sicnot

Perfil

País

Mais de 360 detidos esta semana, maioria por conduzir sob efeito de álcool

(Lusa/Arquivo)

PAULO CUNHA

Mais de 360 pessoas foram detidas esta semana, a maioria por condução sob o efeito de álcool, segundo a Guarda Nacional Republicana (GNR).

No conjunto de operações desenvolvidas pela GNR além da atividade diária e que visaram a prevenção e combate à criminalidade violenta e fiscalização rodoviária, foram detidas 134 pessoas por condução sob efeito do álcool, 72 por conduzirem sem habilitação legal e 17 por tráfico de droga.

Outras 11 foram detidas por posse ilegal de arma e sete por furto, acrescenta a GNR, em comunicado.

Nestas operações, que decorreram entre os dias 14 e 20 de abril, foram detetadas 8.957 infrações rodoviárias, entre as quais 4.259 excessos de velocidade, 353 por falta de inspeção periódica obrigatória e 330 por condução com taxa de álcool no sangue superior ao permitido por lei.

Foram igualmente registadas 320 infrações por incorreta utilização do cinto de segurança e/ou cadeirinhas para crianças, 315 relacionadas com tacógrafos e 301 por uso de telemóvel durante a condução.

No âmbito do combate à criminalidade, a GNR apreendeu 994 doses de haxixe, 84 de cocaína, 13 armas de fogo, 397 munições de vários calibres, 17 armas brancas, 13 veículos, 111 quilos de folha de tabaco, 1.197 artigos contrafeitos e 1.207 euros em numerário.

Lusa

  • Mação volta a enfrentar dias de pânico
    3:33
  • Fogo obrigou à evacuação de 6 aldeias do concelho do Sardoal
    1:56

    País

    O incêndio que chegou ao Sardoal obrigou à evacuação de seis aldeias. As pessoas foram encaminhadas para as instalações da Santa Casa da Misericórdia e vão regressando ao longo do dia de hoje. A A23 foi reaberta de madrugada, depois de ter estado várias horas cortada nos dois sentidos .

  • Detida no Brasil portuguesa acusada de várias burlas nos últimos 20 anos
    3:04

    Mundo

    A Polícia do Rio de Janeiro deteve uma portuguesa acusada de várias burlas nos últimos 20 anos. Ana Resende fazia-se passar por funcionária do consulado e prometia vistos e outros documentos para tirar dinheiro das vítimas. Esta é a terceira vez que a polícia brasileira detém a portuguesa por acusações de burla.