sicnot

Perfil

País

Avião com paraquedistas que se desintegrou no Alentejo tinha falhas graves na estrutura

A investigação ao acidente com o avião Pilatus PC6, que se desintegrou no Alentejo em junho de 2016 com paraquedistas, causando a morte ao piloto, detetou desgaste e fissuras em componentes estruturais relevantes, indica o relatório preliminar divulgado esta quarta-feira.

"Foram reportados desgaste e fissuras na fixação do compensador do estabilizador e nos componentes estruturais relevantes nos aviões que realizaram o boletim de serviço emitido pela Pilatus", refere o relatório preliminar publicado na página da Internet do Gabinete de Prevenção e Investigação de Acidentes com Aeronaves e de Acidentes Ferroviários (GPIAAF).

Uma investigação desencadeada após o acidente, ocorrido a 19 de junho de 2016, depois de a aeronave ter descolado do Aeródromo de Figueira de Cavaleiros, Canhestros, em Beja, com o piloto e sete paraquedistas, "identificou que a instalação ligeiramente assimétrica e/ou condições de operação podem resultar em vibração forte do estabilizador, causando o início de fissuras no acessório de fixação do compensador do estabilizador ou peça de ligação".

"Esta condição, se não for detetada e corrigida, pode levar a uma falha da peça de ligação ou conexão, possivelmente resultando na desunião da fixação traseira do estabilizador horizontal, com consequente perda de controlo do avião", sublinha o relatório preliminar.

Na tarde de 19 de Junho de 2016, uma aeronave Pilatus PC-6, operada pela companhia Aero Vip, descolou para a sua 17.ª larga de paraquedistas nesse dia, com oito pessoas a bordo: o piloto, cinco paraquedistas e dois passageiros que saltaram presos a outros dois paraquedistas.

"A aeronave, depois da falha de um componente/sistema, perdeu o controlo em voo e desintegrou-se", adianta o relatório preliminar do GPIAAF.

"De acordo com alguns dos paraquedistas do grupo, ouviu-se um som semelhante ao de partir/rasgar da estrutura de metal, sendo a aeronave submetida a uma guinada instantânea de nariz em cima e de rotação para o lado direito com grande instabilidade de voo. Subitamente toda a parte traseira da estrutura desintegrou-se", descreve a investigação.

Do acidente resultou a morte do piloto, de 27 anos e de nacionalidade belga, que, segundo a investigação, não conseguiu acionar o seu paraquedas "e não usava um paraquedas de emergência com um mecanismo automático de abertura barométrica".

"De acordo com o relato, alguns ocupantes foram projetados contra a estrutura da aeronave antes de serem arremessados para fora. Nos segundos seguintes os paraquedistas que não sofreram lesões graves, conseguiram saltar do avião e acionar os respetivos paraquedas tendo dois deles sofrido lesões graves antes de saírem da aeronave, sendo acionado o paraquedas de emergência de abertura barométrica", relata o relatório preliminar.

Os fragmentos das partes do avião foram encontrados numa extensão de aproximadamente 1.500 metros, dispersos e numa faixa de cerca de 500 metros.

Lusa

  • Piloto morre em queda de aeronave em Ferreira do Alentejo
    3:43

    País

    Um acidente com uma aeronave em Figueira dos Cavaleiros, concelho de Ferreira do Alentejo, fez um morto e sete feridos, três deles com gravidade. A GNR e os bombeiros responderam a um alerta já depois das sete da tarde deste domingo, indicando que o avião de uma escola de paraquedismo começou a desfragmentar-se no ar e acabou por cair na zona de Canhestros. A vítima mortal é o piloto. Um dos feridos graves teve que ser transportado para o Hospital de São José, em Lisboa. Para o local, foram enviados duas dezenas de veículos de socorro, entre bombeiros, GNR e meios do INEM, incluindo um helicóptero para transportar um dos ocupantes, que esteve desaparecido e está em estado grave. A GNR delimitou a área estabelecendo um perímetro de segurança no sítio onde estão os destroços do aparelho. Manuel Reis, vereador da Câmara Municipal de Ferreira do Alentejo diz que ainda não se sabe o que terá estado na origem do acidente.

  • "É evidente que não fecho a porta ao Eurogrupo"
    1:38

    Economia

    O ministro das Finanças diz que não fecha a porta ao Eurogrupo. A declaração é feita numa entrevista ao semanário Expresso. No entanto, Mário Centeno deixa a ressalva que qualquer ministro das Finanças do Eurogrupo pode ser presidente.

  • Com a multiplicação de bons indicadores económicos e financeiros do país, multiplicam-se os elogios ao Governo e declaram-se mortas e enterradas as políticas do passado recente, nomeadamente a da austeridade. Nada mais errado. O que os bons resultados agora alcançados provam definitivamente é que a austeridade resolveu de facto os problemas das contas públicas e, mais do que isso, contribuiu para o crescimento económico que foi garantido por reformas estruturais e pela reorientação do modelo económico.

    José Gomes Ferreira

  • Raízes de ciência e rebentos de esperança
    14:14
  • Portugal pode ser atingido por longos períodos de seca

    País

    Portugal e Espanha podem ser atingidos até 2100 por 'megasecas', períodos de seca de dez ou mais anos, segundo os piores cenários traçados num estudo da universidade britânica Newcastle, que tem a participação de uma investigadora portuguesa.

  • G7 reforça compromisso na luta contra o terrorismo
    2:11