sicnot

Perfil

País

Governo estuda revisão do Estatuto dos Militares

O primeiro-ministro acompanhado pelo ministro da Defesa, José Alberto Azeredo Lopes, e pelo Chefe do Estado-Maior-General das Forças Armadas (CEMGFA), general Artur Pina Monteiro, conversa com um militar durante a visita ao campo onde estão instalados os militares portugueses, em Bangui, República Centro-Africana, a 12 de fevereiro de 2017.

PAULO HENRIQUES/GPM

O Governo está a estudar a revisão de alguns aspetos do Estatuto dos Militares das Forças Armadas (EMFAR), disse esta terça-feira à agência Lusa do ministro da Defesa Nacional, Azeredo Lopes.

"Há com certeza alguma área ou outra do Estatuto dos Militares das Forças Armadas que vai merecer revisão, mas ainda não é tempo para concretizar", disse o ministro, em declarações à Lusa, antes de partir para Lisboa, depois de uma deslocação a Marrocos na segunda-feira para reforçar os laços de cooperação com aquele país na área da Defesa.

O parlamento debate esta terça-feira um projeto de lei do PCP que visa alterações ao EMFAR para facilitar a passagem à reserva, a progressão nas carreiras e introduzir melhores condições de conciliação entre a vida militar e as obrigações parentais.

No projeto de lei, o PCP defende também a substituição do dever de "isenção política" pelo dever de "isenção partidária", retomando a formulação anterior às alterações aprovadas pelo anterior governo PSD/CDS-PP.

Questionado sobre estas propostas, Azeredo Lopes afastou a possibilidade de introduzir para já alterações à lei que impliquem mais despesa invocando que se mantém em 2017 "constrangimentos orçamentais".

"O ministério iniciou um varrimento para avaliar as regras estatutárias. Há algumas áreas em que será mais fácil a alteração, há outras em que por questões da realidade não tem cabimento", disse.

Já quanto à proposta para que o EMFAR volte a prever, entre os deveres especiais dos militares, o "dever de isenção partidária", retirando a formulação "dever de isenção política", Azeredo Lopes admitiu que é uma questão que pode exigir "um esforço de harmonização e clarificação".

Depois de na fase inicial da governação ter rejeitado a "fúria legislativa" nas áreas da Defesa, Azeredo Lopes sustentou esta terça-feira ser importante que o "debate sobre as Forças Armadas se vá desenvolvendo, quer nas dimensões mais estratégicas quer no que toca à condição militar".

Lusa

  • Protestos marcam cerimónia dos 106 anos da GNR
    2:11

    País

    As comemorações dos 106 anos da GNR ficaram marcadas pelo protestos dos militares. A cerimónia desta manhã contou com a presença do Presidente da República e do primeiro-ministro e com os protestos dos profissionais da Guarda que exigem melhores salários e progressão na carreira. E nem o novo estatuto da GNR, que entrou em vigor esta semana, resolve o problema dizem os sindicatos que acusam a ministra da Administração Interna, Constança Urbano de Sousa de virar as costas aos militares.

  • Marcelo contra a promoção de coronéis da GNR a brigadeiro-general
    2:17

    País

    Marcelo Rebelo de Sousa não quer que a Guarda Nacional Republicana tenha generais. O Presidente da República vetou esta terça-feira o novo Estatuto dos Militares da Guarda. O diploma permitia a saída dos generais do Exército do comando da GNR. Marcelo fica assim ao lado do Exército, que continua a fornecer generais para liderar a GNR.

  • GNR protesta a 24 de maio contra novo estatuto

    País

    A Associação dos Profissionais da Guarda (APG/GNR) anunciou, esta quinta-feira, que vai realizar, a 24 de maio, uma manifestação em Lisboa para protestar contra o novo estatuto da GNR e exigir promoções que estão por concretizar.

  • "Almaraz: Uma bomba-relógio aqui ao lado"
    1:56
  • S. João do Porto sem balões
    2:36

    País

    No Porto, milhares de pessoas foram para a rua festejar o São João. Este ano houve tolerância zero no lançamento de balões, por causa do risco de incêndio. O fogo de artifício começou com mais de 15 minutos de atraso.

  • Mais de 100 detidos pela PSP e GNR nas últimas 24 horas

    País

    Só a GNR deteve 64 pessoas em flagrante delito, entre a noite de sexta-feira e o início da manhã deste sábado, a maioria das quais (47) por condução sob o efeito do álcool. A PSP de Lisboa efetuou 41 detenções em 24 horas, dez por tráfico de droga.

  • Videoamador mostra grupo a atar tocha a um touro
    1:33
  • PJ investiga forma como o FC Porto obteve os e-mails
    1:58

    Desporto

    Enquanto o campeonato português de futebol está de férias do relvado, nos bastidores continua uma guerra aberta por causa dos e-mails. O FC Porto entregou à Polícia Judiciária toda a documentação disponível do chamado caso dos e-mails, que envolve o Benfica num alegado esquema de corrupção. O pedido foi feito pela Unidade Nacional de Combate à Corrupção da PJ. A forma como o FC Porto obteve os e-mails também está a ser investigada pela Polícia Judiciária.

  • Manifestantes bloquearam Caracas

    Mundo

    Milhares de pessoas bloquearam esta sexta-feira as ruas de Caracas e de outras cidades, em protesto contra a repressão e o assassinato de manifestantes pelas forças de segurança.