sicnot

Perfil

País

Verdes criticam solução para o metro da Lousã e defendem comboio

O partido ecologista Os Verdes (PEV) discordou hoje da solução apresentada pelo Governo de transporte por autocarros elétricos entre Coimbra e a Lousã para substituir o metro sobre carris, reafirmando que considera o comboio como solução mais adequada.

Numa nota, o PEV considera que a solução apresentada pelo Governo "não é adequada para promover o desenvolvimento futuro do interior, pelo que deveria ser reposto o modelo de mobilidade anterior, em respeito pelos projetos de resolução apresentados pelo Os Verdes e aprovados na Assembleia da República".

O partido ecologista considera que uma solução sobre carris é a solução mais barata, de mais fácil manutenção e a "mais adequada do ponto de vista técnico para assegurar as necessidades de mobilidade" das cerca de 50 mil pessoas que se deslocam diariamente da Lousã para Coimbra.

Para Os Verdes, a ligação por ferrovia permitiria ainda ligar a Lousã à rede ferroviária nacional, com articulação com a linha do Norte a partir de Coimbra, "assegurando, além do transporte de passageiros, o transporte de bens e mercadorias para fora da região", contribuindo para "fixar e atrair a instalação de novas empresas, promover o desenvolvimento, gerando emprego no interior e combatendo as assimetrias regionais".

O ministro do Planeamento e das Infraestruturas, Pedro Marques, disse hoje que o novo projeto de mobilidade entre Lousã e Coimbra prevê uma solução "mais favorável" para as populações do que a ferrovia ou o metro ligeiro.

Pedro Marques afirmou que o Sistema de Mobilidade do Mondego (SMM), com autocarros elétricos em vez de transporte sobre carris, levará três anos e meio a entrar em funcionamento, com o prazo contado a partir de hoje.

A proposta de investimento no "sistema metrobus" prevê a aquisição de uma frota de 43 autocarros elétricos.

O Governo escolheu um modelo de autocarro "exclusivamente elétrico", após um estudo do Laboratório Nacional de Engenharia Civil que rejeitou a reposição do comboio no Ramal da Lousã, ao contrário do que era recomendado pela Assembleia da República em diferentes resoluções aprovadas em fevereiro.

Lusa

  • Defesa do Ramal da Lousã rejeita metrobus

    País

    O Movimento Defesa do Ramal da Lousã (MDRL) não aprova o sistema de mobilidade em metrobus apresentado hoje pelo Governo para o canal ferroviário entre Lousã e Coimbra, encerrado há sete anos para obras que depois pararam.

  • O Metro(bus) do Mondego
    2:17

    País

    A ligação entre a Lousã e Coimbra vai passar pela utilização do metrobus, um sistema de autocarros elétricos. Foi apresentada esta manhã a solução para repor a mobilidade onde a ferrovia foi retirada para dar lugar ao metro de superfície, num projecto que nunca foi terminado. 

  • As confissões de Sérgio Conceição: do futuro no FC Porto à zanga com Rui Vitória 
    43:14
  • Marcelo descobre que vê mal "ao longe à esquerda"
    2:05

    País

    Marcelo Rebelo de Sousa recebeu uma declaração dos médicos contra a despenalização da eutanásia. A audiência ao atual bastonário e cinco antecessores acontece a uma semana do tema ir a debate no Parlamento, e no dia em que o Presidente da República foi a estrela do Dia da Segurança Infantil. Marcelo aproveitou para fazer um rastreio à visão e concluiu que tem que estar "atento", à esquerda, ao longe".

  • PS "vai ficar em banho-maria durante anos" por causa de Sócrates
    0:59

    País

    Miguel Sousa Tavares considera que o PS vai ficar em "banho-maria" durante anos por causa de José Sócrates. Em entrevista na SIC Notícias, o comentador criticou os dirigentes socialistas pela forma como se tentaram demarcar do ex-primeiro-ministro e disse que António Costa devia ter tomado uma atitude mais concreta.

  • Sabia que pode emprestar dinheiro a empresas e ganhar 7% em juros por ano?
    8:05
  • É desta que provam a existência do monstro de Loch Ness?

    Mundo

    Para muitos, o monstro de Loch Ness não passa de uma lenda. A verdade é que a existência ou não desta criatura mística continua a suscitar debates entre aqueles que acreditam e os cépticos. Uma equipa internacional de investigadores quer responder finalmente à questão através da recolha de ADN ambiental do Loch Ness, na Escócia.

    SIC