sicnot

Perfil

País

Dois em cada três idosos em Portugal são sedentários

Rafael Marchante

É a camada da população mais inativa e com comportamentos que revelam um estilo de vida menos saudável, segundo um estudo divulgado hoje, que analisou os dados de mais de 10.600 portugueses representativos da população, entre os quais mais de 2.300 pessoas com mais de 65 anos.

O projeto "Saúde.come", que tem como um dos objetivos caraterizar os estilos de vida população portuguesa, analisou mais de 10.600 portugueses representativos da população, entre os quais mais de 2.300 pessoas com mais de 65 anos.


"A população idosa apresenta vários comportamentos que revelam um estilo de vida menos saudável. Tendencialmente é a população mais sedentária e revela maus hábitos alimentares, tabágicos e de consumo de álcool", sintetiza Helena Canhão, investigadora principal do "Saúde.come".

A partir das entrevistas feitas à população com mais de 65 anos, os investigadores concluíram que os últimos cinco a seis anos de vida dos portugueses são cumpridos com má qualidade ao nível da saúde.

São mais de 66% os idosos portugueses que são sedentários, um número que Helena Canhão considera "muito elevado".

O projeto realizou ainda uma comparação com a população norueguesa. Apesar de Portugal ter mais sol, os idosos da Noruega praticam "muito mais atividade física" do que os portugueses.

Em relação ao uso da tecnologia, 80% dos idosos portugueses não utilizam computador, mas são 60% os que veem mais de três horas de televisão por dia.
Helena Canhão refere que a televisão se mostra, nesta população, como um meio importante para transmitir conhecimentos e até para encorajar à atividade física.

Outro dado que os investigadores consideram relevante é o facto de mais de 77% dos idosos portugueses terem apenas até quatro anos de escolaridade.

O retrato mais detalhado da população com mais de 65 anos vai ser apresentado em Lisboa esta quinta-feira, numa sessão que contará com a presença do reitor da Universidade Nova de Lisboa.

Vai ser ainda apresentado um manual que pretende ser prático, com um programa de três meses para promover estilos de vida saudáveis entre os mais velhos.
O livro "Viver com Saúde depois dos 60 anos", que terá distribuição gratuita, pretende ajudar "de forma económica e sustentável" a alcançar uma vida mais saudável.

Terá conselhos e exemplos sobre exercício físico, receitas de cozinha, exercícios de memória, estímulo aos sentidos e outras informações sobre sexualidade, segurança ou sono.

O projeto "Saúde.come" é financiado pelo Programa Iniciativas de Saúde Pública, EEA-Grants, que resulta do memorando de entendimento celebrado entre o Estado Português e os países doadores (Islândia, Liechtenstein e Noruega) do Mecanismo Financeiro do Espaço Económico Europeu.

Com Lusa

  • Coreia do Norte lança novo míssil balístico

    Mundo

    O Pentágono detetou esta sexta-feira mais um lançamento de um míssil balístico por parte da Coreia do Norte. O primeiro-ministro japonês já confirmou o lançamento, que terá atingido a zona económica exclusiva, no Mar do Japão.

  • Menino perdido na Praia da Luz foi levado à GNR por turista
    1:11

    País

    Um menino inglês, de sete anos, esteve desaparecido na quinta-feira na Praia da Luz, no Algarve, depois de se ter perdido dos pais. A GNR colocou duas equipas de investigação no local, mas ao fim de uma hora e meia o rapaz apareceu na esquadra de Lagos acompanhado por um turista a quem terá pedido ajuda.

  • Mais viagens mas menos turistas de Portugal
    1:22

    País

    Os residentes em Portugal - sejam portugueses ou estrangeiros - realizaram quatro milhões de viagens turísticas, só no primeiro trimestre do ano. Um aumento de mais de 6% nas viagens dentro do país face ao período homólogo e de mais de 15% nas viagens para fora, de avião. O estudo é do INE, o Instituto Nacional de Estatística, que permite fazer o retrato mais claro de quem viaja e porquê.

  • Algarve sozinho gera metade dos bens transacionáveis em Portugal
    4:14

    SIC 25 Anos

    O Algarve quase não tem indústria e os especialistas consideram que é excessivamente dependente do turismo. Ainda assim, sozinho contribui com metade do que Portugal gera em bens transacionáveis. A região tem problemas graves, como a falta de médicos e um custo de vida muito alto, mas continua a atrair a maior parte dos turistas e muitos estrangeiros decidem mesmo escolher a região para viver.