sicnot

Perfil

País

Verdes criticam solução para o metro da Lousã e defendem comboio

O partido ecologista Os Verdes (PEV) discordou hoje da solução apresentada pelo Governo de transporte por autocarros elétricos entre Coimbra e a Lousã para substituir o metro sobre carris, reafirmando que considera o comboio como solução mais adequada.

Numa nota, o PEV considera que a solução apresentada pelo Governo "não é adequada para promover o desenvolvimento futuro do interior, pelo que deveria ser reposto o modelo de mobilidade anterior, em respeito pelos projetos de resolução apresentados pelo Os Verdes e aprovados na Assembleia da República".

O partido ecologista considera que uma solução sobre carris é a solução mais barata, de mais fácil manutenção e a "mais adequada do ponto de vista técnico para assegurar as necessidades de mobilidade" das cerca de 50 mil pessoas que se deslocam diariamente da Lousã para Coimbra.

Para Os Verdes, a ligação por ferrovia permitiria ainda ligar a Lousã à rede ferroviária nacional, com articulação com a linha do Norte a partir de Coimbra, "assegurando, além do transporte de passageiros, o transporte de bens e mercadorias para fora da região", contribuindo para "fixar e atrair a instalação de novas empresas, promover o desenvolvimento, gerando emprego no interior e combatendo as assimetrias regionais".

O ministro do Planeamento e das Infraestruturas, Pedro Marques, disse hoje que o novo projeto de mobilidade entre Lousã e Coimbra prevê uma solução "mais favorável" para as populações do que a ferrovia ou o metro ligeiro.

Pedro Marques afirmou que o Sistema de Mobilidade do Mondego (SMM), com autocarros elétricos em vez de transporte sobre carris, levará três anos e meio a entrar em funcionamento, com o prazo contado a partir de hoje.

A proposta de investimento no "sistema metrobus" prevê a aquisição de uma frota de 43 autocarros elétricos.

O Governo escolheu um modelo de autocarro "exclusivamente elétrico", após um estudo do Laboratório Nacional de Engenharia Civil que rejeitou a reposição do comboio no Ramal da Lousã, ao contrário do que era recomendado pela Assembleia da República em diferentes resoluções aprovadas em fevereiro.

Lusa

  • Defesa do Ramal da Lousã rejeita metrobus

    País

    O Movimento Defesa do Ramal da Lousã (MDRL) não aprova o sistema de mobilidade em metrobus apresentado hoje pelo Governo para o canal ferroviário entre Lousã e Coimbra, encerrado há sete anos para obras que depois pararam.

  • O Metro(bus) do Mondego
    2:17

    País

    A ligação entre a Lousã e Coimbra vai passar pela utilização do metrobus, um sistema de autocarros elétricos. Foi apresentada esta manhã a solução para repor a mobilidade onde a ferrovia foi retirada para dar lugar ao metro de superfície, num projecto que nunca foi terminado. 

  • Passos Coelho pede desculpa aos portugueses
    3:35
  • Pyongyang compara Trump a Hitler

    Mundo

    A Coreia do Norte compara o Presidente norte-americano Donald Trump a Adolf Hitler. Pyongyang já acostumou o mundo à sua linguagem "colorida" quando critica os seus inimigos. Mas comparações com o responsável por mais de 60 milhões de mortes são muito raras.

  • Glifosato na lista de produtos cancerígenos na Califórnia

    Mundo

    O estado norte-americano da Califórnia, nos Estados unidos, pode vir a obrigar o fabricante do popular herbicida Roundup a comercializar o produto com um rótulo que informe os consumidores de que o produto é cancerígeno. O glifosato, princípio ativo do herbicida Roundup fabricado pela Monsanto, consta de uma lista que vai ser divulgada na Califórnia, a 7 de julho, de produtos químicos potencialmente cancerígenos.