sicnot

Perfil

País

Se PS tiver maioria absoluta, PCP não será "peninha no chapéu"

SERGIO AZENHA

Jerónimo de Sousa não acredita que o PS venha a ter maioria absoluta nas próximas eleições legislativas e diz que, se isso acontecesse, o PCP não poderia funcionar como "uma peninha no chapéu" dos socialistas. "Se tivéssemos um governo maioritário, de maioria absoluta do PS, isto são muitos anos de experiência, já vivi várias situações dessas e a verdade é que o resultado não foi nada brilhante", afirma Jerónimo de Sousa numa entrevista à Antena 1, que será hoje transmitida.

O líder comunista explica: "Sempre que houve maioria absoluta do PS, não tivemos uma política que correspondesse às necessidades do país e às aspirações dos trabalhadores e do povo".

Jerónimo de Sousa diz que acredita e que é "bem intencionada" a convicção do primeiro-ministro quando este afirma que mesmo que tivesse maioria absoluta queria continuar com esta solução governativa, mas sublinha: "o grande problema é a experiência histórica".
"Não iríamos integrar governo do PS. (...) Ninguém pense que o PCP poderia funcionar com uma peninha do chapéu", acrescenta.

Quanto à solução governativa atual, o líder comunista afirma: "resultou de uma conjuntura muito concreta, que acho que não é repetível".

Na entrevista à Antena 1, Jerónimo de Sousa diz que o Governo "corre o risco de frustrar expetativas" dos portugueses, enquanto não resolver as situações concretas relacionadas com a legislação laboral. "O pior que há em política é frustrar expetativas", afirma o líder do PCP, que se refere sobretudo às questões relacionadas com a legislação laboral - que ainda não foi alterada depois da saída da troika - e com as reformas das longas carreiras contributivas, uma questão que confessa já ter dito a António Costa.

Sobre as eleições autárquicas, admite que o adversário do PCP é o Partido Socialista: "Basta olhar para os resultados eleitorais para perceber que o adversário do PCP é o PS (... ), é natural que isso aconteça".

Lusa

  • Opinião

    A generalidade das sondagens publicadas nas últimas semanas diz-nos que, se as eleições fossem hoje, o PS de António Costa podia alcançar a maioria absoluta. É verdade que a esta distância das legislativas, que só acontecem em 2019, o quadro traçado é meramente teórico mas não deixa de ser importante para os cálculos políticos.

  • Costa de Metro de Odivelas para Lisboa para relembrar corrida entre burro e Ferrari
    2:55

    Autárquicas 2017

    António Costa começou hoje o dia de campanha em Odivelas, para uma viagem de Metro até Lisboa, em que recordou a célebre corrida entre um burro e um Ferrari que protagonizou em 1993 quando foi canditado do PS à Câmara de Loures. Foi nesta cidade, onde ontem à noite, que desferiu um violento ataque a Pedro Passos Coelho, acusando-o de transformar o PSD num partido que não é digno de um Estado democrático.

  • O aeroporto de Beja, um "elefante branco" na planície alentejana
    4:33
  • Paciente há 15 anos em estado vegetativo consegue seguir objetos e mexer a cabeça

    Mundo

    Um homem de 35 anos, que ficou em estado vegetativo após um acidente de viação há 15 anos, deu sinais de consciência depois de lhe ter sido aplicada uma nova técnica de estimulação nervosa. Cirurgiões implantaram no paciente um pequeno aparelho que estimula o nervo vago, responsável pela ligação nervosa entre o cérebro e o resto do corpo. A intervenção aconteceu em França e a descoberta foi publicada na revista científica Current Biology.