sicnot

Perfil

País

Defesa do Ramal da Lousã rejeita metrobus

PAULO NOVAIS

O Movimento Defesa do Ramal da Lousã (MDRL) não aprova o sistema de mobilidade em metrobus apresentado hoje pelo Governo para o canal ferroviário entre Lousã e Coimbra, encerrado há sete anos para obras que depois pararam.

"Esta solução é um pouco mais do mesmo. É idêntica, ou muito igual, à solução preconizada em 2010, que foi rejeitada, inclusivamente, pelos autarcas da região", disse à agência Lusa Mário Sol, do MDRL, em Miranda do Corvo, no final da apresentação do sistema de mobilidade escolhido pelo Governo.

Cerca de duas dezenas de ativistas daquele movimento manifestaram-se pacificamente à chegada do ministro Pedro Marques, empunhando cartazes a exigir a reposição da ferrovia entre Serpins (Lousã) e Coimbra, que funcionou durante mais de um século.

Um grupo de técnicos do Laboratório Nacional de Engenharia Civil (LNEC) apresentou o estudo para a introdução do denominado "sistema metrobus" no canal do ramal ferroviário da Lousã, encerrado há sete anos para obras que depois pararam, e na área urbana de Coimbra, numa sessão presidida pelo ministro do Planeamento e das Infraestruturas.

Pedro Marques disse, na sua intervenção, que o novo projeto de mobilidade entre Lousã e Coimbra prevê uma solução "mais favorável" para as populações do que a ferrovia ou o metro ligeiro.

O governante afirmou que o Sistema de Mobilidade do Mondego (SMM), com autocarros elétricos em vez de transporte sobre carris, levará três anos e meio a entrar em funcionamento, com o prazo contado a partir de hoje.

O ministro, responsáveis do LNEC e da Infraestruturas de Portugal (IP) realçaram que o estudo procura responder a exigências da União Europeia, designadamente ao nível da sustentabilidade financeira e ambiental do investimento, que vai substituir o sistema de metro projetado há 21 anos pelo Estado e pelos três municípios que integram a Metro Mondego.

O projeto de mobilidade para o ramal ferroviário e a cidade de Coimbra com que o Governo se comprometeu junto das autarquias envolvidas deverá custar 89,3 milhões de euros.

"O estudo do LNEC não é posto em causa, o que é posto em causa é aquilo que pretende ser dado à região e à sua população, porque não podemos confundir as áreas urbanas de Miranda do Corvo e Lousã com a área urbana de Coimbra", disse Mário Sol.

Segundo o representante do MDRL, "ao colocarem um sistema de mobilidade deste tipo cortam logo a possibilidade à partida de haver uma maior desenvolvimento económico integrado da nossa região, as mercadorias deixam efetivamente de poder ser transportadas e depois não se acredita na segurança deste projeto",

"Contrariamente ao que foi dito, o único projeto que se movimenta a nível mundial com base neste sistema de metrobus é no Japão, dentro de uma cidade que não tem exatamente nada a ver com aquilo que é o traçado onde vai ser integrado, que é típico de montanha, com zonas muito complicadas, com túneis e pontes, uma delas em curva", sublinhou.

Lusa

  • O Metro(bus) do Mondego
    2:17

    País

    A ligação entre a Lousã e Coimbra vai passar pela utilização do metrobus, um sistema de autocarros elétricos. Foi apresentada esta manhã a solução para repor a mobilidade onde a ferrovia foi retirada para dar lugar ao metro de superfície, num projecto que nunca foi terminado. 

  • Três irmãos resgatados dos escombros em Itália
    1:24
  • Porto Editora acusada de discriminação
    2:55
  • Graça Fonseca, a primeira governante a assumir-se homossexual
    1:02

    País

    A secretária de Estado da Modernização Administrativa deu uma entrevista ao Diário de Notícias onde assume a sua homossexualidade. É a primeira vez que um governante português o faz. Graça Fonseca assume esta posição pública como uma "afirmação política".

  • Governo quer entregar OE 2018 a 13 de outubro
    1:33
  • Casa Branca isolada devido a pacote suspeito

    Mundo

    A Casa Branca foi esta terça-feira isolada devido à presença de um pacote suspeito junto a uma das vedações que limitam o edifício governamental norte-americano. A situação já foi normalizada e o objeto retirado do local.