sicnot

Perfil

País

Palácio Calheta é "casa" do MUDE até fevereiro

O Palácio Calheta, em Lisboa, acolhe até fevereiro três exposições do Museu do Design e da Moda no âmbito da programação "MUDE Fora de Portas", tornando-se assim a "casa" daquela instituição até à reabertura das suas instalações na Baixa.

"De hoje até ao final de fevereiro de 2018, o MUDE fica no Palácio Calheta e, no final desta programação, regressamos à rua Augusta", anunciou esta sexta-feira a diretora do Museu, durante uma visita à exposição "Novo Mundo - Visões através da Bienal Iberoamericana de Diseño. 2008-2016", que é inaugurada no sábado.

O Palácio dos Condes da Calheta acolhe as iniciativas do MUDE no âmbito de um protocolo celebrado entre aquela instituição e a Universidade de Lisboa.

Além da mostra "Novo Mundo - Visões através da Bienal Iberoamericana de Diseño. 2008-2016", que estará patente até 02 de julho, o Palácio irá acolher também as exposições "Como se pronuncia Design em português: Brasil Hoje" e "Tanto Mar. Fluxos transatlânticos pelo design".

O Palácio Calheta faz parte do antigo Instituto de Investigação Cientifica Tropical que, desde 1 de agosto de 2015, passou a integrar a Universidade de Lisboa.

O MUDE encerrou em de maio do ano passado para obras de requalificação integral do edifício de oito pisos, mas continuou a atividade numa programação de exposições, dentro e fora da capital.

Inaugurado em 2009, com base na Coleção Francisco Capelo, o museu recebeu, até à data de encerramento, mais de 1.920.500 visitantes, apresentou 58 exposições, 177 eventos e 39 edições relacionadas com o seu acervo de moda e design.

O acervo do MUDE ganhou, nestes sete anos de existência, mais de 800 novas peças para incorporação, sobretudo doações na área do design e da moda de criadores portugueses.

Lusa

  • Captura ilegal de cavalos-marinhos na Ria Formosa
    3:02

    País

    Há cada vez menos cavalos marinhos na Ria Formosa. Cientistas da Universidade do Algarve dizem que a maior população desta espécie no mundo, que é a que existe na Ria Formosa, está ameaçada devido à captura ilegal para o mercado asiático. Dizem que, se nada for feito para travar este fenómeno, esta espécie protegida pode desaparecer em poucos anos.