sicnot

Perfil

País

Assembleia da República condena saída dos EUA do Acordo de Paris

A Assembleia da República condenou hoje a saída do Estados Unidos da América do Acordo de Paris sobre as alterações climáticas, aprovando cinco votos apresentados por diferentes partidos.

A retirada do Acordo de Paris anunciada no dia 01 de junho pelo Presidente norte-americano, Donald Trump, foi condenada em textos apresentados por CDS-PP, PAN - Pessoas-Animais-Natureza, PCP, BE e "Os Verdes".

Os dois últimos votos de condenação, de BE e PEV, foram aprovados por unanimidade e os restantes textos tiveram os votos favoráveis de PS, BE, PEV e PAN, depois de um debate em que a decisão da administração norte-americana foi criticada por todas as bancadas.

Bruno Coimbra, deputado do PSD, afirmou que Donald Trump tomou uma decisão "tão típica das lideranças frágeis que necessitam de se demarcar dos seus antecessores", deixando os Estados Unidos "do lado errado da história".

O social-democrata acrescentou que "Portugal deve agora, com a Europa, dar força ao acordo".

Pelo PS, Renato Sampaio declarou que os Estados Unidos assumiram "uma posição de profunda irresponsabilidade" e que, assim, aquele país "não é um aliado confiável, porque rompe um acordo firmado".

Segundo o socialista, Portugal tem estado "na linha da frente no combate às alterações climáticas", enquanto a atual administração norte-americana está "a defender apenas e só as indústrias poluentes dos Estados Unidos, em detrimento da preservação do planeta".

Jorge Costa, do BE, considerou que a saída do Acordo de Paris "confirma uma presidência perigosa" dos Estados Unidos, que descreveu como "o projeto de poder de uma elite fóssil, de um lóbi petrolífero, que tem o negacionismo das alterações climáticas no coração do seu discurso".

Ressalvando que para o BE as metas do Acordo Paris são "insuficientes", Jorge Costa defendeu que os seus demais subscritores, e os cidadãos ao nível global, têm agora "a obrigação de dar o exemplo, de dar uma contrarresposta" comprometendo-se com a luta contra as alterações climáticas.

André Silva, do PAN, disse que "o rasgar do acordo" pelos Estados Unidos "é uma declaração de guerra à sustentabilidade da vida humana na terra" e apelou à ação global contra o consumismo.

Heloísa Apolónia, do PEV, também pediu "que os países signatários do Acordo de Paris prossigam esta luta global", após acusar a administração de Trump de "pôr a economia muito acima de qualquer linha e orientação de defesa ambiental e de segurança das populações".

João Almeida, do CDS-PP, afirmou que se trata de "uma decisão errada" com "graves consequências ao nível internacional", que vem "frustrar uma confiança mútua" que havia sido conseguida com "posições moderadas".

Pelo PCP, a deputada Ana Virgínia Pereira começou por apontar "inúmeras insuficiências, dúvidas e preocupações" ao Acordo de Paris e, depois, criticou também a decisão dos Estados Unidos, declarando que foi tomada em nome da "promoção de interesses económicos" e "deve ser condenada politicamente nesta Assembleia".

Ainda sobre esta matéria, foi também aprovado hoje, com a abstenção de PCP e CDS-PP, um voto de congratulação apresentado pelo PAN pela formação da Aliança Climática dos Estados Unidos, composta por treze estados norte-americanos, e da coligação "We are still in", formada por empresas, políticos e personalidades da sociedade civil daquele país.

Concluído em 12 de dezembro de 2015, na capital francesa, assinado por 195 países e já ratificado por 147, o Acordo de Paris visa limitar a subida da temperatura mundial pela redução das emissões de gases com efeito de estufa e entrou formalmente em vigor em 04 de novembro de 2016.

Portugal ratificou o Acordo de Paris em 30 de setembro de 2016, tornando-se o quinto país da União Europeia a fazê-lo e o 61.º do mundo.

Lusa

  • Rui Patrício confirmado no Wolverhampton

    Desporto

    O Wolverhampton anunciou esta segunda-feira a contratação do guarda-redes Rui Patrício, depois da rescisão com o Sporting. O guarda-redes da seleção nacional assinou contrato com o clube inglês por quatro épocas.

    SIC

  • Novo treinador do Sporting diz que mulheres não estão preparadas para falar de futebol
    1:23
  • Romelu Lukaku: força, potência e intensidade

    Mundial 2018 / Bélgica

    O avançado Romelu Lukaku foi eleito o Homem do Jogo entre Bélgica e Panamá. Num registo ofensivo em que a força e a potência são pilares para o sucesso junto às redes adversárias, Lukaku representa uma ameaça temível para qualquer defesa. Aos 25 anos, o ponta de lança que José Mourinho foi buscar ao Everton para dar outra intensidade ao ataque do Manchester United vive o melhor momento da carreira. Para já, assume-se como um candidato de respeito na corrida à Bota de Ouro deste Mundial.

  • Andreas Granqvist: o homem que destronou Ibrahimović

    Mundial 2018 / Suécia

    Depois de marcar o penálti que garantiu a vitória da Suécia frente à República da Coreia, Andreas Granqvist conquistou o título de homem do jogo. O capitão da equipa sueca foi também o vencedor da Bola de Ouro atribuída ao melhor futebolista sueco, em 2017, roubando o prémio ao carismático Ibrahimović, que já recebia a distinção há 10 anos consecutivos. Granqvist deu a vitória à Suécia e colocou a seleção escandinava no topo do grupo F, ao lado do México. Aos 32 anos, o defesa central é já um conhecedor dos relvados russos, já que alinha no FK Krasnodar.

  • Salto de Cristiano Ronaldo inspira dança afro-beat

    Desporto

    Uma música humorística afro-beat, publicada nas redes sociais e inspirada nos saltos de Cristiano Ronaldo quando marca golos, está a ser replicada na internet com dezenas de coreografias filmadas, muitas das quais em França.

  • Madonna esteve no Terreiro do Paço a ver o Brasil-Suíça
    0:15
  • Merkel tem duas semanas para negociar solução para crise migratória

    Mundo

    A chanceler alemã tem duas semanas para negociar com os parceiros europeus uma solução para a questão migratória e assim evitar uma crise política. O ultimato foi dado pelo CSU, o partido da Baviera que integra a coligação governamental. Ao contrário de Angela Merkel, defende uma política para os refugiados mais estrita.

  • Pai de Meghan Markle lamenta ser "nota de rodapé" no casamento real
    2:03
  • Quando as crianças fazem das suas... os pais é que pagam

    Mundo

    Quando as crianças fazem das suas, restam os pais para as castigar ou, em alguns casos, para sofrer as consequências desses atos. Quem o pode dizer é um casal norte-americano, que recebeu uma fatura de 132 mil dólares (cerca de 114 mil euros), depois de o filho ter derrubado uma estátua num centro comunitário.

    SIC