sicnot

Perfil

País

Portugal demonstrou à UE que não havia uma política de "sentido único"

Jose Manuel Ribeiro

O secretário-geral da CGTP, Arménio Carlos, afirmou hoje em Genebra, na Suíça, que Portugal, com o novo quadro político, demonstrou que não havia uma política de sentido único, rejeitando mais pressões por parte da União Europeia (UE).

"Em Portugal, a luta dos trabalhadores tornou possível o que parecia impossível", disse Arménio Carlos durante uma intervenção na sessão plenária da Conferência Internacional do Trabalho, de 2017, da Organização Internacional do Trabalho (OIT), que decorre até dia 16 de junho.

Para o líder da CGTP, "no último ano e meio foi possível, entre outras, travar a política de cortes nos salários e pensões, iniciar a reposição de rendimentos e direitos, melhorar o Salário Mínimo Nacional, recuperar feriados e as 35 horas para os trabalhadores da Administração Pública".

"Mas se estas medidas minimizaram as dificuldades sentidas pelos trabalhadores e pelas famílias, as causas que estiveram na origem de grande parte dos problemas laborais e sociais mantêm-se", disse Arménio Carlos referindo-se ao passado marcado pela política da 'troika' em Portugal, "que atacou direitos humanos e princípios fundamentais do trabalho digno, humilhou e fez sofrer um povo e pôs em causa a soberania de um país".

"Continuamos confrontados com a legislação laboral da política de direita e da 'troika', os contratos coletivos estão sob a ameaça da caducidade e do arbítrio patronal, a precariedade é elevada, a distribuição do rendimento mantém-se desequilibrada e somos um dos países da OCDE com maiores desigualdades", lamentou.

Assim, e consciente de que "não é num mês que se resolve o que foi destruído ao longo dos anos", Arménio Carlos considera urgente que o Governo calendarize a discussão e a resolução dos problemas, que estão na origem das desigualdades e do empobrecimento.

"Por isso, rejeitamos os constrangimentos e chantagens da UE que, a pretexto da Governação Económica Europeia e do Tratado Orçamental, mantém as pressões para reduzir a despesa social, limitar o aumento do salário mínimo, desmantelar a contratação coletiva, baixar os custos salariais e desregulamentar o mercado de trabalho", disse.

Estas pressões, refere, são feitas à margem do respeito pela legislação fundamental dos países, dos próprios tratados e dos princípios e disposições estabelecidas nas normas da OIT, violando a soberania dos países e pondo em causa o princípio da subsidiariedade.

Segundo o sindicalista, o compromisso aprovado, em 2009, sobre o trabalho digno é assim "indissociável de um mundo onde impere a paz, se assegure a transição para a economia verde com mais justiça social e salvaguarde a sustentabilidade ambiental planetária, agora ainda mais ameaçada pela recente decisão do presidente dos EUA".

"Este compromisso é fundamental num mundo onde as migrações são usadas para acentuar o 'dumping social'", sublinhou.

Lusa

  • A fábrica de caças na base aérea de Monte Real
    3:35
  • Comprar ou arrendar casa?
    8:25
  • Fui contactado por um espectador do “Contas-Poupança” (quartas-feiras, Jornal da Noite, SIC) e leitor do blogue www.contaspoupanca.pt, que foi surpreendido com uma carta do banco a aumentar o spread porque um dos serviços que tinha subscrito tinha sido extinguido. Neste caso específico, a domiciliação de ordenado. Ora, o cliente ficou estupefacto porque não mudou de empresa, não foi despedido nem tinha havido nenhuma alteração no recebimento do ordenado naquela conta.

    Pedro Andersson

  • NotPetya: Lourenço Medeiros explica o novo ciberataque global
    2:44

    Mundo

    A Ucrânia está a ser seriamente afetada por um novo ataque informático. Algumas empresas de grande dimensão estão a ser prejudicadas, agravando a dimensão global do ataque, o qual não parece ser dirigido a ninguém em concreto. Ontem, nas primeiras horas do ataque, não parava de crescer o número de vítimas.

  • Temer acusado de prejudicar Polícia Federal
    2:36
  • Violência volta às favelas do Rio de Janeiro
    3:21

    Mundo

    As favelas do Rio de Janeiro voltaram aos níveis de violência dos anos 90. A cidade de Deus foi uma das favelas pacificadas que voltou a registar tiroteios diariamente, os moradores falam de situações de trauma e do medo das crianças.

  • Trump interrompe telefonema para elogiar jornalista

    Mundo

    A jornalista irlandesa Caitriona Perry viu-se esta terça-feira envolvida num momento que a própria classificou de "bizarro": um encontro inesperado com Donald Trump, que interrompeu um telefonema com o primeiro-ministro irlandês para... a elogiar.

    SIC

  • Caricaturas de Trump invadem capital do Irão

    Mundo

    O Irão está a organizar um concurso internacional de caricaturas do Presidente norte-americano Donald Trump. Pelas ruas de Teerão já vão surgindo algumas imagens alusivas ao festival que vai realizar-se no próximo mês de julho.

  • Companhia aérea obriga deficiente físico a entrar no avião sem ajuda

    Mundo

    Um homem com uma deficiência física que o obriga a andar numa cadeira de rodas foi obrigado a subir sozinho as escadas de um avião da companhia aérea Vanilla Air. Hideto Kijima deparou-se com a situação quando estava a embarcar da ilha de Amami para Osaka, no Japão, com vários amigos que foram proibidos de o ajudar.

  • De onde vem o dinheiro de Isabel II?

    Mundo

    A rainha Isabel II vai ser aumentada - pelo exercício das suas funções -, em 2018, para 82,2 milhões de libras (93,5 milhões de euros). Este valor é pago pelo Estado britânico. Contudo, esta não é a única fonte de rendimento da rainha de Inglaterra. Isabel II também recebe pelas terras, casas e empresas que tem espalhadas pelo Reino Unido.

  • Cão corre os EUA a entregar águas aos árbitros em jogos de basebol
    0:20