sicnot

Perfil

País

Polícias protestam em Lisboa e entregam reivindicações a António Costa

MIGUEL A. LOPES

Cerca de 200 polícias participam esta quinta-feira num "desfile de protesto", em Lisboa, para entregar ao primeiro-ministro um documento reivindicativo com os principais problemas do setor.

Organizado pela Associação Sindical dos Profissionais da Polícia (ASPP/PSP), o "desfile de protesto" realiza-se entre o Jardim de Santos e a residência do primeiro-ministro, contando com a presença de delegados e dirigentes da ASPP/PSP que participaram hoje à tarde numa assembleia-geral onde aprovaram o documento reivindicativo que vão entregar a António Costa.

Entre as principais reivindicações estão a conclusão dos concursos de promoção de polícias abertos em 2016 para todas as categorias, a publicação das listas de antiguidades e dos 800 profissionais que reúnem os requisitos para a pré-aposentação, disse aos jornalistas o presidente da ASPP/PSP.

Paulo Rodrigues adiantou que os polícias exigem também o cumprimento na totalidade do estatuto profissional da PSP, como a "rápida homologação das avaliações de 2016", uma vez que o aumento dos dias de férias só se pode concretizar através desta via.

Estas são as questões que a ASP/PSP quer que o Governo resolva até junho, caso contrário Paulo Rodrigues avançou que serão feitas várias ações de luta, podendo passar por uma grande manifestação de polícias.

Outros problemas do setor estão relacionados com a operacionalidade da PSP, nomeadamente a falta de equipamentos, viaturas e falta de condições nas instalações policiais.

A ASPP/PSP entende que estas questões operacionais têm de começar a ser solucionadas durante o ano de 2017.

Lusa

  • Marcelo de volta a casa após diagnóstico de gastroenterite aguda
    3:37
  • "Todas as decisões que tomei foi sempre a pensar no Sporting primeiro"
    2:08
  • Saransk tanto anseia por Ronaldo que até lhe fizeram um vídeo e uma música
    3:07
  • Portugal quer atrair imigrantes
    1:28

    País

    O Governo prepara-se para regularizar a situação de 30 mil imigrantes ilegais que vivem em Portugal. De acordo com a edição deste sábado do semanário Expresso, o Executivo pretende também abrir portas a 75 mil novos imigrantes por ano.