sicnot

Perfil

País

Assembleia da República condena saída dos EUA do Acordo de Paris

A Assembleia da República condenou hoje a saída do Estados Unidos da América do Acordo de Paris sobre as alterações climáticas, aprovando cinco votos apresentados por diferentes partidos.

A retirada do Acordo de Paris anunciada no dia 01 de junho pelo Presidente norte-americano, Donald Trump, foi condenada em textos apresentados por CDS-PP, PAN - Pessoas-Animais-Natureza, PCP, BE e "Os Verdes".

Os dois últimos votos de condenação, de BE e PEV, foram aprovados por unanimidade e os restantes textos tiveram os votos favoráveis de PS, BE, PEV e PAN, depois de um debate em que a decisão da administração norte-americana foi criticada por todas as bancadas.

Bruno Coimbra, deputado do PSD, afirmou que Donald Trump tomou uma decisão "tão típica das lideranças frágeis que necessitam de se demarcar dos seus antecessores", deixando os Estados Unidos "do lado errado da história".

O social-democrata acrescentou que "Portugal deve agora, com a Europa, dar força ao acordo".

Pelo PS, Renato Sampaio declarou que os Estados Unidos assumiram "uma posição de profunda irresponsabilidade" e que, assim, aquele país "não é um aliado confiável, porque rompe um acordo firmado".

Segundo o socialista, Portugal tem estado "na linha da frente no combate às alterações climáticas", enquanto a atual administração norte-americana está "a defender apenas e só as indústrias poluentes dos Estados Unidos, em detrimento da preservação do planeta".

Jorge Costa, do BE, considerou que a saída do Acordo de Paris "confirma uma presidência perigosa" dos Estados Unidos, que descreveu como "o projeto de poder de uma elite fóssil, de um lóbi petrolífero, que tem o negacionismo das alterações climáticas no coração do seu discurso".

Ressalvando que para o BE as metas do Acordo Paris são "insuficientes", Jorge Costa defendeu que os seus demais subscritores, e os cidadãos ao nível global, têm agora "a obrigação de dar o exemplo, de dar uma contrarresposta" comprometendo-se com a luta contra as alterações climáticas.

André Silva, do PAN, disse que "o rasgar do acordo" pelos Estados Unidos "é uma declaração de guerra à sustentabilidade da vida humana na terra" e apelou à ação global contra o consumismo.

Heloísa Apolónia, do PEV, também pediu "que os países signatários do Acordo de Paris prossigam esta luta global", após acusar a administração de Trump de "pôr a economia muito acima de qualquer linha e orientação de defesa ambiental e de segurança das populações".

João Almeida, do CDS-PP, afirmou que se trata de "uma decisão errada" com "graves consequências ao nível internacional", que vem "frustrar uma confiança mútua" que havia sido conseguida com "posições moderadas".

Pelo PCP, a deputada Ana Virgínia Pereira começou por apontar "inúmeras insuficiências, dúvidas e preocupações" ao Acordo de Paris e, depois, criticou também a decisão dos Estados Unidos, declarando que foi tomada em nome da "promoção de interesses económicos" e "deve ser condenada politicamente nesta Assembleia".

Ainda sobre esta matéria, foi também aprovado hoje, com a abstenção de PCP e CDS-PP, um voto de congratulação apresentado pelo PAN pela formação da Aliança Climática dos Estados Unidos, composta por treze estados norte-americanos, e da coligação "We are still in", formada por empresas, políticos e personalidades da sociedade civil daquele país.

Concluído em 12 de dezembro de 2015, na capital francesa, assinado por 195 países e já ratificado por 147, o Acordo de Paris visa limitar a subida da temperatura mundial pela redução das emissões de gases com efeito de estufa e entrou formalmente em vigor em 04 de novembro de 2016.

Portugal ratificou o Acordo de Paris em 30 de setembro de 2016, tornando-se o quinto país da União Europeia a fazê-lo e o 61.º do mundo.

Lusa

  • A fábrica de caças na base aérea de Monte Real
    3:35
  • Comprar ou arrendar casa?
    8:25
  • Fui contactado por um espectador do “Contas-Poupança” (quartas-feiras, Jornal da Noite, SIC) e leitor do blogue www.contaspoupanca.pt, que foi surpreendido com uma carta do banco a aumentar o spread porque um dos serviços que tinha subscrito tinha sido extinguido. Neste caso específico, a domiciliação de ordenado. Ora, o cliente ficou estupefacto porque não mudou de empresa, não foi despedido nem tinha havido nenhuma alteração no recebimento do ordenado naquela conta.

    Pedro Andersson

  • NotPetya: Lourenço Medeiros explica o novo ciberataque global
    2:44

    Mundo

    A Ucrânia está a ser seriamente afetada por um novo ataque informático. Algumas empresas de grande dimensão estão a ser prejudicadas, agravando a dimensão global do ataque, o qual não parece ser dirigido a ninguém em concreto. Ontem, nas primeiras horas do ataque, não parava de crescer o número de vítimas.

  • Temer acusado de prejudicar Polícia Federal
    2:36
  • Violência volta às favelas do Rio de Janeiro
    3:21

    Mundo

    As favelas do Rio de Janeiro voltaram aos níveis de violência dos anos 90. A cidade de Deus foi uma das favelas pacificadas que voltou a registar tiroteios diariamente, os moradores falam de situações de trauma e do medo das crianças.

  • Trump interrompe telefonema para elogiar jornalista

    Mundo

    A jornalista irlandesa Caitriona Perry viu-se esta terça-feira envolvida num momento que a própria classificou de "bizarro": um encontro inesperado com Donald Trump, que interrompeu um telefonema com o primeiro-ministro irlandês para... a elogiar.

    SIC

  • Caricaturas de Trump invadem capital do Irão

    Mundo

    O Irão está a organizar um concurso internacional de caricaturas do Presidente norte-americano Donald Trump. Pelas ruas de Teerão já vão surgindo algumas imagens alusivas ao festival que vai realizar-se no próximo mês de julho.

  • Companhia aérea obriga deficiente físico a entrar no avião sem ajuda

    Mundo

    Um homem com uma deficiência física que o obriga a andar numa cadeira de rodas foi obrigado a subir sozinho as escadas de um avião da companhia aérea Vanilla Air. Hideto Kijima deparou-se com a situação quando estava a embarcar da ilha de Amami para Osaka, no Japão, com vários amigos que foram proibidos de o ajudar.

  • De onde vem o dinheiro de Isabel II?

    Mundo

    A rainha Isabel II vai ser aumentada - pelo exercício das suas funções -, em 2018, para 82,2 milhões de libras (93,5 milhões de euros). Este valor é pago pelo Estado britânico. Contudo, esta não é a única fonte de rendimento da rainha de Inglaterra. Isabel II também recebe pelas terras, casas e empresas que tem espalhadas pelo Reino Unido.

  • Cão corre os EUA a entregar águas aos árbitros em jogos de basebol
    0:20