sicnot

Perfil

País

Palácio Calheta é "casa" do MUDE até fevereiro

O Palácio Calheta, em Lisboa, acolhe até fevereiro três exposições do Museu do Design e da Moda no âmbito da programação "MUDE Fora de Portas", tornando-se assim a "casa" daquela instituição até à reabertura das suas instalações na Baixa.

"De hoje até ao final de fevereiro de 2018, o MUDE fica no Palácio Calheta e, no final desta programação, regressamos à rua Augusta", anunciou esta sexta-feira a diretora do Museu, durante uma visita à exposição "Novo Mundo - Visões através da Bienal Iberoamericana de Diseño. 2008-2016", que é inaugurada no sábado.

O Palácio dos Condes da Calheta acolhe as iniciativas do MUDE no âmbito de um protocolo celebrado entre aquela instituição e a Universidade de Lisboa.

Além da mostra "Novo Mundo - Visões através da Bienal Iberoamericana de Diseño. 2008-2016", que estará patente até 02 de julho, o Palácio irá acolher também as exposições "Como se pronuncia Design em português: Brasil Hoje" e "Tanto Mar. Fluxos transatlânticos pelo design".

O Palácio Calheta faz parte do antigo Instituto de Investigação Cientifica Tropical que, desde 1 de agosto de 2015, passou a integrar a Universidade de Lisboa.

O MUDE encerrou em de maio do ano passado para obras de requalificação integral do edifício de oito pisos, mas continuou a atividade numa programação de exposições, dentro e fora da capital.

Inaugurado em 2009, com base na Coleção Francisco Capelo, o museu recebeu, até à data de encerramento, mais de 1.920.500 visitantes, apresentou 58 exposições, 177 eventos e 39 edições relacionadas com o seu acervo de moda e design.

O acervo do MUDE ganhou, nestes sete anos de existência, mais de 800 novas peças para incorporação, sobretudo doações na área do design e da moda de criadores portugueses.

Lusa

  • Os efeitos dos incêndios na natureza
    2:46

    País

    Cheias frequentes, erosão dos solos e contaminação dos rios e albufeiras são as previsões unânimes da comunidade científica para os próximos tempos, na sequência dos incêndios florestais. À SIC, o hidrobiólogo Adriano Bordalo Sá e o investigador de recursos florestais Rui Cortes alertam: é necessário começar a tratar da terra queimada o mais rapidamente possível.

  • Número de vítimas mortais dos incêndios sobe para 45

    País

    Uma pessoa que estava internada no Hospital da Prelada, Porto, na sequência dos incêndios do dia 15 nas regiões Centro e Norte, morreu hoje, anunciou a unidade hospitalar, subindo assim para 45 o número de vítimas mortais daqueles fogos.

  • "Isto é quase como uma faca nas costas"
    0:40
  • Achado inédito encontrado na nau de Vasco da Gama naufragada em Omã

    Mundo

    Uma equipa de investigadores afirma ter encontrado, ao largo da costa de Omã, o mais antigo instrumento de navegação alguma vez descoberto. O achado arqueológico é um astrolábio e terá sido localizado no meio do que resta da nau Esmeralda, da frota de Vasco da Gama, naufragada no Oceano Índico em 1503.

    SIC

  • Eurodeputados homenageiam vítimas dos fogos
    1:38

    País

    A União Europeia vai doar os 50 mil euros do prémio Princesa das Astúrias às populações afetadas pelos incêndios em Portugal e Espanha. A Comissão Europeia continua a avaliar o pedido ao Fundo Europeu de Solidariedade, mas o pedido deverá ainda ser atualizado para incluir os prejuízos causados pelos incêndios da semana passada.