sicnot

Perfil

País

Autoridades estão a fazer o que podem para ajudar os portugueses na Venezuela

JOS\303\211 COELHO

O Presidente da República disse esta sexta-feira que se percebe que as autoridades de Portugal estão a fazer o que podem e o que não podem para ajudar os portugueses na Venezuela, mas para serem eficazes não o podem "apregoar".

"Uma coisa é fazer isso, outra coisa é andar a anunciar nos jornais o que se faz e, para se ser eficaz, não se pode anunciar o que se faz", afirmou o chefe de Estado, Marcelo Rebelo de Sousa, à margem de uma visita à Feira Nacional de Olivicultura, em Valpaços, no distrito de Vila Real.

O Presidente da República lembrou que estão em causa vidas de muitos portugueses, portanto, tem de haver muito cuidado sobre o que se diz da situação daquele país.

"Há duas maneiras de fazer política, uma é apregoar que se vai fazer qualquer coisa e depois acaba-se por não fazer, outra coisa é tentar fazer o que é possível sem andar nos jornais a colocar parangonas sobre o que se está a fazer", frisou.

Os portugueses que estão lá estão em contacto com a realidade social, económica e politica venezuelana, acrescentou, sublinhando que estão em pequenas e médias lojas e comércio de rua, daí a necessidade de cuidados redobrados.

"Deve-se agir criando formas de apoio e de acompanhamento, mas isso é uma coisa, outra coisa é estar a converter isso em aproveitamento político público ou estar a falar demais dificultando uma tarefa que já é difícil", insistiu.

Pelo menos 35 pessoas morreram e 717 ficaram feridas nos protestos que estão a decorrer, desde abril, na Venezuela, informou o Ministério Público venezuelano.

As autoridades detiveram "152 pessoas", na sequência das manifestações contra o Governo da Venezuela, acrescentou em comunicado, precisando que os registos foram atualizados até quinta-feira.

O Ministério Público venezuelano indicou que entre as vítimas mortais contam-se quatro adolescentes, um funcionário da Guarda Nacional Bolivariana (polícia militar) e outro da polícia do Estado de Carabobo.

Os feridos "ascendem a 717 pessoas, das quais 357 foram reportadas por factos relacionados com delitos comuns, 329 por direitos fundamentais e 31 por proteção integral à família", referiu a mesma fonte.

O CDS-PP reiterou hoje preocupação pela situação social e política na Venezuela, declarando que pretende conhecer do Governo detalhes sobre o plano de contingência para a comunidade portuguesa no país.

Lusa

  • O tempo para hoje
    0:57

    País

    O Instituto do Mar e da Atmosfera (IPMA) prevê para hoje chuva fraca a norte do sistema Montejunto-Estrela com subidada temperatura mínima. Céu muito nublado ou encoberto, apresentando-se em geral pouco nublado no Baixo Alentejo e no Algarve até meio da manhã. Períodos de chuva fraca ou chuvisco nas regiões a norte do sistema montanhoso Montejunto-Estrela, mais frequentes no Minho e Douro Litoral e a partir da tarde.

  • Jovens adoptados e filha do líder da IURD com versões diferentes dos acontecimentos
    4:06

    País

    Os jovens adoptados e a filha do bispo Edir Macedo, que alegadamente os adoptou, têm versões diferentes sobre o que aconteceu. Vera e Luís Katz garantem que foram adoptados por uma família norte-americana, com que viveram até aos 20 anos. Viviane Freitas, filha do líder da Igreja Universal do Reino de Deus, conta que foi mãe das crianças durante três anos, apesar de lhe ter sido negada a adopção.

  • Cabecilha da seita Verdade Celestial é "mentiroso, egocêntrico e psicótico"
    2:22

    País

    O cabecilha da seita "Verdade Celestial" foi condenado a 23 anos de pena de prisão por abusos sexuais de crianças e adolescentes. O juiz diz que o cabecilha do grupo era mentiroso patológico, egocêntrico, impulsivo e com personalidade psicótica. Dos oito acusados, duas mulheres foram absolvidas e seis arguidos foram condenados a penas efetivas. A rede de abusadores foi desmantelada há dois anos, numa quinta de Palmela.

  • Mau tempo obriga ao cancelamento de centenas de voos na Europa
    1:21
  • Antigos quadros da Facebook declaram-se preocupados com efeitos da rede social

    Mundo

    Alguns dos antigos quadros da empresa Facebook estão a começar a exprimir sérias dúvidas sobre a rede social que ajudaram a criar, foi noticiado. A Facebook explora "uma vulnerabilidade na psicologia humana" para criar dependência entre os seus utilizadores, afirmou o primeiro presidente da empresa, Sean Parker, num fórum público.