sicnot

Perfil

País

Quem não sabe do boletim de vacinas pode informar-se no centro de saúde

Os utentes que não sabem do seu boletim de vacinas podem seguir o rasto da sua atividade vacinal consultando o centro de saúde onde as receberam e que tem esse registo, segundo fonte da Direção-Geral da Saúde (DGS).

Teresa Fernandes, da Direção de Serviços da Prevenção e Promoção da Saúde da DGS, disse à agência Lusa que quando um utente não sabe onde está o seu boletim de vacinas deve consultar o centro de saúde onde as recebeu.


Essa unidade de saúde tem o registo da vacinação dos utentes, inicialmente recolhido em papel e mais tarde em suporte informático.


No caso dos utentes mudarem de centro de saúde, a nova unidade deve solicitar àquela onde as vacinas foram administradas a informação sobre a atividade vacinal do utente.


Em relação ao sarampo, doença que regista um surto epidémico em Portugal, onde 21 pessoas estão confirmadas como infetadas com o vírus (Morbillivirus measles), Teresa Fernandes esclareceu que as pessoas que nasceram antes de 1970 são consideradas inócuas, pois tiveram sarampo ou contacto com a doença.


Os nascidos após 1970, e para os casos de utentes que não tiveram a doença e não receberam ainda a vacina, é recomendada a vacinação, adiantou Teresa Fernandes, que pertence à equipa de coordenação do Programa Nacional de Vacinação.


O Boletim Individual de Saúde - Registo de Vacinações, conhecido como boletim de vacinas, assinala todas as vacinas administradas desde o nascimento da pessoa.


Na altura do nascimento de uma criança é entregue aos pais juntamente com o Boletim de Saúde Infantil e Juvenil que se destina ao registo dos factos mais importantes relacionados com a saúde da criança e do jovem.


Até ao final do ano, os boletins de vacinas vão passar a ser digitais para a globalidade da população, o que permitirá o registo eletrónico e possibilitará a qualquer médico aceder à vacinação de um utente em todo o Serviço Nacional de Saúde (SNS).

Lusa

  • Mais de 1.100 já assinaram petição em defesa da vacinação obrigatória

    Surto de sarampo

    Uma petição a defender a vacinação obrigatória já recolheu mais de 1.100 assinaturas, segundo o documento divulgado no site Petição Pública. No texto da petição, que aparece no topo da lista das últimas petições criadas no site, os signatários defendem que "é cada vez mais importante alertar as pessoas para a necessidade de vacinar as crianças", depois de na quarta-feira ter sido conhecida em Portugal a primeira morte por sarampo, de uma jovem de 17 anos que não estava vacinada.

  • Alguns pais recusam vacinar os filhos em nome da saúde
    3:23

    Surto de sarampo

    As autoridades de saúde insistem que a vacinação é essencial e pode travar o problema de sarampo. Contudo, há pais que recusam vacinar os filhos e defendem que esta é também uma escolha em nome da saúde das crianças. Será constitucional se o Governo entender tornar obrigatório o Plano Nacional de Vacinas? O constitucionalista ouvido pela SIC entende que sim, e defende que a obrigatoriedade pode até ser um dever do próprio Estado.

  • "É um dever dos pais vacinar as crianças"
    7:40

    Surto de sarampo

    A jovem de 17 anos que estava internada com sarampo no Hospital Dª Estefânia morreu esta quarta-feira. A adolescente não era vacinada contra o sarampo nem tinha tomado a maioria das vacinas que fazem parte do Plano Nacional. O diretor-geral de Saúde esteve no Jornal da Noite desta quarta-feira para falar sobre o caso e sobre o surto que assola vários países europeus. Francisco George considera que a vacinação dos menores é um "dever dos pais" e defende que há "uma questão de interesse social".

  • Os números das eleições francesas
    0:50

    Eleições França 2017

    Os resultados definitivos mostram que Emmanuel Macron obteve 24% dos votos, na primeira volta das eleições francesas. Ficou quase três pontos à frente de Marine Le Pen, que conseguiu 21,3%. Os números oficiais, publicados pelo Ministério do Interior, dão ainda conta da taxa de abstenção: 22,2%, um ligeiro aumento face à primeira volta das presidenciais de 2012.

  • ASAE encerra em média um restaurante por dia
    1:33
  • Grupo de brasileiros em assalto milionário no Paraguai
    1:24