sicnot

Perfil

País

Parlamento condena perseguições à população LGBT na Chechénia, PCP abstém-se

ANT\303\223NIO PEDRO SANTOS

O parlamento português aprovou esta sexta-feira um voto de condenação pela perseguição da população lésbica, gay, bissexual e transgénero (LGBT) na Chechénia, do qual o PCP se absteve.

O voto de condenação apresentado pelo BE foi aprovado com os votos favoráveis de todos os partidos, com exceção do grupo parlamentar comunista, que se absteve, justificando numa declaração de voto escrita que, "não tendo sido possível confirmar os factos invocados" não pôde acompanhar uma iniciativa que se funda no que tem sido noticiado pela comunicação social internacional.

O sentido de voto do PCP provocou ruído de protesto no hemiciclo, sendo audível o aparte parlamentar: "No PCP não há 'gays'".

Esta frase, cuja autoria a Lusa não conseguiu determinar, retomava a intervenção do líder parlamentar do BE, Pedro Filipe Soares, que tinha ilustrado a situação da comunidade LGBT na Chechénia com a afirmação do seu primeiro-ministro, segundo o qual não há qualquer perseguição aos homossexuais no país porque lá não há homossexuais.

O texto do voto faz referência à criação de um campo de concentração para a população LGBT, pelo Governo da República da Chechénia, região autónoma integrada na Federação Russa, noticiado em vários órgãos de comunicação social internacional, e refere também "relatos de vítimas e denúncias de grupos russos de defesa dos direitos de humanos".

Segundo esses relatos, "dezenas de homossexuais foram detidos e mantidos em cativeiro num antigo quartel militar na cidade chechena de Argun, onde são torturados por espancamento e com recurso a choques elétricos", havendo registo de três mortes.

"Este atentado aos direitos humanos enquadra-se numa política mais geral de perseguição continuada à população LGBT" naquele território, sublinha-se no voto.

Numa intervenção de apoio aquela condenação, o socialista Paulo Trigo Pereira sublinhou a posição da Alta representante da Política Externa da União Europeia, Federica Mogherini que, afirmou, "disse ser indispensável levar a cabo investigações eficazes exaustivas sobre informações de sequestros e assassinatos na República da Chechénia".

Na terça-feira, centenas de pessoas concentraram-se junto à embaixada da Rússia, em Lisboa, para contestar a "perseguição a homossexuais" na Chechénia e exigir às autoridades portuguesas uma "pressão internacional e diplomática" para exigir o respeito pelos direitos humanos.

No protesto participaram as deputadas do PS Isabel Moreira e do Bloco de Esquerda Isabel Pires e Sandra Cunha, além do candidato bloquista à Câmara de Lisboa, Ricardo Robles.

No final de março último, um inquérito publicado pelo jornal independente russo Novaia Gazeta revelou que os homossexuais se tornaram um alvo das autoridades da Chechénia, uma sociedade conservadora onde a homossexualidade, considerada um tabu, é um crime passível de morte na maioria das famílias.

De acordo com o jornal, as autoridades locais prenderam mais de cem homossexuais e incitaram as respetivas famílias a matá-los para "lavar a sua honra".

De acordo com a Novaia Gazeta, pelo menos duas pessoas foram assassinadas pelos seus familiares e uma terceira morreu em consequência de atos de tortura.

Alguns homossexuais que fugiram da Chechénia para Moscovo afirmaram à agência France Presse que foram espancados e detidos numa "prisão não oficial" e vivem hoje com medo de serem identificados e capturados pelas respetivas famílias.

Foi aberto um inquérito pelo Ministério Público russo na passada segunda-feira, que fez saber não ter recebido "qualquer queixa oficial" de eventuais vítimas.

Lusa

  • Homossexuais raptados e torturados na Chechénia

    Mundo

    A Amnistia Internacional exortou na quarta-feira as autoridades russas para que investiguem as alegadas práticas de rapto e tortura de homossexuais na Chechénia, tendo lançado uma petição a exigir que os responsáveis sejam levados à justiça.

  • Catalunha vs Espanha
    29:35

    Grande Reportagem SIC

    2017 ficará como o ano da Catalunha e de como a região espanhola foi falada em todo o mundo, por causa do grito de independência que não aconteceu. O jornalista Henrique Cymerman esteve na Catalunha e foi um dos poucos repórteres do mundo que conseguiu chegar ao esconderijo do presidente demissionário do Governo catalão, Carles Puigdemont, em Bruxelas.