sicnot

Perfil

País

Último batalhão português na missão da NATO no Kosovo regressa amanhã a Lisboa

Os militares que integraram o último batalhão português empenhado na missão da NATO no Kosovo (KFOR) regressam na quinta-feira a Lisboa, sendo esperados cerca das 15h00 no aeroporto militar de Figo Maduro, Lisboa.

A Força Nacional Destacada terminou a sua missão a 28 de abril no aquartelamento de "Slim Lines", nos arredores de Pristina, Kosovo, e contou com um efetivo de 181 militares, dos quais 167 chegam na quinta-feira a Lisboa num voo da NATO e serão recebidos pelo ministro da Defesa Nacional, Azeredo Lopes.

Comandado pelo tenente-coronel António Cardoso, o 1.º Batalhão de Infantaria Mecanizado de Rodas, da Brigada de Intervenção sediada em Vila Real, atuou como força de reserva da KFOR em todo o território do Kosovo.

Questionado pela Lusa, o ministro da Defesa Nacional, Azeredo Lopes, justificou hoje a decisão afirmando que as "condições estratégicas e operacionais que ditaram o envio da força portuguesa se alteraram, nomeadamente as condições de segurança e estabilidade no território, hoje francamente mais favoráveis ao normal desenvolvimento do Kosovo".

A proposta do Governo para o fim da participação portuguesa na missão da NATO no Kosovo, depois de 18 anos, teve parecer favorável do Conselho Superior de Defesa Nacional em outubro passado.

Esta decisão mereceu a oposição do PSD que considera que ficam prejudicados os interesses nacionais na NATO, organização da qual Portugal foi país fundador.

Recentemente, o Comandante das Forças Terrestres, general Faria Menezes, também criticou a decisão afirmando que "terá necessariamente consequências e sequelas conforme parecer militar, mais uma vez registado mas não seguido".

O comentário do general foi publicado na página da publicação especializada em Defesa e Forças Armadas "Operacional".

Lusa

  • Marcelo lembra como foi tratada a tragédia durante a ditadura
    2:25

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Marcelo Rebelo de Sousa não quis comentar diretamente a polémica em torno da lista das vítimas mortais de Pedrógão Grande, mas recorreu às cheias de 1967 para lembrar como as tragédias eram tratadas no tempo da ditadura. O Presidente da República defendeu que não é possível esconder a dimensão de uma tragédia num regime democrático. Há 50 anos, Marcelo Rebelo de Sousa acompanhou de perto a forma como o regime tentou esconder a verdadeira dimensão do incidente.

  • Ministra admite falhas no SIRESP no presente e no passado
    2:35

    País

    A ministra da Administração Interna admitiu, esta quinta-feira, que o SIRESP falha no presente tal como já falhou no passado, quando a tutela pertencia ao Governo PSD. Os sociais-democratas quiserem ouvir Constança Urbano de Sousa na comissão parlamentar mas desta vez a ministra defendeu-se com um ataque. 

  • À descoberta de Dago, o destroço mais visitado em mergulho de profundidade
    13:51
  • Uma viagem aérea pela aldeia histórica de Monsanto
    0:50
  • "Comecei por ajudar uma família que me pediu um plástico para se proteger"
    4:51
  • Quase três mil toneladas de plástico ameçam tartarugas no Mediterrâneo
    2:35

    Mundo

    O Mar Mediterrâneo está sob a ameaça de se tornar uma lixeira com três mil toneladas de plástico a flutuarem entre a Europa e África. Há milhões de turistas a nadarem nestas águas e há espécies marinhas que já estão em perigo. No Chipre, os cientistas estão a tentar proteger tartarugas, cuja alimentação já é quase totalmente de plástico.

  • Deputado da Malásia diz que negar sexo ao marido é uma forma de abuso

    Mundo

    Um deputado malaio tem sido alvo de algumas críticas na internet, depois de ter dito que negar sexo a maridos é uma forma de abuso psicológico e emocional por parte das mulheres. As declarações de Che Mohamad Zulkifly Jusoh foram feitas durante um debate sobre as alterações às leis de violência doméstica, na quarta-feira.

    SIC