sicnot

Perfil

País

Arranque de rede de bicicletas partilhadas em Lisboa atrasado e sem data

© Reinhard Krause / Reuters

A Empresa Municipal de Mobilidade e Estacionamento de Lisboa (EMEL) informou esta sexta-feira que ainda não há uma data prevista para o arranque da rede de bicicletas partilhadas, depois de ter projetado iniciar a fase de testes em março.

"A instalação de infraestruturas está a ser feita para a fase de teste, no Parque das Nações, mas, dado o número de entidades envolvidas em todo o processo técnico e os prazos que cada uma delas demora para concluir a sua parte, ainda não fecharam o calendário", explica a empresa, numa resposta escrita enviada à agência Lusa.

Em meados de fevereiro passado, a EMEL divulgou que iria abrir candidaturas para os voluntários que quisessem, durante o mês de março, testar a rede de bicicletas partilhadas no Parque das Nações, fazendo depois recomendações ao projeto.

Contudo, até hoje, esta fase de testes não avançou e os inscritos para participar, assim como os convidados da empresa, ainda não receberam qualquer informação sobre o início do projeto.

Na resposta enviada à Lusa, a EMEL indica que, na passada terça-feira, "foi lançada a consulta para captação de "sponsor" do sistema".

"Depois entraremos em fase de fabrico e montagem de equipamentos para a totalidade da operação", acrescenta.

Em causa está uma rede de 1.410 bicicletas (940 elétricas e 470 convencionais) distribuídas por 140 estações: 92 no planalto central da cidade, 27 na baixa e frente ribeirinha, 15 no Parque das Nações e seis no eixo entre as avenidas Fontes Pereira de Melo e da Liberdade.

Inicialmente, avançará apenas uma fase piloto com 10 estações e um máximo de 100 bicicletas no Parque das Nações.

O investimento da EMEL no projeto é na ordem dos 23 milhões de euros, através de um contrato de prestação de serviços celebrado com a empresa portuguesa Órbita, para um período de oito anos.

De acordo com o plano de negócio do projeto, divulgado em fevereiro do ano passado, o passe anual deverá custar 36 euros e o bilhete diário dez euros, pelo que a empresa perspetiva uma receita de 897.321 euros por ano.

Relativamente à publicidade, o plano de negócio prevê a cobrança de 350 euros por bicicleta, o que deverá representar um encaixe financeiro anual superior a 400 mil euros.

Também atrasadas estão as obras para instalação de acessos suaves ao Castelo, à Sé e à Graça, que visam atenuar a topografia do terreno e as características desta zona histórica através da introdução de meios mecânicos.

Em causa estão, desde logo, escadas rolantes para ligar a praça do Martim Moniz ao Castelo de São Jorge.

A EMEL indica, também em resposta escrita enviada à Lusa, que já o troço "Escadinhas da Saúde", que ligará a porta da Mouraria à Rua Marquês Ponte de Lima, já está em obra e deverá estar pronto "no verão de 2017".

Anteriormente, a empresa apontava para o "final de 2016/início de 2017".

Paralelamente, está em curso a criação de um elevador para ligar as Escadinhas das Portas do Mar (junto ao Campo das Cebolas) ao Largo da Sé.

A empresa calculava que o equipamento estivesse operacional no verão de 2017, mas agora prevê a conclusão "durante o segundo trimestre de 2018", após as escavações arqueológicas realizadas terem originado alterações no projeto.

Quanto ao percurso da Graça, haverá um funicular a ligar a Rua dos Lagares e o Miradouro da Graça.

Para este acesso, a EMEL nunca apontou datas, estimando agora a "conclusão durante o segundo trimestre de 2018".

Também aqui, as escavações arqueológicas levaram a modificações ao projeto, uma das quais se centra em "integrar e respeitar o achado da Muralha Fernandina", segundo esta entidade.

A Câmara de Lisboa incumbiu a EMEL de construir e gerir estes meios.

Lusa

  • "Hoje vi chover lume"
    3:57
  • A Minha Outra Pátria
    29:53
  • Milhares de clientes da CGD vão pagar quase 5€/ mês por comissões de conta
    1:24

    Economia

    Milhares de clientes da Caixa Geral de Depósitos (CGD), que até aqui estavam isentos de qualquer pagamento, vão começar a pagar quase 5 euros por mês por comissões de conta. A medida abrange também reformados e pensionistas e entra em vigor já em setembro. Ainda assim, os clientes com mais de 65 anos e uma pensão inferior a 835 euros por mês continuam isentos.

  • O apelo da adolescente arrependida de ir lutar pelo Daesh

    Daesh

    Uma adolescente alemã que desapareceu da casa dos pais, no estado da Saxónia, esteve entre os vários militantes do Daesh detidos este fim de semana na cidade iraquiana de Mossul. Arrependida do rumo que deu à sua vida, deixou um apelo emocionado em que expressa, repetidamente, a vontade de "fugir" e voltar para casa.

    SIC