboa terminou um longo ciclo de oposição em que tive o privilégio de participar".

"São conhecidas as minhas diferenças de opinião relativamente à condução deste processo e mesmo a minha divergência em relação à atual liderança, mas isso em nada condicionou o meu empenho e vontade de vencer Lisboa", acrescenta.

Diz ainda não ser dos que partilha de uma "visão catastrofista destas eleições".
"Pelo contrário. Somos o Partido Social Democrata. Temos todas as possibilidades de vencer estas eleições. Mais do que isso. Temos o dever e a responsabilidade histórica de vencer estas eleições", afirma.

O nome da vice-presidente do PSD para candidata do partido à Câmara de Lisboa foi aprovado em março pela distrital de Lisboa do partido. Teresa Leal Coelho foi escolhida com 23 votos a favor, dois votos em branco e um contra.

  • Marinha e Exército dão luz verde ao Aeroporto do Montijo

    País

    De acordo com a edição deste domingo do Diário de Notícias, o Exército e a Marinha já comunicaram à Força Aérea disponibilidade para desocupar parcialmente a base aérea e o Montijo se transformar num num aeroporto complementar ao de Lisboa.

  • Militares tentam acabar com guerra entre traficantes na Rocinha, Rio de Janeiro
    3:07

    Mundo

    As últimas horas têm sido de tensão no Rio de Janeiro depois dos tiroteios que começaram desde que uma das principais favelas da cidade foi ocupada por militares na sexta-feira. As forças federais foram acionadas para auxiliarem a polícia, que há vários dias tenta acabar com a guerra entre fações de traficantes de droga.

  • Irão lança míssil de médio alcance
    1:13

    Mundo

    Três dias depois do discurso hostil de Donald Trump nas Nações Unidas, o Irão testou um novo míssil de médio alcance que atingiu uma altura de dois mil quilómetros. Teerão diz que o teste não viola o acordo nuclear.

  • Trump renovou as ameaças à Coreia do Norte
    1:30
  • Atrás das Câmaras em Pedrógão Grande
    3:37
    Atrás das Câmaras

    Atrás das Câmaras

    DIARIAMENTE NA SIC E SIC NOTÍCIAS

    A carrinha do "Atrás das Câmaras" continua pelo país a mostrar aquilo que alguns políticos ignoram. Este sábado a equipa da SIC esteve em Pedrógão Grande, 99 dias após o incêndio que fez 64 mortos e 200 feridos.

  • Morreu Charles Bradley, uma das lendas do soul

    Cultura

    O cantor Charles Bradley morreu este sábado aos 68 anos. O músico norte-americano foi diagnosticado com cancro no ano passado. A notícia da morte foi confirmada na página oficial do cantor no Facebook.