sicnot

Perfil

País

Marcelo jogou matraquilhos e plantou uma árvore no Porto

JOS\303\211 COELHO

O Presidente da República Marcelo Rebelo de Sousa visitou esta sexta-feira a Associação "Somos Nós", dedicada a jovens com deficiência, no Porto, onde jogou matraquilhos, plantou uma árvore, tirou selfies e provou bolinhos de laranja.

Foi ao som de "Marcelo, Marcelo, Marcelo" que o chefe de Estado foi recebido pelos jovens que, rapidamente, o abraçaram, deram beijos e o apelidaram de "maior".

Depois de uma visita de cerca de uma hora, Marcelo Rebelo de Sousa, que teve a oportunidade de assistir a aulas de teatro, culinária e euro, foi perentório em dizer que a "Somos Nós" é uma "grande instituição, uma instituição de excelência".

Criada em 2006, esta Instituição Particular de Solidariedade Social (IPSS) foi fundada por pais e amigos de jovens adultos portadores de deficiência mental para lhe proporcionar alternativas profissionais no final do período de vida escolar.

"Tem tudo o que é necessário, tem alma, tem espírito de grupo, tem técnicos competentes, tem uma equipa dirigente empenhada e uma ligação dos familiares e utentes à instituição", disse o Presidente da República.

Marcelo Rebelo de Sousa referiu que a instituição tem "muita qualidade", algo visível pelo programa, pelas atividades e pela "alegria" dos jovens.

JOS\303\211 COELHO

Quanto às queixas da associação por não conseguir acordo com a Segurança Social, o chefe de Estado realçou estar na esperança de que essa questão venha a ser ultrapassada porque a "Somos Nós" tem tudo para dobrar o número de utentes, sublinhando estar ali para isso.

Sem interromper a aula de teatro, o Presidente da República assistiu à encenação dos jovens sobre "estados de alma" que ora fingiam estar pensativos, ora aborrecidos ou ora altivos, mas no final estavam realmente felizes por o terem como espetador e, para eternizar o momento, dispararam a objetiva.

Daí, Marcelo Rebelo de Sousa foi ver a cascata de São João, onde identificou os Clérigos, a Câmara do Porto, a Sé e os barcos rabelos, passando depois para uma aula sobre euro onde, por momentos, foi responsável pela gestão do banco e, em jeito de brincadeira, disse que o ministro das Finanças, Mário Centeno, iria ficar contente por os jovens trabalharem "tão bem" as contas.

A visita passou para a cozinha, mas a conversa continuou a ser sobre contas depois de um jovem lhe dizer estar disponível para ir para o Governo de António Costa porque "não falhava contas", lugar que Marcelo Rebelo de Sousa afirmou estar "ocupadíssimo".

JOS\303\211 COELHO

Já sobre as iguarias que prepararam para o chefe de Estado, bolinhos de laranja e laranjada, Marcelo Rebelo de Sousa disse estarem "muito bons" e ainda pediu para levar alguns para comer no avião a caminho de Brasil no sábado.

Já sobre a laranjada, o Presidente da República disse estar "boa", acrescentando que as laranjas são fundamentais para uma alimentação equilibrada.

"Laranjas de um lado e frutos vermelhos do outro", afirmou.

Seguiu-se uma partida de matraquilhos de onde, pelos gritos de satisfação dos seus adversários, Marcelo saiu derrotado.

Já no exterior plantou uma árvore e foi brindado com a camisola e o pin da Associação "Somos Nós" e, claro, tirou uma foto com cada um dos jovens, mas antes de continuar o programa das Comemorações do 10 de Junho, Marcelo Rebelo de Sousa foi até ao gradeamento da instituição cumprimentar um grupo de meninos de outra associação que gritavam efusivamente pelo seu nome.

Lusa

  • Ministra emocionou-se no Parlamento
    2:26

    Tragédia em Pedrógão Grande

    A ministra da Administração Interna disse esta quarta-feira no Parlamento que está, desde a primeira hora, a recolher, analisar e cruzar todos os dados do incêndio de Pedrógão Grande. Constança Urbano de Sousa emocionou-se diante dos deputados e admitiu que tem ainda muitas dúvidas sobre o que aconteceu. Foi pedido um estudo independente ao funcionamento do sistema de comunicações de emergência e uma auditoria à Secretaria-Geral da Administração Interna, a entidade gestora do SIRESP. A ministra explicou porquê.

  • "O que mais tem havido nesta altura são respostas precipitadas"
    7:21

    Opinião

    Foi um "debate contido" o de hoje, no Parlamento, sobretudo no frente-a-frente entre António Costa e Passos Coelho, na opinião de Bernardo Ferrão. O subdiretor de informação da SIC sublinha uma declaração "mortal" do primeiro-ministro, quando este disse que "ninguém quer respostas precipitadas". Por outro lado, a comissão técnica independente pedida pelo PSD pode virar-se contra o próprio partido.

    Bernardo Ferrão

  • NotPetya: Lourenço Medeiros explica o novo ciberataque global
    2:44

    Mundo

    A Ucrânia está a ser seriamente afetada por um novo ataque informático. Algumas empresas de grande dimensão estão a ser prejudicadas, agravando a dimensão global do ataque, o qual não parece ser dirigido a ninguém em concreto. Ontem, nas primeiras horas do ataque, não parava de crescer o número de vítimas.

  • Caricaturas de Trump invadem capital do Irão

    Mundo

    O Irão está a organizar um concurso internacional de caricaturas do Presidente norte-americano Donald Trump. Pelas ruas de Teerão já vão surgindo algumas imagens alusivas ao festival que vai realizar-se no próximo mês de julho.

  • De onde vem o dinheiro de Isabel II?

    Mundo

    A rainha Isabel II vai ser aumentada - pelo exercício das suas funções -, em 2018, para 82,2 milhões de libras (93,5 milhões de euros). Este valor é pago pelo Estado britânico. Contudo, esta não é a única fonte de rendimento da rainha de Inglaterra. Isabel II também recebe pelas terras, casas e empresas que tem espalhadas pelo Reino Unido.

  • Companhia aérea obriga deficiente físico a entrar no avião sem ajuda

    Mundo

    Um homem com uma deficiência física que o obriga a andar numa cadeira de rodas foi obrigado a subir sozinho as escadas de um avião da companhia aérea Vanilla Air. Hideto Kijima deparou-se com a situação quando estava a embarcar da ilha de Amami para Osaka, no Japão, com vários amigos que foram proibidos de o ajudar.