sicnot

Perfil

País

GNR detém chinês na fronteira do Caia e apreende 226 mil euros

NUNO VEIGA/ LUSA

GNR anunciou hoje a detenção, na quinta-feira, de um homem de nacionalidade chinesa na fronteira do Caia, em Elvas (Portalegre), por alegado branqueamento de capitais, tendo-lhe sido apreendidos 226 mil euros em numerário.

A detenção do homem, de 43 anos, revelou o Comando Territorial de Portalegre da GNR, foi efetuada pelo efetivo empenhado no controlo da fronteira do Caia, no âmbito da "Operação Fronteira Branca".


Segundo a GNR, o homem tinha na sua posse 226 mil euros em numerário, em notas de 20, 50, 100, 200 e 500 euros, montante que os militares apreenderam, e foi detido pelo alegado crime de branqueamento de capitais.


O detido, continuou a força de segurança, já foi presente a tribunal e saiu em liberdade, sujeito ao termo de identidade e residência.
Com este caso, aumenta para três o número de cidadãos de nacionalidade chinesa que foram detidos, na quinta-feira, por alegado branqueamento de capitais, no Caia, no âmbito da reposição do controlo documental nas fronteiras do território nacional, por ocasião da visita do papa a Portugal.
Os outros dois homens chineses detidos, de 35 e 36 anos, tinham na sua posse cerca de 480 mil euros em numerário e, presentes a tribunal, saíram, igualmente, em liberdade, com termo de identidade e residência.
A verba que transportavam, em notas de 50, 100 e 500 euros, foi também apreendida pela Guarda.
"A GNR continuará, ao longo desta operação, a realizar o controlo nos dez postos de passagem autorizados na fronteira terrestre, em conjunto com o Serviço de Estrangeiros e Fronteiras, nos 63 postos de passagem dotados de infraestruturas físicas, bem como a vigiar os aeródromos e pistas de aterragem e restante fronteira terrestre, marítima e fluvial, na nossa área de responsabilidade", indicou a força de segurança.
Com a "Operação Fronteira Branca", foi reposto o controlo documental dos cidadãos nas fronteiras aéreas, marítimas e terrestres do país, desde as 00:00 de quarta-feira e até às 00:00 do próximo domingo.
O controlo documental foi reposto por "razões de segurança interna e ordem pública", devido à visita do papa Francisco a Fátima.
Além da reposição do controlo das fronteiras aéreas, marítimas e terrestres, a "Operação Fronteira Branca" inclui ainda um "reforço de atividade de fiscalização a estrangeiros" no país, "controlos inopinados aos voos Schengen nos aeroportos e embarcações nos portos e marinas, controlos móveis junto aos CCPA (Centros de Cooperação Policial e Aduaneira) e áreas adjacentes e possível reforço da fiscalização e controlo aos movimentos em aeródromos".
O papa Francisco chega hoje a Fátima, permanecendo até sábado, para as comemorações do centenário das aparições.

  • Jovens adoptados e filha do líder da IURD com versões diferentes dos acontecimentos
    4:06

    País

    Os jovens adoptados e a filha do bispo Edir Macedo, que alegadamente os adoptou, têm versões diferentes sobre o que aconteceu. Vera e Luís Katz garantem que foram adoptados por uma família norte-americana, com que viveram até aos 20 anos. Viviane Freitas, filha do líder da Igreja Universal do Reino de Deus, conta que foi mãe das crianças durante três anos, apesar de lhe ter sido negada a adopção.

  • Cabecilha da seita Verdade Celestial é "mentiroso, egocêntrico e psicótico"
    2:22

    País

    O cabecilha da seita "Verdade Celestial" foi condenado a 23 anos de pena de prisão por abusos sexuais de crianças e adolescentes. O juiz diz que o cabecilha do grupo era mentiroso patológico, egocêntrico, impulsivo e com personalidade psicótica. Dos oito acusados, duas mulheres foram absolvidas e seis arguidos foram condenados a penas efetivas. A rede de abusadores foi desmantelada há dois anos, numa quinta de Palmela.

  • Mau tempo obriga ao cancelamento de centenas de voos na Europa
    1:21
  • Antigos quadros da Facebook declaram-se preocupados com efeitos da rede social

    Mundo

    Alguns dos antigos quadros da empresa Facebook estão a começar a exprimir sérias dúvidas sobre a rede social que ajudaram a criar, foi noticiado. A Facebook explora "uma vulnerabilidade na psicologia humana" para criar dependência entre os seus utilizadores, afirmou o primeiro presidente da empresa, Sean Parker, num fórum público.