sicnot

Perfil

País

EUA garantem que não vão sair nem diminuir presença na Base das Lajes

Kevin Lamarque

A encarregada de negócios da embaixada dos Estados Unidos em Lisboa, Herro Mustafa, garantiu esta quinta-feira que os militares norte-americanos não vão sair nem diminuir a sua presença na Base Aérea das Lajes, nos Açores.

"Em absoluto, não! Não estamos a pensar em sair nem em diminuir a nossa presença na Base das Lajes. Em absoluto! Anunciámos recentemente que iríamos fazer um investimento de nove milhões de dólares em projetos de modernização nas Lajes. Continuamos a pensar em formas de renovar, mesmo diminuindo o número de pessoal, no interior da base", disse a diplomata norte-americana aos jornalistas no final de um almoço organizado pela Câmara do Comércio Americana em Portugal.

Herro Mustafa também referiu que os Estados Unidos estão a trabalhar com o Governo Regional dos Açores e com o Governo português para "expandir a colaboração na região" em projetos no exterior da base.

"Já estive três vezes nos Açores, em ilhas diferentes, encontrei-me com os vossos ministros e discutimos formas de melhorar a nossa colaboração. Temos uma lista de projetos sobre os quais concordámos em trabalhar em conjunto", disse a responsável.

"Temos também de garantir que quando olhamos para os Açores, olhamos para todas as ilhas e que, em conjunto, podemos fazer tudo ao nosso alcance para tentar ajudar a economia da região", realçou.

A encarregada de negócios deu ainda alguns exemplos concretos sobre o tipo de ajuda à economia local, nomeadamente na formação a empresários açorianos, intercâmbio de estudantes e projetos no setor da pesca sustentável. "Vamos continuar a fazer isso", sublinhou.

Em janeiro de 2015, ainda na administração de Barack Obama, os EUA tinham anunciaram que iriam proceder a uma redução gradual dos trabalhadores portugueses na base das Lajes, de 900 para 400 pessoas e que os civis e militares norte-americanos iriam passar de 650 para 165.

Herro Mustafa é ministra Conselheira da Embaixada Americana em Lisboa desde julho de 2016, tendo assumido o cargo de Encarregada de Negócios em janeiro deste ano.

A embaixada dos Estados Unidos em Lisboa está sem embaixador desde que Robert Sherman cessou funções, a 20 de janeiro, por motivo da investidura do novo Presidente norte-americano, Donald Trump.

A encarregada de Negócios disse desconhecer quando será nomeado um novo embaixador para Lisboa, mas garantiu que "o processo está a decorrer".

"A nova administração está a analisar todos os embaixadores de nomeação política e já começou o processo que consiste em analisar e vetar candidatos", concluiu.

Lusa

  • Principais factos da acusação no caso BPN dados como provados

    País

    O coletivo de juízes responsável pelo julgamento do processo principal do caso BPN interrompeu perto das 13:00 a leitura do acórdão iniciada pelas 10:30. Os principais factos da acusação são dados como provados, mas a leitura deverá demorar algumas horas.

  • Greve na Função Pública vai afetar escolas, saúde e cultura

    País

    A greve nacional convocada para sexta-feira pela Federação Nacional dos Sindicatos da Função Pública (FNSTFPS) deverá afetar as escolas, a área da saúde e ainda da cultura, entre outros serviços, afirmou esta quarta-feira a dirigente sindical, Ana Avoila.

  • Papa pede a Trump para ser pacificador
    1:12
  • Supremo confirma condenação de Messi por fraude fiscal

    Desporto

    O Supremo Tribunal de Justiça espanhol confirma a condenação de Lionel Messi por fraude fiscal. A notícia foi avançada pelo El País. O jogador do Barcelona foi condenado a 21 meses de prisão por três crimes fiscais que lesaram o Estado em 4,1 milhões de euros.

  • Autódromo do Estoril está ilegal há 45 anos

    Desporto

    De acordo com o Público este equipamento desportivo, inaugurado na década de 70, não tem licença de construção nem de utilização. Uma notícia que apanhou de surpresa o executivo camarário de Cascais, liderado por Carlos Carreiras.

  • Seca na Bacia do Sado exige restrições ao uso da água no Alentejo

    País

    A Agência Portuguesa do Ambiente aprovou hoje um conjunto de medidas para gestão dos recursos hídricos, definindo medidas específicas para a bacia hidrográfica do Sado, a única que se encontra em situação de seca. Além da diminuição de regas em hortas e jardins, a APA recomenda o encerramento das fontes decorativas, a proibição de encher piscinas e de lavagem de automóveis.