sicnot

Perfil

País

Ministério da Administração Interna manda abrir inquérito a detenção nas Finanças do Montijo

O Ministério da Administração Interna ordenou a abertura de um inquérito para apuramento de eventuais responsabilidades no caso que levou um militar da GNR à civil a deter um homem na repartição de finanças no Montijo, esta terça-feira.

Última atualização às 12:03

"A ministra da Administração Interna determinou na terça-feira à Inspeção-Geral da Administração Interna (IGAI) a realização de um inquérito para o apuramento de eventuais responsabilidades", segundo o gabinete do ministério de Constança Urbano de Sousa.

O caso foi tornado público pelo próprio envolvido, que fez um vídeo para as redes sociais a informar que estava na Repartição de Finanças para resolver questões relacionadas com o IRS. No vídeo é possível ver um elemento da GNR, que estava à civil, a imobilizar o indivíduo pelo pescoço.

Já esta manhã, à chegada ao tribunal, para ser ouvido por um procurador do Ministério Público, o homem disse apenas que se sente muito envergonhado e humilhado.

Na terça-feira, a GNR anunciou também a abertura de um processo de inquérito para "averiguar as circunstâncias da detenção do cidadão para apuramento de eventuais responsabilidades", tendo em conta as imagens difundidas.

Em comunicado, a Guarda Nacional Republicana confirmou a detenção de um cidadão que se encontrava com uma atitude imprópria e ofensiva para com os funcionários de uma Repartição de Finanças no Montijo.

Com Lusa

  • Militar da GNR agride homem até à inconsciência
    2:23

    País

    Um utente da repartição de Finanças do Montijo foi esta terça-feira agredido por um militar da GNR, quando se queixava do serviço. O militar estava à civil. O homem de 26 anos foi asfixiado até perder a consciência e depois foi detido. O momento ficou registado por telemóvel. Alertamos para as imagens que podem chocar. 

  • Hospitais vão ser penalizados se não cumprirem tempos de espera
    2:37

    País

    O Ministério da Saúde vai penalizar os hospitais que não cumprem os tempos de espera nas urgências e que tenham taxas elevadas de cesarianas. O novo modelo de financiamento prevê ainda linhas de financiamento próprio para a obesidade e rastreios do cancro do cólon e do colo do útero.

  • Assédio, até onde vai a tolerância?
    35:26