sicnot

Perfil

País

Fenprof envia aos pais carta a explicar razões da greve em dia de exames

A Fenprof explicou aos pais os motivos da greve convocada para dia 21, numa carta enviada às associações, e prepara-se para, na rua, esclarecer a população sobre as razões da paralisação em dia de exames nacionais.

"No âmbito da preparação desta greve, iniciaram-se hoje plenários de docentes, que continuarão na próxima semana. Ao longo de toda a semana, será também distribuída informação à população sobre os motivos de realização desta greve. Tal distribuição terá lugar em todas as capitais de distrito do país e, ainda, em outras localidades", referiu a Federação Nacional dos Professores (Fenprof), em comunicado.
"Da mesma forma, em muitas escolas, os professores distribuirão a informação aos pais e encarregados de educação dos alunos", segundo a Fenprof.


No documento, a federação sindical adianta que hoje enviou uma carta "ao movimento associativo de pais", de âmbito nacional -- confederações - e distrital -- federações -, "em que aborda os motivos que levaram à convocação desta greve".


"Contrariamente ao que se tem ouvido, o que, verdadeiramente, prejudica os alunos não é a realização de um dia de greve pelos professores, mas sim a não-resolução dos problemas que levaram os professores a convocar esta greve. O facto de a greve coincidir com alguns exames de 11.º ano não foi a razão da sua convocação. O dia 21 foi aquele em que, havendo reunião com o ministro em 06 de junho, a greve poderia ser marcada, atendendo aos prazos legais que vigoram", explica-se na carta da Fenprof aos pais.


Em 2013, quando os sindicatos da educação se uniram numa greve conjunta em período de exames nacionais, os pais vieram a público criticar a situação criada pela paralisação nas avaliações dos alunos do 12.º ano, e as consequências no acesso ao ensino superior.


A Confederação Nacional das Associações de Pais (Confap) foi, entre as organizações representativas dos encarregados de educação, a que mais se insurgiu contra o que apelidou de "clima de instabilidade inaceitável e intolerável" vivido no final do ano letivo, motivando mesmo o pedido de intervenção do Provedor de Justiça.


Ao contrário da paralisação de um dia agendada para o fim deste mês, a greve de 2013 durou mais de uma semana, e abrangeu o exame nacional de Português, aquele que regista anualmente o maior número de inscritos.


Na missiva em que enumera alguns dos pontos de discórdia com a tutela na origem da greve, a Fenprof reafirma que esta apenas se concretiza se o Ministério da Educação não atender as reivindicações sindicais, e relembrando que a tutela pode optar por reagendar as provas marcadas para 21 de junho para outra data.


"Queremos, assim, reafirmar que a greve dos professores e educadores não é contra os alunos, pelo contrário, é contra a ausência de medidas e contra políticas que, essas sim prejudicam imenso os alunos. Como tal, gostaríamos de contar com a vossa compreensão e solidariedade", conclui a carta.


Um texto semelhante será distribuído nas ruas ao longo da próxima semana em todas as capitais de distrito.
A Fenprof refere ainda no comunicado que dos plenários de professores realizados hoje saiu a vontade de continuar a negociar com a tutela para que seja possível desconvocar a greve, acrescentando que ainda não está marcada nova reunião com a equipa do Ministério da Educação.


"Como a Fenprof afirmou, a sua abertura e a disponibilidade para continuar a procurar soluções de consenso são totais. Porém, se até dia 20 tal não acontecer, dia 21 de junho, com ou sem serviços mínimos, haverá Greve Nacional de Professores e Educadores", lê-se no comunicado.


FNE e Fenprof anunciaram na passada semana a marcação de uma greve de professores para 21 de junho, depois de não terem conseguido obter do Governo garantias quanto às reivindicações apresentadas na reunião com a tutela.


Para o dia da greve estão agendadas provas de aferição de Matemática e Estudo do Meio do 2.º ano de escolaridade e exames nacionais do 11.º ano às disciplinas de Física e Química A (uma das provas com maior número de inscritos), Geografia A e História da Cultura e das Artes.
A concretizar-se a paralisação, mais de 76 mil alunos podem inscritos nas provas desse dia podem ser afetados.

Lusa

  • Negócios do Fogo
    22:00
  • Direção da Raríssimas na Madeira demitiu-se em setembro
    1:58

    País

    Três representantes da Raríssimas na ilha da Madeira demitiram-se, em setembro, de costas voltas para a direção. A delegação da instituição na ilha começou em 2015 e fechou com as três demissões. Em entrevista à SIC, uma das antigas delegadas afirmou que todos os fundos angariados foram para a sede, em Lisboa, ficando depois sem dinheiro para pagar as despesas.

  • Deputado do PSD recusa vice-presidência da Raríssimas
    1:58

    País

    Nas reações políticas ao caso da Raríssimas, o PSD e CDS dizem que é preciso acionar todos os mecanismos legais apropriados para averiguar a situação. O deputado social-democrata, Ricardo Baptista Leite, que tinha sido convidado recentemente para vice-presidente da instituição, diz que já não há condições para tomar posse.

  • Turistas aproveitam nevão na Serra da Estrela
    1:23
  • Fortes nevões no norte da Europa
    0:59
  • Dezenas de feridos em protestos contra decisão de Trump em Israel
    1:55
  • A brincadeira de um youtuber que podia ter acabado mal

    Mundo

    Um jovem youtuber inglês enfiou a cabeça num saco de plástico, prendeu-a na parte interna de um microondas e encheu depois o eletrodoméstico com cimento. A brincadeira, que podia ter acabado de forma trágica, deixou o jovem completamente preso e obrigou à intervenção dos serviços de emergência.

    SIC

  • "Popeye" russo pode ter que amputar braços

    Mundo

    Um jovem russo injetou um óleo no corpo para conseguir ter músculos, mais propriamente nos seus braços, que já cresceram cerca de 25 centímetros. Contudo, segundo um médico, o procedimento pode levar à necessidade de amputação, deixando o jovem sem os membros.